Fechar
Publicidade

Domingo, 11 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Sto.André insere estudo do corredor Taióca em programa da CAF

DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Alta do dólar pode permitir que governo Paulo Serra introduza projeto para receber financiamento do banco; acordo envolve US$ 50 milhões


Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

26/12/2020 | 00:02


O governo do prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB), inseriu estudo sobre a atualização do projeto de conclusão do corredor Taióca, perto da divisa com São Bernardo, dentro do financiamento da CAF (Corporação Andina de Fomento), banco de desenvolvimento da América Latina. A proposta é tentar introduzir o item no escopo – com recursos provenientes de linha de crédito da instituição internacional – diante da alta do dólar após a assinatura do contrato. Na ocasião, a moeda norte-americana estava na casa dos R$ 4 e, atualmente, registra patamar de R$ 5,18.

Sacramentado no fim de dezembro do ano passado, o empréstimo envolve US$ 50 milhões para custear obras de infraestrutura, combate às enchentes e mobilidade urbana. “Incluímos o Taióca no pacote, que já está em andamento com a construção do Complexo Viário Cassaquera, visando que seja estudado. É corredor que ainda não terminou, embora há muito tempo se fale sobre viabilizar isso. Como contratamos em período que o dólar estava bem abaixo (da atual cotação) e hoje está mais de R$ 5, a gente consegue incluir projetos (no acordo com o banco)”, frisou Paulo Serra. O Cassaquera, que abrange canalização de parte do córrego, tem cerca de 35% de ações concluídas.

A subida do dólar irá permitir, segundo o prefeito, além do estudo da marginal Taióca, a redefinição do plano para buscar solucionar problema crônico de enchentes na região da Vila América (confira mais abaixo) – a diferença na cotação da moeda ampliaria o empréstimo de R$ 200 milhões para quase R$ 260 milhões.

“Até o começo do ano que vem, eles (profissionais técnicos da CAF junto a empresas contratadas pelo Paço) apresentam projeto (definitivo). Ideia é começar no ano que vem com obras, como aconteceu no caso do Cassaquera, incluindo licitação e intervenções na sequência. Recursos já estão liberados (pelo banco). O desembolso sai só a partir do projeto executivo. Para licitar, eles exigem isso”, emendou o tucano.

O corredor tem cerca de 6 quilômetros e já entrou, em 2015, em plano regional de mobilidade patrocinado pelo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), do governo federal. A troca de comando no Palácio do Planalto, com o impeachment de Dilma Rousseff (PT), e a crise econômica acentuada no País paralisaram a tramitação da medida. O pacote do PAC englobava 21 projetos de corredores intermunicipais, à época – boa parte deles, contudo, naufragou.

“Esses procedimentos com instituições internacionais demoram um pouco mais para começar, mas depois que licita a situação fica arredondada. Prova disso é o (Viaduto Antônio) Adib Chammas (entregue neste mês), foi um relógio, mesmo com chuva e Covid. Quando faz (o projeto) executivo, todas as imprevisibilidades são vistas de forma antecipada. Consegue tocar. No Cassaquera o ritmo de obras é impressionante. No começo do ano devemos ter essas duas soluções: Taióca e Vila América. E iniciaremos diálogo com moradores para resolver o problema”, reforçou Paulo Serra.

Plano de obras antienchentes analisa micro-piscinões

O pacote original de financiamento com a CAF envolvia o Complexo Cassaquera, a ampliação de central de monitoramento de chuvas, a instalação de 20 ecopontos e a construção de um piscinão sob o Parque da Juventude Ana Brandão. Esse último item, entretanto, foi suspenso e passa por revisão. Isso porque houve avaliação de que a implantação do equipamento não resolveria integralmente o problema de enchentes na região da Avenida Capitão Mário Toledo de Camargo.

“Falo com muita transparência. A gente precisa de solução definitiva. Ainda que a definitiva seja desapropriação de algumas casas para fazer parque com piscinão embaixo, e os moradores (daquela região) já sabem disso – alguns até topam, preferem. Por que alteramos e suspendemos o projeto? Não houve uma garantia técnica de que o piscinão embaixo do Parque da Juventude resolveria o problema definitivamente. Não faz sentido investimento daquele porte, todo o trabalho, transtorno criado, pessoas sem o parque por um ou dois anos, e correr risco de numa chuva mais forte ter novamente problemas”, pontuou Paulo Serra.

O chefe do Executivo assegurou ter solicitado, a partir do recebimento dessas informações, um plano readequado para “solução definitiva”. “Ainda que sejam 10 mil micro-piscinões em torno de todo o corredor (da Avenida Capitão Mário), que é a avaliação atual. Pode ser que façamos isso, piscinões, usando parte do bairro, o próprio (Estádio) Brunão, existe estudo para fazer embaixo do estádio, onde eram os antigos vestiários. Pedi aos técnicos garantia de que não teremos mais problemas ali. Se a garantia for fazer piscinão aonde é hoje parte do bairro, é isso. Faremos audiência pública, ouviremos, colocaremos cenário aos moradores. Vamos apresentar solução definitiva.”

