Fechar
Publicidade

Sábado, 23 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

PMI composto desacelera a 53,8 pontos em novembro, diz IHS Markit



03/12/2020 | 10:44


O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) composto do Brasil desacelerou de 55,9 pontos em outubro para 53,8 pontos em novembro, informou nesta quinta-feira, 3, a IHS Markit. Apesar da queda, o indicador ainda é compatível com expansão, já que, quando acima de 50 pontos, o índice sinaliza melhora nas condições de negócios em relação ao mês anterior.

"O setor privado brasileiro viu um aumento bem-vindo da produção em novembro, graças ao crescimento sustentado da atividade de serviços e a um aumento acentuado da produção nas fábricas", afirma, em nota, a diretora associada econômica da IHS Markit, Pollyanna de Lima. "Temores de uma nova onda de casos de Covid-19, e as respectivas medidas de controle, limitam o otimismo com os negócios", ponta.

A desaceleração do PMI composto foi puxada pelo arrefecimento do índice industrial, de 66,7 para 64,0, e do PMI de serviços, de 52,3 para 50,9. Neste último, a IHS Markit apurou quarto crescimento seguido do volume de novos pedidos e expansão do índice de empregos do setor pela primeira vez em nove meses, embora o nível de otimismo tenha atingido o menor nível em quatro meses.

As empresas de serviços mencionaram aumento dos custos de insumos, com depreciação do real e alta dos preços de combustíveis e de equipamentos de proteção individual. A taxa de inflação geral alcançou o ritmo de expansão mais forte desde setembro de 2016. Em resposta, os preços cobrados pelas empresas também cresceram.

"Os resultados do PMI indicaram o aumento mais acentuado dos custos de insumos do setor privado desde o início da coleta dos dados, em março de 2007", afirma Pollyanna.

A diferença entre as taxas de inflação de custos de produção e dos custos cobrados indica que as empresas continuaram absorvendo uma grande parte dos custos adicionais, segundo a pesquisa.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PMI composto desacelera a 53,8 pontos em novembro, diz IHS Markit


03/12/2020 | 10:44


O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) composto do Brasil desacelerou de 55,9 pontos em outubro para 53,8 pontos em novembro, informou nesta quinta-feira, 3, a IHS Markit. Apesar da queda, o indicador ainda é compatível com expansão, já que, quando acima de 50 pontos, o índice sinaliza melhora nas condições de negócios em relação ao mês anterior.

"O setor privado brasileiro viu um aumento bem-vindo da produção em novembro, graças ao crescimento sustentado da atividade de serviços e a um aumento acentuado da produção nas fábricas", afirma, em nota, a diretora associada econômica da IHS Markit, Pollyanna de Lima. "Temores de uma nova onda de casos de Covid-19, e as respectivas medidas de controle, limitam o otimismo com os negócios", ponta.

A desaceleração do PMI composto foi puxada pelo arrefecimento do índice industrial, de 66,7 para 64,0, e do PMI de serviços, de 52,3 para 50,9. Neste último, a IHS Markit apurou quarto crescimento seguido do volume de novos pedidos e expansão do índice de empregos do setor pela primeira vez em nove meses, embora o nível de otimismo tenha atingido o menor nível em quatro meses.

As empresas de serviços mencionaram aumento dos custos de insumos, com depreciação do real e alta dos preços de combustíveis e de equipamentos de proteção individual. A taxa de inflação geral alcançou o ritmo de expansão mais forte desde setembro de 2016. Em resposta, os preços cobrados pelas empresas também cresceram.

"Os resultados do PMI indicaram o aumento mais acentuado dos custos de insumos do setor privado desde o início da coleta dos dados, em março de 2007", afirma Pollyanna.

A diferença entre as taxas de inflação de custos de produção e dos custos cobrados indica que as empresas continuaram absorvendo uma grande parte dos custos adicionais, segundo a pesquisa.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;