Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Juros passam por correção e sobem na ponta longa



04/12/2020 | 09:37


As taxas de juros negociadas no mercado futuro oscilam em alta nos vencimentos mais longos na manhã desta sexta-feira, apesar da leve queda do dólar. O movimento já era esperado entre profissionais do mercado, que atribuem o movimento a uma realização de lucros, favorecida pelo ambiente de maior cautela com o cenário doméstico, em meio à disputa pelas presidências da Câmara e do Senado e a movimentação para mudar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

A agenda mais escassa no cenário doméstico deve levar o mercado a apontar o foco para a agenda internacional e já para a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que na próxima semana decidirá sobre a taxa Selic.

À espera das sinalizações que o Banco Central dará em seu comunicado, as oscilações estarão sujeitas às repercussões do relatório de emprego nos Estados Unidos (o payroll), à expectativa por pacote fiscal americano e às vacinas anti-covid. Internamente, o clima é de desconforto com a possibilidade de manobras fiscais que permitam driblar o teto de gastos nos próximos anos.

Às 9h30, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2025 tinha taxa de 6,19%, na máxima do dia, ante 6,11% do ajuste de ontem. O vencimento de janeiro de 2027 projetava taxa de 7,00%, também na máxima intraday, contra 6,90% do ajuste de ontem.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Juros passam por correção e sobem na ponta longa


04/12/2020 | 09:37


As taxas de juros negociadas no mercado futuro oscilam em alta nos vencimentos mais longos na manhã desta sexta-feira, apesar da leve queda do dólar. O movimento já era esperado entre profissionais do mercado, que atribuem o movimento a uma realização de lucros, favorecida pelo ambiente de maior cautela com o cenário doméstico, em meio à disputa pelas presidências da Câmara e do Senado e a movimentação para mudar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

A agenda mais escassa no cenário doméstico deve levar o mercado a apontar o foco para a agenda internacional e já para a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que na próxima semana decidirá sobre a taxa Selic.

À espera das sinalizações que o Banco Central dará em seu comunicado, as oscilações estarão sujeitas às repercussões do relatório de emprego nos Estados Unidos (o payroll), à expectativa por pacote fiscal americano e às vacinas anti-covid. Internamente, o clima é de desconforto com a possibilidade de manobras fiscais que permitam driblar o teto de gastos nos próximos anos.

Às 9h30, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2025 tinha taxa de 6,19%, na máxima do dia, ante 6,11% do ajuste de ontem. O vencimento de janeiro de 2027 projetava taxa de 7,00%, também na máxima intraday, contra 6,90% do ajuste de ontem.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;