Fechar
Publicidade

Sábado, 23 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Fed/Powell: Perspectiva para a economia é 'extraordinariamente incerta'



30/11/2020 | 19:35


O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Jerome Powell, afirmou que a perspectiva para a economia dos Estados Unidos é "extraordinariamente incerta", e irá depender, em parte, do sucesso na contenção do novo coronavírus. Em discurso a ser lido perante audiência no Senado amanhã, Powell indicou que o aumento do número de casos de covid-19 é "preocupante" nos EUA e no resto do mundo, e pode ser "desafiador" nos próximos meses. Uma retomada completa da economia é improvável até que as pessoas se sintam confiantes novamente para retornarem às atividades, projetou o dirigente.

A médio prazo, as notícias sobre vacinas são "muito positivas". Mas, no momento, "desafios significativos" permanecem, em termos de produção, distribuição e eficácia dos imunizantes em diferentes grupos, avaliou Powell. Continua "difícil" entender as implicações econômicas dos desenvolvimentos no tema com algum grau de confiança, ponderou.

Recuperação

Powell afirmou que a recuperação econômica nos Estados Unidos se "moderou" nos últimos meses, mas que a retomada continua, em comparação com os "níveis deprimidos" do segundo trimestre.

Em discurso a ser lido perante audiência no Senado amanhã, Powell afirmou que a reabertura da economia havia levado a uma retomada "rápida" no terceiro trimestre. Segundo Powell, o Fed tem agido para garantir que a recuperação seja o "mais forte possível", e ações firmes foram providenciadas para garantir "alívio e estabilidade", limitando os "danos na economia".

Os gastos da família tem se recuperado, em especial para os bens duráveis, que chegaram próximos aos níveis de antes da pandemia, apontou o dirigente. Por sua vez, o setor de serviços permanece "baixo", com atividades que demandam contato, como viagens e hotelaria em situação mais complicada. Os estímulos fiscais e a expansão dos auxílios desemprego foram em parte responsáveis pelo retorno dos gastos das família, e providenciaram "apoio essencial" a muito núcleos familiares e indivíduos, segundo Powell.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Fed/Powell: Perspectiva para a economia é 'extraordinariamente incerta'


30/11/2020 | 19:35


O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Jerome Powell, afirmou que a perspectiva para a economia dos Estados Unidos é "extraordinariamente incerta", e irá depender, em parte, do sucesso na contenção do novo coronavírus. Em discurso a ser lido perante audiência no Senado amanhã, Powell indicou que o aumento do número de casos de covid-19 é "preocupante" nos EUA e no resto do mundo, e pode ser "desafiador" nos próximos meses. Uma retomada completa da economia é improvável até que as pessoas se sintam confiantes novamente para retornarem às atividades, projetou o dirigente.

A médio prazo, as notícias sobre vacinas são "muito positivas". Mas, no momento, "desafios significativos" permanecem, em termos de produção, distribuição e eficácia dos imunizantes em diferentes grupos, avaliou Powell. Continua "difícil" entender as implicações econômicas dos desenvolvimentos no tema com algum grau de confiança, ponderou.

Recuperação

Powell afirmou que a recuperação econômica nos Estados Unidos se "moderou" nos últimos meses, mas que a retomada continua, em comparação com os "níveis deprimidos" do segundo trimestre.

Em discurso a ser lido perante audiência no Senado amanhã, Powell afirmou que a reabertura da economia havia levado a uma retomada "rápida" no terceiro trimestre. Segundo Powell, o Fed tem agido para garantir que a recuperação seja o "mais forte possível", e ações firmes foram providenciadas para garantir "alívio e estabilidade", limitando os "danos na economia".

Os gastos da família tem se recuperado, em especial para os bens duráveis, que chegaram próximos aos níveis de antes da pandemia, apontou o dirigente. Por sua vez, o setor de serviços permanece "baixo", com atividades que demandam contato, como viagens e hotelaria em situação mais complicada. Os estímulos fiscais e a expansão dos auxílios desemprego foram em parte responsáveis pelo retorno dos gastos das família, e providenciaram "apoio essencial" a muito núcleos familiares e indivíduos, segundo Powell.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;