Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

'Para além da retórica, não há qualquer evidência de fraude', afirma Barroso



29/11/2020 | 21:29


O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, reafirmou neste domingo, 29, a segurança no processo eleitoral brasileiro e disse que, "para além da retórica", não há qualquer evidência de fraude nas urnas eletrônicas.

A declaração vem num momento em que o presidente Jair Bolsonaro reforça as ofensivas pedindo a aprovação do voto impresso no País, colocando em xeque a segurança da urna eletrônica.

"Só posso explicar (funcionamento de urnas eletrônicas) para quem quer entender. Para quem não quer entender, não há fármaco jurídico possível", disse Barroso.

O presidente do TSE explicou que as urnas não ficam conectadas em rede, e o programa desenvolvido é fiscalizado pelos partidos, pelo Ministério Público e pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Depois, é lacrado num cofre para só então, na ocasião das eleições, ser inserido individualmente nas urnas.

Ainda segundo Barroso, antes da votação, um boletim inicial que mostra que a urna está com os votos zerados. Ao fim da votação, por sua vez, o boletim da urna mostra o número de votos que cada candidato recebeu.

"Não há como fraudar nem antes nem depois do boletim de urna", frisou. Segundo o ministro, os boletins de urna são enviados por uma rede criptografada, e só o TSE é capaz de decodificar os dados. Se houver alteração no caminho, o sistema detecta e rejeita informação.

Os partidos, disse Barroso, têm acesso aos boletins de urna e podem fazer conferência. "Nunca ninguém demonstrou evidência de fraude", ressaltou. "Se alguém tivesse demonstrado evidência de fraude, TSE seria primeiro interessado a investigar."

O presidente do TSE reforçou que as falhas no primeiro turno, com problemas no e-Título e na totalização dos votos, não tiveram qualquer relação com ataque hacker ou qualquer ilícito.

Barroso disse ainda que ficou em contato durante toda a semana com o diretor-geral da Polícia Federal, Rolando Alexandre de Souza, em meio às investigações sobre o ataque hacker. "A Operação Exploit foi conduzida com grande sucesso pela Polícia Federal."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Para além da retórica, não há qualquer evidência de fraude', afirma Barroso


29/11/2020 | 21:29


O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, reafirmou neste domingo, 29, a segurança no processo eleitoral brasileiro e disse que, "para além da retórica", não há qualquer evidência de fraude nas urnas eletrônicas.

A declaração vem num momento em que o presidente Jair Bolsonaro reforça as ofensivas pedindo a aprovação do voto impresso no País, colocando em xeque a segurança da urna eletrônica.

"Só posso explicar (funcionamento de urnas eletrônicas) para quem quer entender. Para quem não quer entender, não há fármaco jurídico possível", disse Barroso.

O presidente do TSE explicou que as urnas não ficam conectadas em rede, e o programa desenvolvido é fiscalizado pelos partidos, pelo Ministério Público e pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Depois, é lacrado num cofre para só então, na ocasião das eleições, ser inserido individualmente nas urnas.

Ainda segundo Barroso, antes da votação, um boletim inicial que mostra que a urna está com os votos zerados. Ao fim da votação, por sua vez, o boletim da urna mostra o número de votos que cada candidato recebeu.

"Não há como fraudar nem antes nem depois do boletim de urna", frisou. Segundo o ministro, os boletins de urna são enviados por uma rede criptografada, e só o TSE é capaz de decodificar os dados. Se houver alteração no caminho, o sistema detecta e rejeita informação.

Os partidos, disse Barroso, têm acesso aos boletins de urna e podem fazer conferência. "Nunca ninguém demonstrou evidência de fraude", ressaltou. "Se alguém tivesse demonstrado evidência de fraude, TSE seria primeiro interessado a investigar."

O presidente do TSE reforçou que as falhas no primeiro turno, com problemas no e-Título e na totalização dos votos, não tiveram qualquer relação com ataque hacker ou qualquer ilícito.

Barroso disse ainda que ficou em contato durante toda a semana com o diretor-geral da Polícia Federal, Rolando Alexandre de Souza, em meio às investigações sobre o ataque hacker. "A Operação Exploit foi conduzida com grande sucesso pela Polícia Federal."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;