Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar à vista oscila com exterior leve, enquanto fluxo e fiscal são monitorados

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


04/12/2020 | 10:01


O dólar à vista oscila entre margens estreitas ao redor da estabilidade, ora em alta ora em baixa, após começar o dia para cima, espelhando ajustes. Ontem à tarde, apenas o dólar futuro de janeiro de 2021 acabou precificando cautela com o fiscal interno no fim do dia, porque o mercado à vista já estava fechado.

Incomoda os investidores a manobra da ala política do governo para mudar a proposta de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2021, que ainda está em discussão no Congresso. Assim, poderia ser autorizado o empenho em 2021 de despesas que só serão executados em 2022, ano de eleições presidenciais, após o TCU ter permitido que um volume maior de gastos de 2020 -ano com calamidade pública - seja executado em 2021.

No exterior, o dólar recua ante moedas principais e grande parte das divisas emergentes e ligadas a commodities.

Por enquanto, o fluxo cambial é apenas monitorado, mas pode vir a contribuir para a queda ante o real na sessão, em meio ao apetite global por risco. Lá fora, os investidores estão confiantes em novos estímulos fiscais, após o presidente eleito dos EUA, Joe Biden, afirmar nesta madrugada que o pacote de ajuda econômica de US$ 900 bilhões seria um "bom começo", mas insuficiente, gerando expectativas de estímulos adicionais. Também a farmacêutica Moderna promete entregar 20 milhões de doses da sua vacina contra covid-19 aos EUA em 2020.

No Brasil, informações contraditórias sobre um acordo no Congresso para agilizar o andamento de votações de pautas econômicas e fiscais relevantes deixam o investidor com pé atrás e limitam o recuo do dólar.

Além disso, segue no radar a manobra da ala política do governo para mudar a proposta de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2021, que ainda está em discussão no Congresso. Assim, poderia ser autorizado o empenho em 2021 de despesas que só serão executados em 2022, ano de eleições presidenciais, após o TCU ter permitido que um volume maior de gastos de 2020 seja executado em 2021.

Às 9h48, o dólar à vista tinha viés de baixa, a R$ 5,1387 (-0,03%), após mínima a R$ 5,1257 e máxima, a R$ 5,1462. O dólar futuro para janeiro de 2021 recuava 0,29%, a R$ 5,1380.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar à vista oscila com exterior leve, enquanto fluxo e fiscal são monitorados


04/12/2020 | 10:01


O dólar à vista oscila entre margens estreitas ao redor da estabilidade, ora em alta ora em baixa, após começar o dia para cima, espelhando ajustes. Ontem à tarde, apenas o dólar futuro de janeiro de 2021 acabou precificando cautela com o fiscal interno no fim do dia, porque o mercado à vista já estava fechado.

Incomoda os investidores a manobra da ala política do governo para mudar a proposta de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2021, que ainda está em discussão no Congresso. Assim, poderia ser autorizado o empenho em 2021 de despesas que só serão executados em 2022, ano de eleições presidenciais, após o TCU ter permitido que um volume maior de gastos de 2020 -ano com calamidade pública - seja executado em 2021.

No exterior, o dólar recua ante moedas principais e grande parte das divisas emergentes e ligadas a commodities.

Por enquanto, o fluxo cambial é apenas monitorado, mas pode vir a contribuir para a queda ante o real na sessão, em meio ao apetite global por risco. Lá fora, os investidores estão confiantes em novos estímulos fiscais, após o presidente eleito dos EUA, Joe Biden, afirmar nesta madrugada que o pacote de ajuda econômica de US$ 900 bilhões seria um "bom começo", mas insuficiente, gerando expectativas de estímulos adicionais. Também a farmacêutica Moderna promete entregar 20 milhões de doses da sua vacina contra covid-19 aos EUA em 2020.

No Brasil, informações contraditórias sobre um acordo no Congresso para agilizar o andamento de votações de pautas econômicas e fiscais relevantes deixam o investidor com pé atrás e limitam o recuo do dólar.

Além disso, segue no radar a manobra da ala política do governo para mudar a proposta de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2021, que ainda está em discussão no Congresso. Assim, poderia ser autorizado o empenho em 2021 de despesas que só serão executados em 2022, ano de eleições presidenciais, após o TCU ter permitido que um volume maior de gastos de 2020 seja executado em 2021.

Às 9h48, o dólar à vista tinha viés de baixa, a R$ 5,1387 (-0,03%), após mínima a R$ 5,1257 e máxima, a R$ 5,1462. O dólar futuro para janeiro de 2021 recuava 0,29%, a R$ 5,1380.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;