Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Marcelo Oliveira: ‘Governo vai ter forte participação popular em Mauá’

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Marcelo Oliveira recorre a projetos de outras gestões do PT e prega necessidade de virar página da corrupção


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

29/11/2020 | 00:01


Prefeiturável do PT em Mauá, Marcelo Oliveira vai às urnas com resgate de ideias implementadas nas quatro vezes em que o partido administrou a cidade. A bandeira principal é a retomada do OP (Orçamento Participativo), evento no qual moradores opinam sobre o destino dos recursos públicos.

“Teremos aproximação com o povo, por meio do Orçamento Participativo. Eu só acredito que um governo é pleno quando há participação popular. Quero governar com o povo. É o que acredito e é o que vamos fazer”, disse o petista.

Marcelo, 48 anos, voltou a falar do tema corrupção e de como a instabilidade política prejudicou o andar de Mauá nos últimos anos. “Precisamos acabar com a corrupção em Mauá. Mauá não aguenta mais. Passou o mandato inteiro com problemas de corrupção. É na merenda, no uniforme escolar, no hospital de campanha. Na Fundação (do ABC) você vê com problemas. Onde você mexe tem problema”, analisou. “Então, hoje a disputa de dois projetos diferentes envolve um de respeito à população e ao dinheiro público e outro é a bandalheira que está aí.”

Pela primeira vez na corrida eleitoral à Prefeitura, o hoje vereador diz que ele e sua vice, a ex-primeira-dama Celma Dias (PT), “conhecem os problemas da cidade e sabem como resolver”. “Temos credibilidade, honestidade e uma história de vida, seja ela familiar ou política, limpa. História com conceitos formados pelo meu pai, pela minha mãe, pela nossa família e de formação política. Em defesa dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras, da população mais carente da nossa cidade.”

Para que o município tenha mais condições financeiras para tirar do papel suas ideias de futuro, Marcelo pregou diversificar a atividade econômica, apostando, por exemplo, em polos, como de cosméticos, e na construção de centro de distribuição de alimentos nos moldes da Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André). Mas a grande batalha, segundo ele, será em cima dos impostos do tratamento de petróleo.

Mauá vive longa batalha jurídica para obter parte do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) pela distribuição do petróleo refinado no polo de Capuava. Esse dinheiro, perto dos R$ 200 milhões anuais, é dividido atualmente entre São Caetano e Barueri. “Temos adiantadas algumas conversas para que uma empresa possa comprar e distribuir o petróleo, não necessariamente a Petrobras. Para que esse serviço seja realizado também em Mauá, assim, retendo parte do ICMS. Seria uma quantia muito importante para a cidade”, afirmou. “Vamos diminuir fila de espera por vaga em creche, a fila de exames, contratar mais médicos, vamos gerar emprego e renda.” 

NOME DE URNA: Marcelo Oliveira

NÚMERO DE URNA: 13

PARTIDO: PT

NOME COMPLETO: Franciso Marcelo de Oliveira

IDADE: 48 anos

PROFISSÃO: Industrial



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Marcelo Oliveira: ‘Governo vai ter forte participação popular em Mauá’

Marcelo Oliveira recorre a projetos de outras gestões do PT e prega necessidade de virar página da corrupção

Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

29/11/2020 | 00:01


Prefeiturável do PT em Mauá, Marcelo Oliveira vai às urnas com resgate de ideias implementadas nas quatro vezes em que o partido administrou a cidade. A bandeira principal é a retomada do OP (Orçamento Participativo), evento no qual moradores opinam sobre o destino dos recursos públicos.

“Teremos aproximação com o povo, por meio do Orçamento Participativo. Eu só acredito que um governo é pleno quando há participação popular. Quero governar com o povo. É o que acredito e é o que vamos fazer”, disse o petista.

Marcelo, 48 anos, voltou a falar do tema corrupção e de como a instabilidade política prejudicou o andar de Mauá nos últimos anos. “Precisamos acabar com a corrupção em Mauá. Mauá não aguenta mais. Passou o mandato inteiro com problemas de corrupção. É na merenda, no uniforme escolar, no hospital de campanha. Na Fundação (do ABC) você vê com problemas. Onde você mexe tem problema”, analisou. “Então, hoje a disputa de dois projetos diferentes envolve um de respeito à população e ao dinheiro público e outro é a bandalheira que está aí.”

Pela primeira vez na corrida eleitoral à Prefeitura, o hoje vereador diz que ele e sua vice, a ex-primeira-dama Celma Dias (PT), “conhecem os problemas da cidade e sabem como resolver”. “Temos credibilidade, honestidade e uma história de vida, seja ela familiar ou política, limpa. História com conceitos formados pelo meu pai, pela minha mãe, pela nossa família e de formação política. Em defesa dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras, da população mais carente da nossa cidade.”

Para que o município tenha mais condições financeiras para tirar do papel suas ideias de futuro, Marcelo pregou diversificar a atividade econômica, apostando, por exemplo, em polos, como de cosméticos, e na construção de centro de distribuição de alimentos nos moldes da Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André). Mas a grande batalha, segundo ele, será em cima dos impostos do tratamento de petróleo.

Mauá vive longa batalha jurídica para obter parte do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) pela distribuição do petróleo refinado no polo de Capuava. Esse dinheiro, perto dos R$ 200 milhões anuais, é dividido atualmente entre São Caetano e Barueri. “Temos adiantadas algumas conversas para que uma empresa possa comprar e distribuir o petróleo, não necessariamente a Petrobras. Para que esse serviço seja realizado também em Mauá, assim, retendo parte do ICMS. Seria uma quantia muito importante para a cidade”, afirmou. “Vamos diminuir fila de espera por vaga em creche, a fila de exames, contratar mais médicos, vamos gerar emprego e renda.” 

NOME DE URNA: Marcelo Oliveira

NÚMERO DE URNA: 13

PARTIDO: PT

NOME COMPLETO: Franciso Marcelo de Oliveira

IDADE: 48 anos

PROFISSÃO: Industrial

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;