Fechar
Publicidade

Sábado, 23 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Vendas de veículos têm queda de 43,4%

Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Neste ano, mercado de zero-quilômetro encolheu quase à metade de 2019 no Grande ABC


Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

05/12/2020 | 00:06


No Grande ABC, o mercado de venda de veículos zero-quilômetro encolheu praticamente à metade neste ano. Entre janeiro e novembro foram emplacados 26,9 mil veículos – sendo 2.920 no mês passado. No mesmo período em 2019, este número já estava em 47,5 mil e fechou 2019 com 50,8 mil emplacamentos. Comparando o acumulado dos 11 meses, houve uma queda de 43,4%.

Os números são da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores) e incluem automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus. Com a venda de 2.920 veículos em novembro, a região praticamente se manteve estável em relação a outubro, com variação de 0,97%, quando registrou 2.851 emplacamentos. Cenário diferente do nacional, que teve 225,5 mil vendas, o que representou aumento de 4,65% em relação a outubro.

Neste ano, já foram comercializadas 1,8 milhão de unidades em todo o território nacional, número que representa uma queda de 28,15% em relação ao mesmo período do ano passado.

De acordo com o coordenador de MBA em gestão estratégica de empresas da cadeia automotiva da FGV, Antonio Jorge Martins, o mercado de venda de carros novos funciona em razão do PIB (Produto Interno Bruto). Ou seja, quando há tendência de recuperação do indicador, os motoristas se sentem mais à vontade para a compra.

“O consumidor precisa ter confiança para adquirir um bem que, na maioria das vezes, é pago com financiamento. Há a perspectiva de que, com a melhora dos indicadores econômicos, esse percentual vá aumentando. A tendência é a de que no fim do ano aconteça uma aquecida no mercado (por causa do pagamento de gratificações, como o 13º salário), mas nos meses iniciais, ocorre justamente o contrário”, afirmou, ao reiterar que 2020 é um ano totalmente atípico por causa da pandemia do novo coronavírus, e que o término do pagamento do auxílio emergencial também influencia negativamente.

“Claro que quando a gente fala de confiança, estamos dizendo em geral no Brasil. Cada uma das regiões tem a sua especificidade. O Grande ABC, por ter uma concentração maior de indústrias, sentiu mais essa retração no poder de compra, por exemplo”, explicou Martins.

O professor da Escola de Negócios da USCS (Universidade Municipal de São Caetano) Volney Gouveia também citou que, além das condições econômicas, a pandemia trouxe mudanças nos hábitos. “Temos o aumento do desemprego, o que impacta diretamente nas decisões de compra das famílias, que tendem a postergar a compra de um automóvel. Além disso, no atual momento que estamos vivenciando, o veículo está sendo cada vez menos utilizado, ou seja, há uma menor demanda.”
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Vendas de veículos têm queda de 43,4%

Neste ano, mercado de zero-quilômetro encolheu quase à metade de 2019 no Grande ABC

Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

05/12/2020 | 00:06


No Grande ABC, o mercado de venda de veículos zero-quilômetro encolheu praticamente à metade neste ano. Entre janeiro e novembro foram emplacados 26,9 mil veículos – sendo 2.920 no mês passado. No mesmo período em 2019, este número já estava em 47,5 mil e fechou 2019 com 50,8 mil emplacamentos. Comparando o acumulado dos 11 meses, houve uma queda de 43,4%.

Os números são da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores) e incluem automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus. Com a venda de 2.920 veículos em novembro, a região praticamente se manteve estável em relação a outubro, com variação de 0,97%, quando registrou 2.851 emplacamentos. Cenário diferente do nacional, que teve 225,5 mil vendas, o que representou aumento de 4,65% em relação a outubro.

Neste ano, já foram comercializadas 1,8 milhão de unidades em todo o território nacional, número que representa uma queda de 28,15% em relação ao mesmo período do ano passado.

De acordo com o coordenador de MBA em gestão estratégica de empresas da cadeia automotiva da FGV, Antonio Jorge Martins, o mercado de venda de carros novos funciona em razão do PIB (Produto Interno Bruto). Ou seja, quando há tendência de recuperação do indicador, os motoristas se sentem mais à vontade para a compra.

“O consumidor precisa ter confiança para adquirir um bem que, na maioria das vezes, é pago com financiamento. Há a perspectiva de que, com a melhora dos indicadores econômicos, esse percentual vá aumentando. A tendência é a de que no fim do ano aconteça uma aquecida no mercado (por causa do pagamento de gratificações, como o 13º salário), mas nos meses iniciais, ocorre justamente o contrário”, afirmou, ao reiterar que 2020 é um ano totalmente atípico por causa da pandemia do novo coronavírus, e que o término do pagamento do auxílio emergencial também influencia negativamente.

“Claro que quando a gente fala de confiança, estamos dizendo em geral no Brasil. Cada uma das regiões tem a sua especificidade. O Grande ABC, por ter uma concentração maior de indústrias, sentiu mais essa retração no poder de compra, por exemplo”, explicou Martins.

O professor da Escola de Negócios da USCS (Universidade Municipal de São Caetano) Volney Gouveia também citou que, além das condições econômicas, a pandemia trouxe mudanças nos hábitos. “Temos o aumento do desemprego, o que impacta diretamente nas decisões de compra das famílias, que tendem a postergar a compra de um automóvel. Além disso, no atual momento que estamos vivenciando, o veículo está sendo cada vez menos utilizado, ou seja, há uma menor demanda.”
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;