Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Boeing recebe primeira grande compra de novos 737 Max após acidentes

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


03/12/2020 | 15:18


A Ryanair anunciou nesta quinta-feira a compra de 75 aeronaves 737 Max da Boeing, um incentivo para a gigante da aviação americana que enfrenta dificuldades após a proibição das operações com o modelo. O negócio está avaliado em mais de US$ 7 bilhões.

O acordo representa um alívio para a fabricante com sede em Chicago, que perdeu centenas de pedidos do Max em meio à suspensão de quase dois anos, após dois acidentes fatais.

No mês passado, os Estados Unidos aprovaram o Max para voos de passageiros novamente, emitindo um conjunto de diretrizes de segurança e avisos para companhias aéreas em todo o mundo.

Até novembro, as companhias aéreas e as empresas de leasing de aeronaves cancelaram cerca de 10% dos pedidos do Max pendentes da Boeing neste ano.

A Boeing disse acreditar que centenas de outros de seus mais de 4 mil pedidos restantes podem estar em risco por causa da saúde financeira de alguns clientes.

Antes da venda para a Ryanair, a Boeing só havia feito comercializações pontuais do Max.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Boeing recebe primeira grande compra de novos 737 Max após acidentes


03/12/2020 | 15:18


A Ryanair anunciou nesta quinta-feira a compra de 75 aeronaves 737 Max da Boeing, um incentivo para a gigante da aviação americana que enfrenta dificuldades após a proibição das operações com o modelo. O negócio está avaliado em mais de US$ 7 bilhões.

O acordo representa um alívio para a fabricante com sede em Chicago, que perdeu centenas de pedidos do Max em meio à suspensão de quase dois anos, após dois acidentes fatais.

No mês passado, os Estados Unidos aprovaram o Max para voos de passageiros novamente, emitindo um conjunto de diretrizes de segurança e avisos para companhias aéreas em todo o mundo.

Até novembro, as companhias aéreas e as empresas de leasing de aeronaves cancelaram cerca de 10% dos pedidos do Max pendentes da Boeing neste ano.

A Boeing disse acreditar que centenas de outros de seus mais de 4 mil pedidos restantes podem estar em risco por causa da saúde financeira de alguns clientes.

Antes da venda para a Ryanair, a Boeing só havia feito comercializações pontuais do Max.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;