Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 12 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Solidariedade começa a mudar vidas

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Após bolo de chocolate, família recebe roupas, alimentos e promessa de piso e geladeira


Bia Moço
Do Diário do Grande ABC

06/01/2021 | 07:00


Depois de realizar o sonho de comer bolo de chocolate pela primeira vez, os quatro filhos menores de Maria Helena Batista, 42 anos, começam a ver também a possibilidade de terem uma vida melhor devido à solidariedade de pessoas que ficaram sensibilizadas com a história da difícil situação da família. Moradores de pequeno apartamento em péssimas condições no Parque São Bernardo, em São Bernardo, foram visitados ontem por voluntários que levaram, além de brigadeiros, doces e refrigerante, cestas básicas, itens de higiene, brinquedos e roupa.

Seis integrantes da Cufa (Central Única das Favelas) de São Bernardo também esteve no local, além do presidente, Alex Camburão. Eles levaram, além dos itens básicos, esperança de dias melhores. “Vamos fazer campanha para arrecadar piso e colocar no apartamento, o que é um sonho da Maria Helena, e buscar parceiros para trocar a porta e melhorar a condição de vida dessas crianças”, contou Camburão.

“Vamos acompanhar essa família, focando nas crianças, porque percebemos que são quatro menores que vivem em situação complicada”, completou o presidente da Cufa São Bernardo. E reforçou que essa é apenas uma das milhares de famílias que vivem nessa situação no País. “A Cufa tem 11 unidades em São Bernardo, e queremos chegar a 45 até o fim do ano”, afirmou o presidente, que propôs à liderança do Parque São Bernardo a criação de uma filial da Cufa no bairro, que têm hoje cerca de 3.800 famílias.

Maria Helena, por sua vez, disse quase não acreditar na transformação que está ocorrendo em sua vida. Apontando para todas as doações, ela agradeceu à equipe do Diário e a todas as pessoas que se disponibilizaram em ajudar sua família. “Hoje (ontem) vieram docinhos, refrigerantes, e tantas cestas básicas e produtos de higiene que vou poder até compartilhar com o restante da minha família”, disse. “Espero que outras recebam anjos como vocês em suas vidas.”

Os doadores Eduardo, 40, Rodrigo, 44, e Renan, 30, (não quiseram divulgar nomes completos) revelaram que o sentimento de alegria tomou conta ao notarem a felicidade das crianças. Os três disseram ainda que pretendem seguir ajudando famílias como puderem. “Na pandemia fizemos diversas doações”, revelou Eduardo. “Fiquei muito emocionado. O pouco que a gente ajudar, já ameniza muito a dor das pessoas que sofrem”, avaliou.

ALEGRIA DE CRIANÇA
Não era difícil ver a alegria nos olhos de Cauã, 7, Yohani, 6, Lorraine e Paloma, 3, ao chegar o terceiro bolo de chocolate em sua casa. Com o plus de brigadeiros e refrigerante, os pequenos comemoraram e revelaram que, também, nunca tiveram uma festa de aniversário.
“Podemos cantar parabéns?”, questionou o menino Cauã, que teve seu pedido atendido em coral que felicitou os Batista com o verso “e para a família, nada? Tudo!”.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Solidariedade começa a mudar vidas

Após bolo de chocolate, família recebe roupas, alimentos e promessa de piso e geladeira

Bia Moço
Do Diário do Grande ABC

06/01/2021 | 07:00


Depois de realizar o sonho de comer bolo de chocolate pela primeira vez, os quatro filhos menores de Maria Helena Batista, 42 anos, começam a ver também a possibilidade de terem uma vida melhor devido à solidariedade de pessoas que ficaram sensibilizadas com a história da difícil situação da família. Moradores de pequeno apartamento em péssimas condições no Parque São Bernardo, em São Bernardo, foram visitados ontem por voluntários que levaram, além de brigadeiros, doces e refrigerante, cestas básicas, itens de higiene, brinquedos e roupa.

Seis integrantes da Cufa (Central Única das Favelas) de São Bernardo também esteve no local, além do presidente, Alex Camburão. Eles levaram, além dos itens básicos, esperança de dias melhores. “Vamos fazer campanha para arrecadar piso e colocar no apartamento, o que é um sonho da Maria Helena, e buscar parceiros para trocar a porta e melhorar a condição de vida dessas crianças”, contou Camburão.

“Vamos acompanhar essa família, focando nas crianças, porque percebemos que são quatro menores que vivem em situação complicada”, completou o presidente da Cufa São Bernardo. E reforçou que essa é apenas uma das milhares de famílias que vivem nessa situação no País. “A Cufa tem 11 unidades em São Bernardo, e queremos chegar a 45 até o fim do ano”, afirmou o presidente, que propôs à liderança do Parque São Bernardo a criação de uma filial da Cufa no bairro, que têm hoje cerca de 3.800 famílias.

Maria Helena, por sua vez, disse quase não acreditar na transformação que está ocorrendo em sua vida. Apontando para todas as doações, ela agradeceu à equipe do Diário e a todas as pessoas que se disponibilizaram em ajudar sua família. “Hoje (ontem) vieram docinhos, refrigerantes, e tantas cestas básicas e produtos de higiene que vou poder até compartilhar com o restante da minha família”, disse. “Espero que outras recebam anjos como vocês em suas vidas.”

Os doadores Eduardo, 40, Rodrigo, 44, e Renan, 30, (não quiseram divulgar nomes completos) revelaram que o sentimento de alegria tomou conta ao notarem a felicidade das crianças. Os três disseram ainda que pretendem seguir ajudando famílias como puderem. “Na pandemia fizemos diversas doações”, revelou Eduardo. “Fiquei muito emocionado. O pouco que a gente ajudar, já ameniza muito a dor das pessoas que sofrem”, avaliou.

ALEGRIA DE CRIANÇA
Não era difícil ver a alegria nos olhos de Cauã, 7, Yohani, 6, Lorraine e Paloma, 3, ao chegar o terceiro bolo de chocolate em sua casa. Com o plus de brigadeiros e refrigerante, os pequenos comemoraram e revelaram que, também, nunca tiveram uma festa de aniversário.
“Podemos cantar parabéns?”, questionou o menino Cauã, que teve seu pedido atendido em coral que felicitou os Batista com o verso “e para a família, nada? Tudo!”.
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;