Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

BoE vê riscos e sugere combinação de ferramentas como corte de juros e QE



04/12/2020 | 08:50


Apesar de reconhecer a animação do mercado financeiro com o desenvolvimento de vacinas contra a covid-19, o integrante do comitê de política monetária do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) Michael Saunders alertou para "ventos contrários" que podem afetar a economia local. "Ainda não estamos fora de perigo. A economia pode ficar com desemprego alto e inflação abaixo da meta por um tempo, e isso demanda uma resposta rápida de política monetária", declarou durante webinar nesta sexta-feira, 4.

Para isso, ele defendeu a utilização de um "mix" de ferramentas, como novos cortes de juros e ampliação do programa de relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês).

"Cortes de juros e QE são opções caso mais estímulo seja necessário. Há espaço para cortes de juros, mas, se o fizermos, terá de ser a conta-gotas", ponderou Saunders.

Hoje, a taxa básica de juros do BOE está em 0,10% ao ano e o programa de QE, em 645 bilhões de libras esterlinas. "Uma variedade de ferramentas funciona melhor do que apenas uma."

Juro abaixo de zero

O dirigente tratou de afastar, como tem sido de praxe entre seus pares, a adoção juros negativos pelo BOE neste momento como forma de estimular a economia, mas não descartou totalmente a estratégia, caso ela seja necessária no futuro. "A política de juros negativos ainda está sob avaliação", disse, durante o discurso.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

BoE vê riscos e sugere combinação de ferramentas como corte de juros e QE


04/12/2020 | 08:50


Apesar de reconhecer a animação do mercado financeiro com o desenvolvimento de vacinas contra a covid-19, o integrante do comitê de política monetária do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) Michael Saunders alertou para "ventos contrários" que podem afetar a economia local. "Ainda não estamos fora de perigo. A economia pode ficar com desemprego alto e inflação abaixo da meta por um tempo, e isso demanda uma resposta rápida de política monetária", declarou durante webinar nesta sexta-feira, 4.

Para isso, ele defendeu a utilização de um "mix" de ferramentas, como novos cortes de juros e ampliação do programa de relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês).

"Cortes de juros e QE são opções caso mais estímulo seja necessário. Há espaço para cortes de juros, mas, se o fizermos, terá de ser a conta-gotas", ponderou Saunders.

Hoje, a taxa básica de juros do BOE está em 0,10% ao ano e o programa de QE, em 645 bilhões de libras esterlinas. "Uma variedade de ferramentas funciona melhor do que apenas uma."

Juro abaixo de zero

O dirigente tratou de afastar, como tem sido de praxe entre seus pares, a adoção juros negativos pelo BOE neste momento como forma de estimular a economia, mas não descartou totalmente a estratégia, caso ela seja necessária no futuro. "A política de juros negativos ainda está sob avaliação", disse, durante o discurso.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;