Fechar
Publicidade

Sábado, 8 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Movimentação do varejo tem queda de 6,3% em dezembro, diz ACSP

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


08/01/2021 | 17:50


O Balanço de Vendas de dezembro de 2020, feito pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP), indica que houve uma variação negativa de 6,3% nas atividades do varejo em comparação ao mesmo período de 2019. A ACSP esperava que a economia varejista se recuperasse das perdas causadas pela pandemia com as compras para o Natal, o que não ocorreu. Por outro lado, foi observado um crescimento médio de 18,4% das vendas em relação a novembro.

Os dados, que foram fornecidos pela Boa Vista S/A, se referem somente às vendas físicas. Marcel Solimeo, economista da ACSP, afirma que "as vendas do comércio online, que já estavam crescendo antes da pandemia, estão em franca aceleração, ainda mais em épocas favoráveis a compras por conta do distanciamento social".

Segundo o balanço, os donos de lojas de rua e de shopping foram os mais afetados no mês. Solimeo atribui o prejuízo à reclassificação temporária do Plano São Paulo de contenção à covid-19, que incluiu todos municípios paulistas na fase vermelha entre os dias 25 a 27 de dezembro.

"As lojas ficaram sem funcionar em dias importantes para o varejo, que é o momento em que as pessoas trocam os presentes e aproveitam para comprar algo mais", afirmou o economista.

O varejo vinha se recuperando de forma gradativa desde o ápice da desaceleração das vendas, que ocorreu no segundo trimestre de 2020.

Segundo a ACSP, as perdas começaram a retração com 54,9% em junho de 2020 e chegaram a 5% em novembro - o que indicava um possível crescimento no mês seguinte.

"Não sabemos ainda se haverá ou não a extensão do Auxílio Emergencial ou a criação de outro benefício que possa estimular as vendas, se o comércio continuará aberto, fechado ou se a vacinação vai fazer com que as pessoas deixem o isolamento social", disse Solimeo enfatizando as incertezas para o varejo em 2021.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Movimentação do varejo tem queda de 6,3% em dezembro, diz ACSP


08/01/2021 | 17:50


O Balanço de Vendas de dezembro de 2020, feito pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP), indica que houve uma variação negativa de 6,3% nas atividades do varejo em comparação ao mesmo período de 2019. A ACSP esperava que a economia varejista se recuperasse das perdas causadas pela pandemia com as compras para o Natal, o que não ocorreu. Por outro lado, foi observado um crescimento médio de 18,4% das vendas em relação a novembro.

Os dados, que foram fornecidos pela Boa Vista S/A, se referem somente às vendas físicas. Marcel Solimeo, economista da ACSP, afirma que "as vendas do comércio online, que já estavam crescendo antes da pandemia, estão em franca aceleração, ainda mais em épocas favoráveis a compras por conta do distanciamento social".

Segundo o balanço, os donos de lojas de rua e de shopping foram os mais afetados no mês. Solimeo atribui o prejuízo à reclassificação temporária do Plano São Paulo de contenção à covid-19, que incluiu todos municípios paulistas na fase vermelha entre os dias 25 a 27 de dezembro.

"As lojas ficaram sem funcionar em dias importantes para o varejo, que é o momento em que as pessoas trocam os presentes e aproveitam para comprar algo mais", afirmou o economista.

O varejo vinha se recuperando de forma gradativa desde o ápice da desaceleração das vendas, que ocorreu no segundo trimestre de 2020.

Segundo a ACSP, as perdas começaram a retração com 54,9% em junho de 2020 e chegaram a 5% em novembro - o que indicava um possível crescimento no mês seguinte.

"Não sabemos ainda se haverá ou não a extensão do Auxílio Emergencial ou a criação de outro benefício que possa estimular as vendas, se o comércio continuará aberto, fechado ou se a vacinação vai fazer com que as pessoas deixem o isolamento social", disse Solimeo enfatizando as incertezas para o varejo em 2021.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;