Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Mauaenses não sentem medo da pandemia durante votação no segundo turno das eleições

Luis Felipe Soares/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Luís Felipe Soares
Do Diário do Grande ABC

29/11/2020 | 16:14


A pandemia não causou confusões nem medo durante o segundo turno das eleições municipais de Mauá. As pessoas realizaram seu contato com a urna eletrônica de maneira rápida e com o máximo de atenção possível.

No Colégio Opção, por exemplo, não houve grande quantidade de pessoas se aglomerado e todos foram votar de máscara, esta última medida simples e eficaz contra a proliferação do novo coronavírus.

"Faço questão de vir votar, seja com pandemia ou não", afirmou o motorista Carlos Augusto Aguiar Ferreira, 48. "Tenho meus cuidados nos últimos meses, vivo de máscara e tem álcool para todo lado. Não deixo o medo atrapalhar."

Atual prefeito e candidato à reeleição, Atila Jacomussi (PSB) esteve no local para votar por volta das 15h e, nos cerca de 20 minutos em que passou pela escola, cumprimentou as pessoas com punho fechado, acenou de longe e não tirou a proteção do rosto.

Localizado na Vila Bocaina, o colégio espalhou álcool gel em diversos pontos do prédio e a movimentação foi feita de maneira que as pessoas entravam pelo portão principal e deixam o local por uma saída lateral.

Segundo fiscais que trabalharam na votação, o primeiro turno foi muito mais agitado. Eles comentam que, há duas semanas, houveram aglomerações na parte da manhã e perto da hora do almoço, filas e muitas reclamações. Neste domingo (29), não tiveram qualquer de complicação, tendo serviço mais tranquilo do que esperavam.

A vendedora Antônia de Almeida Jorge, 41 anos, foi votar às 16h e se sentiu minimamente segura. "É bom vir mais perto do fim (às 17h) justamente porque tem menos gente. Ainda mais nesse tempo de Covid-19, quanto menos juntar gente, melhor", disse ela, que ficou menos de um minuto em sua zona eleitoral. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mauaenses não sentem medo da pandemia durante votação no segundo turno das eleições

Luís Felipe Soares
Do Diário do Grande ABC

29/11/2020 | 16:14


A pandemia não causou confusões nem medo durante o segundo turno das eleições municipais de Mauá. As pessoas realizaram seu contato com a urna eletrônica de maneira rápida e com o máximo de atenção possível.

No Colégio Opção, por exemplo, não houve grande quantidade de pessoas se aglomerado e todos foram votar de máscara, esta última medida simples e eficaz contra a proliferação do novo coronavírus.

"Faço questão de vir votar, seja com pandemia ou não", afirmou o motorista Carlos Augusto Aguiar Ferreira, 48. "Tenho meus cuidados nos últimos meses, vivo de máscara e tem álcool para todo lado. Não deixo o medo atrapalhar."

Atual prefeito e candidato à reeleição, Atila Jacomussi (PSB) esteve no local para votar por volta das 15h e, nos cerca de 20 minutos em que passou pela escola, cumprimentou as pessoas com punho fechado, acenou de longe e não tirou a proteção do rosto.

Localizado na Vila Bocaina, o colégio espalhou álcool gel em diversos pontos do prédio e a movimentação foi feita de maneira que as pessoas entravam pelo portão principal e deixam o local por uma saída lateral.

Segundo fiscais que trabalharam na votação, o primeiro turno foi muito mais agitado. Eles comentam que, há duas semanas, houveram aglomerações na parte da manhã e perto da hora do almoço, filas e muitas reclamações. Neste domingo (29), não tiveram qualquer de complicação, tendo serviço mais tranquilo do que esperavam.

A vendedora Antônia de Almeida Jorge, 41 anos, foi votar às 16h e se sentiu minimamente segura. "É bom vir mais perto do fim (às 17h) justamente porque tem menos gente. Ainda mais nesse tempo de Covid-19, quanto menos juntar gente, melhor", disse ela, que ficou menos de um minuto em sua zona eleitoral. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;