Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 12 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Há um ano, Isa Penna já relatava assédio na Alesp

Reprodução Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


18/12/2020 | 11:29


Formada em direito e filha de fundadores do Partido dos Trabalhadores (PT), Isa Penna (PSOL) foi da militância feminista para o cargo de deputada estadual na Assembleia Legislativa de São Paulo em 2018. Antes de ter sido alvo de assédio por parte do deputado Fernando Cury (Cidadania) na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), que se aproximou e colocou a mão nos seus seios no Plenário, Isa Penna, de 29 anos, já foi chamada de "vagabunda", "vadia" e de "terrorista" enquanto era vereadora em São Paulo. Ela contou mais sobre os casos em participação na minissérie de podcasts do Estadão Política Sub30, publicada em dezembro de 2019.

"É uma luta diária lidar com pessoas que são muito poderosas, é um assédio muito grande, em especial com essa nova bancada da extrema direita. Vários deles acham que eu estou lá porque eu dormi com alguém, e não por uma luta, por uma trajetória", afirmou, dizendo que a maior parte dos embates ocorrem fora dos microfones e, portanto, não têm registro.

Isa Penna diz que o momento atual pede mais mulheres na política e uma plataforma que priorize as mulheres e a juventude. "A gente tem muito a ideia de que quem faz política é aquele homem mais velho, branco, heterossexual. E a gente vem de um outro lugar. A nossa presença se destaca muito porque eu sou jovem, porque sou mulher".

Amante de poesia, Isa já declamou no Plenário, em 2019, "Sou puta, sou mulher", de Helena Ferreira, que trata, entre outras coisas, da figura feminina diante de uma sociedade na qual o patriarcado é predominante. E foi duramente criticada. Além de ter a fala interrompida por diversas vezes, teve um pedido de cassação de mandato por quebra de decoro parlamentar.

O caso

A deputada registrou um boletim de ocorrência na quinta-feira (17) contra Fernando Cury por assédio sexual durante sessão plenária da noite de quarta-feira. O vídeo do caso foi transmitido ao vivo pelo canal Alesp no YouTube.

Nele, a parlamentar aparece conversando com o presidente da Casa, Cauê Macris (PSDB), quando Cury se aproxima e se posiciona atrás da deputada, colocando a mão na lateral de seus seios. Em seguida, Isa empurra o deputado para afastá-lo de seu corpo.

"Ontem, aqui nessa Casa, na frente da sua Mesa, eu fui assediada. Eu fui apalpada na lateral do meu corpo pelo deputado Fernando Cury, do partido Cidadania", relatou Isa em sessão no dia seguinte. "Não é um caso isolado. A gente vê a violência política e institucional a todo momento contra as mulheres. O que dá o direito a alguém de encostar em uma parte do meu corpo íntima?", discursou.

O deputado Fernando Cury disse que está "muito constrangido" e "triste" pelo "julgamento feito" no plenário. "Gostaria de frisar que não houve, de forma alguma, tentativa de assédio, de importunação sexual ou qualquer outra coisa", disse ele. O deputado se desculpou pelo que chamou de "abraço" e disse que faz isso "com diversas colegas" da Casa.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Há um ano, Isa Penna já relatava assédio na Alesp


18/12/2020 | 11:29


Formada em direito e filha de fundadores do Partido dos Trabalhadores (PT), Isa Penna (PSOL) foi da militância feminista para o cargo de deputada estadual na Assembleia Legislativa de São Paulo em 2018. Antes de ter sido alvo de assédio por parte do deputado Fernando Cury (Cidadania) na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), que se aproximou e colocou a mão nos seus seios no Plenário, Isa Penna, de 29 anos, já foi chamada de "vagabunda", "vadia" e de "terrorista" enquanto era vereadora em São Paulo. Ela contou mais sobre os casos em participação na minissérie de podcasts do Estadão Política Sub30, publicada em dezembro de 2019.

"É uma luta diária lidar com pessoas que são muito poderosas, é um assédio muito grande, em especial com essa nova bancada da extrema direita. Vários deles acham que eu estou lá porque eu dormi com alguém, e não por uma luta, por uma trajetória", afirmou, dizendo que a maior parte dos embates ocorrem fora dos microfones e, portanto, não têm registro.

Isa Penna diz que o momento atual pede mais mulheres na política e uma plataforma que priorize as mulheres e a juventude. "A gente tem muito a ideia de que quem faz política é aquele homem mais velho, branco, heterossexual. E a gente vem de um outro lugar. A nossa presença se destaca muito porque eu sou jovem, porque sou mulher".

Amante de poesia, Isa já declamou no Plenário, em 2019, "Sou puta, sou mulher", de Helena Ferreira, que trata, entre outras coisas, da figura feminina diante de uma sociedade na qual o patriarcado é predominante. E foi duramente criticada. Além de ter a fala interrompida por diversas vezes, teve um pedido de cassação de mandato por quebra de decoro parlamentar.

O caso

A deputada registrou um boletim de ocorrência na quinta-feira (17) contra Fernando Cury por assédio sexual durante sessão plenária da noite de quarta-feira. O vídeo do caso foi transmitido ao vivo pelo canal Alesp no YouTube.

Nele, a parlamentar aparece conversando com o presidente da Casa, Cauê Macris (PSDB), quando Cury se aproxima e se posiciona atrás da deputada, colocando a mão na lateral de seus seios. Em seguida, Isa empurra o deputado para afastá-lo de seu corpo.

"Ontem, aqui nessa Casa, na frente da sua Mesa, eu fui assediada. Eu fui apalpada na lateral do meu corpo pelo deputado Fernando Cury, do partido Cidadania", relatou Isa em sessão no dia seguinte. "Não é um caso isolado. A gente vê a violência política e institucional a todo momento contra as mulheres. O que dá o direito a alguém de encostar em uma parte do meu corpo íntima?", discursou.

O deputado Fernando Cury disse que está "muito constrangido" e "triste" pelo "julgamento feito" no plenário. "Gostaria de frisar que não houve, de forma alguma, tentativa de assédio, de importunação sexual ou qualquer outra coisa", disse ele. O deputado se desculpou pelo que chamou de "abraço" e disse que faz isso "com diversas colegas" da Casa.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;