Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Cuca diz ainda sentir efeitos da Covid-19: 'Canso só de subir uma escada'

Reprodução/Instragram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


03/12/2020 | 20:22


O técnico Cuca revelou nesta quinta-feira que ainda sofre os efeitos da covid-19. Após ser internado por nove dias e ficar outros dez afastado das ações no Santos, o treinador disse que "cansa só de subir uma escada".

"Acredito que estou 90% curado, mas hoje canso só de subir uma escada. Me sinto fraco às vezes, também. Se eu tivesse insistido, do jeito que estava, ia morrer. O médico do Santos, o doutor Fabio (Novi), salvou a minha vida. É um cara que já tratou de um câncer, mas que me pôs para dentro do carro dele sem pensar nem por um segundo nele, só em mim. Ele me ajudou muito, virou como um irmão", disse Cuca em entrevista ao site da revista Veja.

Cuca foi encaminhado ao hospital após sentir um mal-estar num sábado, na véspera de um jogo do Santos pelo Brasileirão. O treinador tem histórico de problemas no coração e chegou a ser operado em 2018. "Meu coração disparou e não parava mais. Por sorte, fui para o hospital porque, se insisto, e já estava com as malas prontas para viajar, podia não ter aguentado. O coração batia mais de 140 vezes por minuto", relembrou.

"A família estava muito preocupada. Eles tinham medo que eu morresse, isso é normal porque não estão no dia a dia comigo. No hospital não senti esse medo, usei a fé. Não vou dizer que estava preparado, claro, mas não senti mesmo. Criei novas amizades no período, com as enfermeiras, os médicos. Valorizamos ainda mais esses profissionais", afirmou.

O treinador recordou como foi o período internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. "No hospital é muito duro ficar sozinho. Se eu falar que li um livro, vou estar mentindo. Eu dormia muito. Todos os dias a comissão me contava como foi o trabalho, o que tinham feito", contou, referindo-se à comissão técnica do Santos.

O time foi comandado interinamente por Marcelo Fernandes. "A gente discutia, mas não de modo normal, dentro do possível, pois também estava abatido. Todas as trocas, as substituições, foram feitas comigo. Dia de jogo fico muito nervoso, às vezes não atendiam o telefone ou não entendiam. Já em casa, contra a LDU, em Quito, trocaram o Jean Mota antes do tempo, fiquei doido", revelou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cuca diz ainda sentir efeitos da Covid-19: 'Canso só de subir uma escada'


03/12/2020 | 20:22


O técnico Cuca revelou nesta quinta-feira que ainda sofre os efeitos da covid-19. Após ser internado por nove dias e ficar outros dez afastado das ações no Santos, o treinador disse que "cansa só de subir uma escada".

"Acredito que estou 90% curado, mas hoje canso só de subir uma escada. Me sinto fraco às vezes, também. Se eu tivesse insistido, do jeito que estava, ia morrer. O médico do Santos, o doutor Fabio (Novi), salvou a minha vida. É um cara que já tratou de um câncer, mas que me pôs para dentro do carro dele sem pensar nem por um segundo nele, só em mim. Ele me ajudou muito, virou como um irmão", disse Cuca em entrevista ao site da revista Veja.

Cuca foi encaminhado ao hospital após sentir um mal-estar num sábado, na véspera de um jogo do Santos pelo Brasileirão. O treinador tem histórico de problemas no coração e chegou a ser operado em 2018. "Meu coração disparou e não parava mais. Por sorte, fui para o hospital porque, se insisto, e já estava com as malas prontas para viajar, podia não ter aguentado. O coração batia mais de 140 vezes por minuto", relembrou.

"A família estava muito preocupada. Eles tinham medo que eu morresse, isso é normal porque não estão no dia a dia comigo. No hospital não senti esse medo, usei a fé. Não vou dizer que estava preparado, claro, mas não senti mesmo. Criei novas amizades no período, com as enfermeiras, os médicos. Valorizamos ainda mais esses profissionais", afirmou.

O treinador recordou como foi o período internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. "No hospital é muito duro ficar sozinho. Se eu falar que li um livro, vou estar mentindo. Eu dormia muito. Todos os dias a comissão me contava como foi o trabalho, o que tinham feito", contou, referindo-se à comissão técnica do Santos.

O time foi comandado interinamente por Marcelo Fernandes. "A gente discutia, mas não de modo normal, dentro do possível, pois também estava abatido. Todas as trocas, as substituições, foram feitas comigo. Dia de jogo fico muito nervoso, às vezes não atendiam o telefone ou não entendiam. Já em casa, contra a LDU, em Quito, trocaram o Jean Mota antes do tempo, fiquei doido", revelou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;