Fechar
Publicidade

Sábado, 10 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Paulo Chuchu vai armado à Câmara: ‘Não quebrei regra’

Reprodução/Facebook Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Vereador de S.Bernardo, que é policial civil, alega que lei determina que ele carregue equipamento


Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

12/01/2021 | 04:02


Vereador por São Bernardo, Paulo Chuchu (PRTB) avisou que irá armado para o trabalho na Câmara. Na semana passada, parlamentar postou imagem em uma rede social ostentando uma arma, de modelo Glock, que estava em cima de mesa dentro de seu gabinete na casa, dando início à polêmica sobre o caso.

Policial civil, Chuchu sustenta que está amparado por lei para andar armado por ainda ser agente de segurança. O vereador admitiu, porém, que aguarda posicionamento oficial da Câmara sobre o porte de arma nas dependências.

O regimento interno do Legislativo deixa brecha sobre a possibilidade de vereadores portarem algum tipo de armamento dentro do prédio. Em um único artigo, de número 199, a norma interna sustenta que qualquer pessoa pode assistir às sessões, desde que não esteja portando armas.

“Qualquer pessoa pode assistir às sessões públicas, desde que permaneça no lugar destinado ao público e que esteja decentemente trajado, não portando armas, e guardando silêncio, sem dar sinal de aplauso ou reprovação. Será compelido a sair imediatamente do edifício todo aquele que perturbar os trabalhos, se prejuízo de outra penalidade”, versa o regimento interno.

Conforme Paulo Chuchu, ex-assessor do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), a função de policial civil o garante o direito de andar armado. “Todo policial deve andar armado, conforme lei estabelecida, então não estou quebrando nenhuma regra. Apesar de ser vereador no momento, ainda acumulo o cargo de policial civil, então, posso carregar uma arma”, declarou.

Eleito para esta legislatura, Chuchu tem intenção de solicitar afastamento da Polícia Civil no próximo mês, para não acumular a função de policial. “Mas, mesmo que eu der baixa, mesmo assim poderei andar armado, já que ainda manterei vínculo com a Polícia Civil.”

Presidente do Legislativo, Estevão Camolesi (PSDB) declarou que irá recorrer ao setor jurídico da casa, mas declarou saber que no regimento interno não há item que proíba vereador de andar armado dentro da Câmara. “Pretendo estabelecer os moldes que foram determinados na Câmara Federal. Lá, os deputados não podem comparecer ao plenário e às comissões armados. Mas nos corredores e no gabinete eles podem carregar o equipamento.”
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Paulo Chuchu vai armado à Câmara: ‘Não quebrei regra’

Vereador de S.Bernardo, que é policial civil, alega que lei determina que ele carregue equipamento

Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

12/01/2021 | 04:02


Vereador por São Bernardo, Paulo Chuchu (PRTB) avisou que irá armado para o trabalho na Câmara. Na semana passada, parlamentar postou imagem em uma rede social ostentando uma arma, de modelo Glock, que estava em cima de mesa dentro de seu gabinete na casa, dando início à polêmica sobre o caso.

Policial civil, Chuchu sustenta que está amparado por lei para andar armado por ainda ser agente de segurança. O vereador admitiu, porém, que aguarda posicionamento oficial da Câmara sobre o porte de arma nas dependências.

O regimento interno do Legislativo deixa brecha sobre a possibilidade de vereadores portarem algum tipo de armamento dentro do prédio. Em um único artigo, de número 199, a norma interna sustenta que qualquer pessoa pode assistir às sessões, desde que não esteja portando armas.

“Qualquer pessoa pode assistir às sessões públicas, desde que permaneça no lugar destinado ao público e que esteja decentemente trajado, não portando armas, e guardando silêncio, sem dar sinal de aplauso ou reprovação. Será compelido a sair imediatamente do edifício todo aquele que perturbar os trabalhos, se prejuízo de outra penalidade”, versa o regimento interno.

Conforme Paulo Chuchu, ex-assessor do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), a função de policial civil o garante o direito de andar armado. “Todo policial deve andar armado, conforme lei estabelecida, então não estou quebrando nenhuma regra. Apesar de ser vereador no momento, ainda acumulo o cargo de policial civil, então, posso carregar uma arma”, declarou.

Eleito para esta legislatura, Chuchu tem intenção de solicitar afastamento da Polícia Civil no próximo mês, para não acumular a função de policial. “Mas, mesmo que eu der baixa, mesmo assim poderei andar armado, já que ainda manterei vínculo com a Polícia Civil.”

Presidente do Legislativo, Estevão Camolesi (PSDB) declarou que irá recorrer ao setor jurídico da casa, mas declarou saber que no regimento interno não há item que proíba vereador de andar armado dentro da Câmara. “Pretendo estabelecer os moldes que foram determinados na Câmara Federal. Lá, os deputados não podem comparecer ao plenário e às comissões armados. Mas nos corredores e no gabinete eles podem carregar o equipamento.”
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;