Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 10 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Grande ABC suspende mais uma vez as cirurgias eletivas

DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Sto.André, S.Bernardo e Ribeirão só farão procedimentos de urgência; objetivo é liberar leitos para Covid


Flavia Kurotori
Do Diário do Grande ABC

11/12/2020 | 23:55


Preocupadas com o avanço no número de casos de Covid-19, três cidades do Grande ABC estão suspendendo a realização de cirurgias eletivas. O objetivo é liberar leitos para os pacientes contaminados pelo novo coronavírus. São Bernardo publicou na quinta-feira o decreto que suspende, temporariamente, os procedimentos que não são de urgência. Em Santo André, as cirurgias eletivas estão suspensas a partir de segunda-feira, e em Ribeirão Pires, de quarta-feira. São Caetano havia adotado a mesma medida desde o dia 19 de novembro. Segundo a administração, 13 procedimentos foram adiados.

Nos últimos 30 dias, o número de casos no Grande ABC aumentou 20,4%, passando de 75.053 em 10 de novembro para 90.357 em 10 de dezembro. Já o número de mortes registrou aumento de 11,7%, passando de 2.845 para 3.178, no mesmo período. O Diário mostrou ontem que o índice de distanciamento físico na região esta semana foi o menor registrado desde o início da pandemia. Em 12 de março, 30% dos moradores do Grande ABC, segundo o Simi (Sistema de Monitoramento Inteligente) do governo do Estado, deixaram de circular nas ruas. Na última quarta-feira, esse índice era de apenas 38%.

A Prefeitura de São Bernardo informou que suspendeu temporariamente as cirurgias eletivas – não urgentes – devido à elevada taxa de ocupação de leitos ocasionada pelo aumento do número de casos de Covid-19 na Região Metropolitana. Em nota, a administração destacou que a cidade se tornou referência no Estado para tratamento da doença e, por isso, vem recebendo pacientes de diversos outros municípios. No momento, a Secretaria de Saúde contabiliza as cirurgias passíveis de reagendamento e alegou que os pacientes serão devidamente comunicados sobre o adiamento dos procedimentos.

Santo André destacou que a suspensão das cirurgias eletivas é para que os atendimentos do combate à Covid-19 e outras emergências sejam contemplados. Seguirão os procedimentos de urgência e as cirurgias cujos quadros possam evoluir para urgência e representar riscos aos pacientes. Em Ribeirão Pires, os procedimentos que não são de urgência serão realizados até a terça-feira. Os agendamentos foram temporariamente suspensos, novamente, como medida de reforço ao controle da disseminação do novo coronavírus.

Em Diadema, as cirurgias eletivas não estão suspensas porque, segundo a administração, são realizadas no Centro de Especialidades Quarteirão da Saúde e não impactam no atendimento de Covid-19. Em Mauá, os procedimentos foram suspensos em março e a administração não informou se pretende suspendê-los novamente. Rio Grande da Serra não respondeu até o fechamento desta edição.

Santo André reativa mais 85 leitos para Covid-19

A Prefeitura de Santo André reativou 85 leitos de enfermaria para atendimento de pacientes com Covid-19. As unidades, que eram utilizadas no hospital de campanha que havia sido montado no Estádio Bruno José Daniel, estão distribuídas nos hospitais de campanha da UFABC (Universidade Federal do ABC) e do Complexo Esportivo Pedro Dell’Antonia.

O Dell’Antonia já havia absorvido os dez leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Bruno Daniel, quando o equipamento foi desativado, em agosto.

O secretário de Saúde de Santo André, Marcio Chaves, explicou que o município pode reativar em curto prazo mais 35 leitos de enfermaria. Somados aos 185 do hospital de campanha da UFABC e aos 200 do Dell’Antonia, a cidade vai ter 520 leitos de enfermaria exclusivos para a Covid-19, além dos que são utilizados em outros complexos hospitalares da cidade.

“Mas isso não é infinito. A gente pode aumentar um pouco o número de leitos, mas apelamos para a conscientização das pessoas para que não façam aglomerações, não se descuidem, para evitar que sejam contaminadas”, afirmou.

Chaves reforçou que o Consórcio Intermunicipal do Grande ABC solicitou que o governo do Estado reative leitos exclusivos para Covid-19 nos hospitais Diadema e Mário Covas, mantidos pela administração estadual. “Queremos também financiamento para que a gente possa manter tudo isso funcionando,”

O governo estadual anunciou ontem que vai assumir o custeio de 2.000 leitos de UTI em todo o Estado, mas não informou quantos desses serão no Grande ABC. Segundo a Secretaria Estadual da Saúde, não são leitos novos, mas a garantia do recurso vai possibilitar a continuidade dos atendimentos. A habilitação abrangerá todas as regiões, em serviços de saúde estaduais, municipais, universitários e conveniados ao SUS em santas casas e filantrópicos.

A solicitação foi articulada junto ao Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde), Conasems (Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde) e ministério e o panorama foi submetido ontem aos conselhos.


