Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Austrália ameaça ir à OMC contra a China se disputa comercial avançar



29/11/2020 | 09:56


A Austrália se prepara para agir contra a China na Organização Mundial do Comércio (OMC) por causa das tarifas impostas pelo governo chinês sobre as importações de cevada australiana. A disputa comercial entre os dois países leva à interrupção do fornecimento de diversos produtos, de carvão a vinho.

Em maio, a China impôs tarifas de 80,5% sobre a cevada australiana, alegando que o produto estaria sendo vendido a preços baixos sustentados por subsídios governamentais. A Austrália rejeitou a afirmação e apelou diretamente às autoridades chinesas para reverterem as tarifas, o que foi rejeitado. As vendas australianas de cevada à China geravam cerca de US$ 1 bilhão por ano antes de Pequim impor tarifas, segundo a empresa de análise IHS Markit.

"O próximo passo é apelar à OMC pela cevada", disse neste domingo o ministro australiano do Comércio, Simon Birmingham. Segundo o ministro, o governo está conversando com a indústria local de grãos e outros setores para avaliar se há apoio para registrar uma reclamação. "Se você defende o sistema baseado em regras, também deve usar esse mesmo sistema, o que inclui fazer denúncia quando se considera que as regras foram violadas e chamar o árbitro internacional para ajudar a resolver as disputas", disse Birmingham.

A disputa comercial entre os dois países começou em abril, quando a Austrália buscou o apoio de líderes europeus para investigar se a resposta inicial de Pequim à disseminação do coronavírus contribuiu para a pandemia. Muitos parlamentares e economistas australianos veem as tarifas como uma retaliação chinesa à iniciativa.

Dias antes de as tarifas da cevada entrarem em vigor, em maio, a China havia informado a suspensão de importações de carne bovina de quatro exportadores australianos, citando irregularidades no sistema de inspeção e na adoção de quarentena. Desde então, os atritos comerciais aumentaram e os chineses estenderam restrições a outros produtos. Na sexta-feira, foram impostas tarifas antidumping sobre importações chinesas de vinho australiano. Novamente, a Austrália negou que venda produtos abaixo do custo no mercado internacional. Fonte: Dow Jones Newswires.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Austrália ameaça ir à OMC contra a China se disputa comercial avançar


29/11/2020 | 09:56


A Austrália se prepara para agir contra a China na Organização Mundial do Comércio (OMC) por causa das tarifas impostas pelo governo chinês sobre as importações de cevada australiana. A disputa comercial entre os dois países leva à interrupção do fornecimento de diversos produtos, de carvão a vinho.

Em maio, a China impôs tarifas de 80,5% sobre a cevada australiana, alegando que o produto estaria sendo vendido a preços baixos sustentados por subsídios governamentais. A Austrália rejeitou a afirmação e apelou diretamente às autoridades chinesas para reverterem as tarifas, o que foi rejeitado. As vendas australianas de cevada à China geravam cerca de US$ 1 bilhão por ano antes de Pequim impor tarifas, segundo a empresa de análise IHS Markit.

"O próximo passo é apelar à OMC pela cevada", disse neste domingo o ministro australiano do Comércio, Simon Birmingham. Segundo o ministro, o governo está conversando com a indústria local de grãos e outros setores para avaliar se há apoio para registrar uma reclamação. "Se você defende o sistema baseado em regras, também deve usar esse mesmo sistema, o que inclui fazer denúncia quando se considera que as regras foram violadas e chamar o árbitro internacional para ajudar a resolver as disputas", disse Birmingham.

A disputa comercial entre os dois países começou em abril, quando a Austrália buscou o apoio de líderes europeus para investigar se a resposta inicial de Pequim à disseminação do coronavírus contribuiu para a pandemia. Muitos parlamentares e economistas australianos veem as tarifas como uma retaliação chinesa à iniciativa.

Dias antes de as tarifas da cevada entrarem em vigor, em maio, a China havia informado a suspensão de importações de carne bovina de quatro exportadores australianos, citando irregularidades no sistema de inspeção e na adoção de quarentena. Desde então, os atritos comerciais aumentaram e os chineses estenderam restrições a outros produtos. Na sexta-feira, foram impostas tarifas antidumping sobre importações chinesas de vinho australiano. Novamente, a Austrália negou que venda produtos abaixo do custo no mercado internacional. Fonte: Dow Jones Newswires.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;