Fechar
Publicidade

Sábado, 8 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Toque de recolher é decretado em Washington após invasão pró-Trump no Capitólio

Reprodução Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Sessão para certificar Joe Biden como presidente dos Estados Unidos foi cancelada


Marcela Ibelli
Do Diário do Grande ABC

06/01/2021 | 16:38


Atualizado às 17h26

Após invasão de manifestantes pró Donald Trump no Capitólio, em Washington, nos Estados Unidos, foi decretado toque de recolher na cidade. Ninguém poderá circular pelo local após às 18h. Forças de segurança especiais foram chamadas para ajudar no controle da multidão, que se aglomera em frente à sede do congresso norte-americano.

Por causa da movimentação, a sessão que daria oficialmente a posse de Joe Biden como presidente dos Estados Unidos foi cancelada. Vice-presidente do país, Mike Pence - presidente da sessão foi o primeiro a ser retirado do local por motivo de segurança. Parlamentares também estão deixando o prédio.

Os trumpistas empurraram as cercas de metal e os policiais reagiram com bombas de gás lacrimogênio e sprays de pimenta. Oficiais foram chamados de "traidores" pelos manifestantes. Mais cedo, Donald Trump defendeu que seus apoiadores fossem ao Congresso justamente para pressionar deputados e senadores para que atuassem em sua defesa. Ele prometeu que "estaria junto deles".

Pelo Twitter, Trump disse que "Pence não teve coragem de fazer  o que era preciso para proteger o País" e logo depois pediu que os apoiadores não agredissem a polícia do Capitólio". Minutos mais tarde disse:  "Por favor apoiem nossa Polícia do Capitólio e as Forças de Segurança. Eles estão de fato do lado do nosso país. Permaneçam pacíficos!", pediu o atual líder.

O protesto foi convocado pelas redes sociais e tem o objetivo de pressionar os republicanos para que apoiem a iniciativa de Trump para derrubar os resultados do Colégio Eleitoral. Logo após o início da sessão, os legisladores aliados de Trump questionaram a certificação dos votos do Arizona. Quando há uma objeção, os congressistas realizam um debate que pode durar até duas horas. 

O vice Mike Pence, que preside a sessão, declarou em carta enviada aos legisladores que não pode interferir no processo, depois de ter sido pressionado por Trump. Já o líder do Partido Republicano no Senado, Mitch McConnell, disse que as eleições de novembro de 2020 não foram "roubadas" e que não houve fraude disseminada no pleito.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Toque de recolher é decretado em Washington após invasão pró-Trump no Capitólio

Sessão para certificar Joe Biden como presidente dos Estados Unidos foi cancelada

Marcela Ibelli
Do Diário do Grande ABC

06/01/2021 | 16:38


Atualizado às 17h26

Após invasão de manifestantes pró Donald Trump no Capitólio, em Washington, nos Estados Unidos, foi decretado toque de recolher na cidade. Ninguém poderá circular pelo local após às 18h. Forças de segurança especiais foram chamadas para ajudar no controle da multidão, que se aglomera em frente à sede do congresso norte-americano.

Por causa da movimentação, a sessão que daria oficialmente a posse de Joe Biden como presidente dos Estados Unidos foi cancelada. Vice-presidente do país, Mike Pence - presidente da sessão foi o primeiro a ser retirado do local por motivo de segurança. Parlamentares também estão deixando o prédio.

Os trumpistas empurraram as cercas de metal e os policiais reagiram com bombas de gás lacrimogênio e sprays de pimenta. Oficiais foram chamados de "traidores" pelos manifestantes. Mais cedo, Donald Trump defendeu que seus apoiadores fossem ao Congresso justamente para pressionar deputados e senadores para que atuassem em sua defesa. Ele prometeu que "estaria junto deles".

Pelo Twitter, Trump disse que "Pence não teve coragem de fazer  o que era preciso para proteger o País" e logo depois pediu que os apoiadores não agredissem a polícia do Capitólio". Minutos mais tarde disse:  "Por favor apoiem nossa Polícia do Capitólio e as Forças de Segurança. Eles estão de fato do lado do nosso país. Permaneçam pacíficos!", pediu o atual líder.

O protesto foi convocado pelas redes sociais e tem o objetivo de pressionar os republicanos para que apoiem a iniciativa de Trump para derrubar os resultados do Colégio Eleitoral. Logo após o início da sessão, os legisladores aliados de Trump questionaram a certificação dos votos do Arizona. Quando há uma objeção, os congressistas realizam um debate que pode durar até duas horas. 

O vice Mike Pence, que preside a sessão, declarou em carta enviada aos legisladores que não pode interferir no processo, depois de ter sido pressionado por Trump. Já o líder do Partido Republicano no Senado, Mitch McConnell, disse que as eleições de novembro de 2020 não foram "roubadas" e que não houve fraude disseminada no pleito.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;