“Estamos também autorizando a prorrogação de 70 convênios que venceriam em 31 de dezembro e que dão suporte financeiro às santas casas e municípios na manutenção dos leitos Covid. Realizamos intenso monitoramento regional da disponibilidade de leitos, adotando de forma antecipada todas as medidas necessárias para que possamos continuar oferecendo todos os cuidados para assistência aos pacientes”, afirmou o secretário executivo da Secretaria de Estado da Saúde, Eduardo Ribeiro. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Grande ABC suspende mais uma vez as cirurgias eletivas

Sto.André, S.Bernardo e Ribeirão só farão procedimentos de urgência; objetivo é liberar leitos para Covid

Flavia Kurotori
Do Diário do Grande ABC

11/12/2020 | 23:55


Preocupadas com o avanço no número de casos de Covid-19, três cidades do Grande ABC estão suspendendo a realização de cirurgias eletivas. O objetivo é liberar leitos para os pacientes contaminados pelo novo coronavírus. São Bernardo publicou na quinta-feira o decreto que suspende, temporariamente, os procedimentos que não são de urgência. Em Santo André, as cirurgias eletivas estão suspensas a partir de segunda-feira, e em Ribeirão Pires, de quarta-feira. São Caetano havia adotado a mesma medida desde o dia 19 de novembro. Segundo a administração, 13 procedimentos foram adiados.

Nos últimos 30 dias, o número de casos no Grande ABC aumentou 20,4%, passando de 75.053 em 10 de novembro para 90.357 em 10 de dezembro. Já o número de mortes registrou aumento de 11,7%, passando de 2.845 para 3.178, no mesmo período. O Diário mostrou ontem que o índice de distanciamento físico na região esta semana foi o menor registrado desde o início da pandemia. Em 12 de março, 30% dos moradores do Grande ABC, segundo o Simi (Sistema de Monitoramento Inteligente) do governo do Estado, deixaram de circular nas ruas. Na última quarta-feira, esse índice era de apenas 38%.

A Prefeitura de São Bernardo informou que suspendeu temporariamente as cirurgias eletivas – não urgentes – devido à elevada taxa de ocupação de leitos ocasionada pelo aumento do número de casos de Covid-19 na Região Metropolitana. Em nota, a administração destacou que a cidade se tornou referência no Estado para tratamento da doença e, por isso, vem recebendo pacientes de diversos outros municípios. No momento, a Secretaria de Saúde contabiliza as cirurgias passíveis de reagendamento e alegou que os pacientes serão devidamente comunicados sobre o adiamento dos procedimentos.

Santo André destacou que a suspensão das cirurgias eletivas é para que os atendimentos do combate à Covid-19 e outras emergências sejam contemplados. Seguirão os procedimentos de urgência e as cirurgias cujos quadros possam evoluir para urgência e representar riscos aos pacientes. Em Ribeirão Pires, os procedimentos que não são de urgência serão realizados até a terça-feira. Os agendamentos foram temporariamente suspensos, novamente, como medida de reforço ao controle da disseminação do novo coronavírus.

Em Diadema, as cirurgias eletivas não estão suspensas porque, segundo a administração, são realizadas no Centro de Especialidades Quarteirão da Saúde e não impactam no atendimento de Covid-19. Em Mauá, os procedimentos foram suspensos em março e a administração não informou se pretende suspendê-los novamente. Rio Grande da Serra não respondeu até o fechamento desta edição.

Santo André reativa mais 85 leitos para Covid-19

A Prefeitura de Santo André reativou 85 leitos de enfermaria para atendimento de pacientes com Covid-19. As unidades, que eram utilizadas no hospital de campanha que havia sido montado no Estádio Bruno José Daniel, estão distribuídas nos hospitais de campanha da UFABC (Universidade Federal do ABC) e do Complexo Esportivo Pedro Dell’Antonia.

O Dell’Antonia já havia absorvido os dez leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Bruno Daniel, quando o equipamento foi desativado, em agosto.

O secretário de Saúde de Santo André, Marcio Chaves, explicou que o município pode reativar em curto prazo mais 35 leitos de enfermaria. Somados aos 185 do hospital de campanha da UFABC e aos 200 do Dell’Antonia, a cidade vai ter 520 leitos de enfermaria exclusivos para a Covid-19, além dos que são utilizados em outros complexos hospitalares da cidade.

“Mas isso não é infinito. A gente pode aumentar um pouco o número de leitos, mas apelamos para a conscientização das pessoas para que não façam aglomerações, não se descuidem, para evitar que sejam contaminadas”, afirmou.

Chaves reforçou que o Consórcio Intermunicipal do Grande ABC solicitou que o governo do Estado reative leitos exclusivos para Covid-19 nos hospitais Diadema e Mário Covas, mantidos pela administração estadual. “Queremos também financiamento para que a gente possa manter tudo isso funcionando,”

O governo estadual anunciou ontem que vai assumir o custeio de 2.000 leitos de UTI em todo o Estado, mas não informou quantos desses serão no Grande ABC. Segundo a Secretaria Estadual da Saúde, não são leitos novos, mas a garantia do recurso vai possibilitar a continuidade dos atendimentos. A habilitação abrangerá todas as regiões, em serviços de saúde estaduais, municipais, universitários e conveniados ao SUS em santas casas e filantrópicos.

A solicitação foi articulada junto ao Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde), Conasems (Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde) e ministério e o panorama foi submetido ontem aos conselhos.


“Estamos também autorizando a prorrogação de 70 convênios que venceriam em 31 de dezembro e que dão suporte financeiro às santas casas e municípios na manutenção dos leitos Covid. Realizamos intenso monitoramento regional da disponibilidade de leitos, adotando de forma antecipada todas as medidas necessárias para que possamos continuar oferecendo todos os cuidados para assistência aos pacientes”, afirmou o secretário executivo da Secretaria de Estado da Saúde, Eduardo Ribeiro. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;