Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 6 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Compra de vacina por ministro não adia data em SP, afirma Doria

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Segundo ele, aquisição da vacina pelo ministério não atrapalharia negociações paralelas com Estados e municípios



13/12/2020 | 07:45


O governador paulista João Doria (PSDB) afirmou neste sábado que São Paulo mantém a previsão de iniciar a vacinação contra a covid-19 em 25 de janeiro, mesmo que o governo federal inclua a Coronavac no Plano Nacional de Imunização. Ele disse ainda que 12 Estados e mais de mil municípios já se mostraram interessados em comprar o imunizante desenvolvido pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

O governo Jair Bolsonaro vai editar Medida Provisória (MP) para abrir crédito de R$ 20 bilhões para compra de vacinas. Com a medida, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, deve reforçar o discurso de que a sua pasta vai comprar e distribuir todas as vacinas disponíveis do País, incluindo a Coronavac. "É o que queremos desde o início de outubro, quando o ministro anunciou a compra e, menos de 24 horas depois, foi desautorizado pelo presidente. O que questionamos é por que começar a vacinação apenas em março, se temos capacidade para fazê-lo em janeiro?", disse o tucano.

Segundo Doria, a aquisição da vacina pelo ministério não atrapalharia as negociações paralelas que Estados e municípios têm feito com São Paulo, já que eles também seriam incorporados ao sistema nacional.

Na sexta-feira, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), comentou sobre o plano de uma MP com intenção de centralizar a compra de imunizantes. Isso motivou reações sobre a possibilidade de confisco por parte de Bolsonaro - o ministério negou a ideia. "Esperamos que isso não aconteça, porque isso seria inconstitucional", disse Doria no sábado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Compra de vacina por ministro não adia data em SP, afirma Doria

Segundo ele, aquisição da vacina pelo ministério não atrapalharia negociações paralelas com Estados e municípios


13/12/2020 | 07:45


O governador paulista João Doria (PSDB) afirmou neste sábado que São Paulo mantém a previsão de iniciar a vacinação contra a covid-19 em 25 de janeiro, mesmo que o governo federal inclua a Coronavac no Plano Nacional de Imunização. Ele disse ainda que 12 Estados e mais de mil municípios já se mostraram interessados em comprar o imunizante desenvolvido pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

O governo Jair Bolsonaro vai editar Medida Provisória (MP) para abrir crédito de R$ 20 bilhões para compra de vacinas. Com a medida, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, deve reforçar o discurso de que a sua pasta vai comprar e distribuir todas as vacinas disponíveis do País, incluindo a Coronavac. "É o que queremos desde o início de outubro, quando o ministro anunciou a compra e, menos de 24 horas depois, foi desautorizado pelo presidente. O que questionamos é por que começar a vacinação apenas em março, se temos capacidade para fazê-lo em janeiro?", disse o tucano.

Segundo Doria, a aquisição da vacina pelo ministério não atrapalharia as negociações paralelas que Estados e municípios têm feito com São Paulo, já que eles também seriam incorporados ao sistema nacional.

Na sexta-feira, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), comentou sobre o plano de uma MP com intenção de centralizar a compra de imunizantes. Isso motivou reações sobre a possibilidade de confisco por parte de Bolsonaro - o ministério negou a ideia. "Esperamos que isso não aconteça, porque isso seria inconstitucional", disse Doria no sábado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;