A gestão tucana possui duas empresas contratadas para atuar no andamento do projeto da CAF, uma firma que trata apenas do projeto funcional e outra de acompanhamento dos projetos e obras.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sto.André insere estudo do corredor Taióca em programa da CAF

Alta do dólar pode permitir que governo Paulo Serra introduza projeto para receber financiamento do banco; acordo envolve US$ 50 milhões

Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

26/12/2020 | 00:02


O governo do prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB), inseriu estudo sobre a atualização do projeto de conclusão do corredor Taióca, perto da divisa com São Bernardo, dentro do financiamento da CAF (Corporação Andina de Fomento), banco de desenvolvimento da América Latina. A proposta é tentar introduzir o item no escopo – com recursos provenientes de linha de crédito da instituição internacional – diante da alta do dólar após a assinatura do contrato. Na ocasião, a moeda norte-americana estava na casa dos R$ 4 e, atualmente, registra patamar de R$ 5,18.

Sacramentado no fim de dezembro do ano passado, o empréstimo envolve US$ 50 milhões para custear obras de infraestrutura, combate às enchentes e mobilidade urbana. “Incluímos o Taióca no pacote, que já está em andamento com a construção do Complexo Viário Cassaquera, visando que seja estudado. É corredor que ainda não terminou, embora há muito tempo se fale sobre viabilizar isso. Como contratamos em período que o dólar estava bem abaixo (da atual cotação) e hoje está mais de R$ 5, a gente consegue incluir projetos (no acordo com o banco)”, frisou Paulo Serra. O Cassaquera, que abrange canalização de parte do córrego, tem cerca de 35% de ações concluídas.

A subida do dólar irá permitir, segundo o prefeito, além do estudo da marginal Taióca, a redefinição do plano para buscar solucionar problema crônico de enchentes na região da Vila América (confira mais abaixo) – a diferença na cotação da moeda ampliaria o empréstimo de R$ 200 milhões para quase R$ 260 milhões.

“Até o começo do ano que vem, eles (profissionais técnicos da CAF junto a empresas contratadas pelo Paço) apresentam projeto (definitivo). Ideia é começar no ano que vem com obras, como aconteceu no caso do Cassaquera, incluindo licitação e intervenções na sequência. Recursos já estão liberados (pelo banco). O desembolso sai só a partir do projeto executivo. Para licitar, eles exigem isso”, emendou o tucano.

O corredor tem cerca de 6 quilômetros e já entrou, em 2015, em plano regional de mobilidade patrocinado pelo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), do governo federal. A troca de comando no Palácio do Planalto, com o impeachment de Dilma Rousseff (PT), e a crise econômica acentuada no País paralisaram a tramitação da medida. O pacote do PAC englobava 21 projetos de corredores intermunicipais, à época – boa parte deles, contudo, naufragou.

“Esses procedimentos com instituições internacionais demoram um pouco mais para começar, mas depois que licita a situação fica arredondada. Prova disso é o (Viaduto Antônio) Adib Chammas (entregue neste mês), foi um relógio, mesmo com chuva e Covid. Quando faz (o projeto) executivo, todas as imprevisibilidades são vistas de forma antecipada. Consegue tocar. No Cassaquera o ritmo de obras é impressionante. No começo do ano devemos ter essas duas soluções: Taióca e Vila América. E iniciaremos diálogo com moradores para resolver o problema”, reforçou Paulo Serra.

Plano de obras antienchentes analisa micro-piscinões

O pacote original de financiamento com a CAF envolvia o Complexo Cassaquera, a ampliação de central de monitoramento de chuvas, a instalação de 20 ecopontos e a construção de um piscinão sob o Parque da Juventude Ana Brandão. Esse último item, entretanto, foi suspenso e passa por revisão. Isso porque houve avaliação de que a implantação do equipamento não resolveria integralmente o problema de enchentes na região da Avenida Capitão Mário Toledo de Camargo.

“Falo com muita transparência. A gente precisa de solução definitiva. Ainda que a definitiva seja desapropriação de algumas casas para fazer parque com piscinão embaixo, e os moradores (daquela região) já sabem disso – alguns até topam, preferem. Por que alteramos e suspendemos o projeto? Não houve uma garantia técnica de que o piscinão embaixo do Parque da Juventude resolveria o problema definitivamente. Não faz sentido investimento daquele porte, todo o trabalho, transtorno criado, pessoas sem o parque por um ou dois anos, e correr risco de numa chuva mais forte ter novamente problemas”, pontuou Paulo Serra.

O chefe do Executivo assegurou ter solicitado, a partir do recebimento dessas informações, um plano readequado para “solução definitiva”. “Ainda que sejam 10 mil micro-piscinões em torno de todo o corredor (da Avenida Capitão Mário), que é a avaliação atual. Pode ser que façamos isso, piscinões, usando parte do bairro, o próprio (Estádio) Brunão, existe estudo para fazer embaixo do estádio, onde eram os antigos vestiários. Pedi aos técnicos garantia de que não teremos mais problemas ali. Se a garantia for fazer piscinão aonde é hoje parte do bairro, é isso. Faremos audiência pública, ouviremos, colocaremos cenário aos moradores. Vamos apresentar solução definitiva.”

A gestão tucana possui duas empresas contratadas para atuar no andamento do projeto da CAF, uma firma que trata apenas do projeto funcional e outra de acompanhamento dos projetos e obras.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;