Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Correção: Aprovação de Bolsonaro cai no período eleitoral, aponta Ibope



27/11/2020 | 13:40


Diferentemente do informado na nota distribuída anteriormente, o porcentual dos que consideram a administração de Bolsonaro ótima/boa variou negativamente em 20 cidades. Em outras 13, o resultado aponta um desgaste na imagem do governo. Segue o texto corrigido.

O presidente Jair Bolsonaro perdeu apoio em 13 capitais brasileiras durante o período de campanha eleitoral nos municípios, segundo pesquisa do Ibope.

O Estadão comparou a avaliação do governo em 24 capitais, em levantamentos feitos desde outubro. O porcentual dos que consideram a administração de Bolsonaro ótima/boa variou negativamente em 20 cidades. Em sete a oscilação aparece dentro da margem de erro. Em outras 13, o resultado aponta um desgaste na imagem do governo.

A maior queda de popularidade do presidente ocorreu em João Pessoa, onde a queda foi de 13 pontos, indo de 43% para 30%. Já o porcentual de pessoas que avaliam o governo como ruim/péssimo cresceu de 33% para 43% no mesmo período. A margem de erro das pesquisas é de quatro pontos.

A disputa na capital paraibana teve dois candidatos disputando a preferência dos bolsonaristas, delegado Wallber Virgolino (Patriota) e Nilvan Ferreira (MDB). Virgolino ficou em quarto lugar e Ferreira avançou para o segundo turno. Quem lidera as pesquisas de intenção de voto, no entanto, é o ex-governador e senador da Paraíba Cícero Lucena (Progressistas).

Em Manaus, a aprovação de Bolsonaro caiu de 54% para 42%, enquanto a rejeição passou de 26% para 32% durante o período eleitoral. Na capital amazonense, o presidente apostou em três candidatos - Coronel Menezes (Patriota), Capitão Alberto Neto (Republicanos) e Romero Reis (Novo) - nenhum deles chegou ao segundo turno da disputa.

O porcentual de eleitores que consideram a gestão de Bolsonaro ótima/boa teve queda também em Belo Horizonte, Boa Vista, Campo Grande, Cuiabá, Curitiba, Goiânia, Porto Velho, Rio Branco, São Luís, São Paulo e Vitória - todas em valores mais altos do que a margem de erro das pesquisas. O número de entrevistados que consideram o governo ruim ou péssimo cresceu em nove dessas cidades, e também em Teresina.

Não houve variação na avaliação positiva do governo em Fortaleza, Porto Alegre, Recife e Rio de Janeiro. Entre essas cidades, a única que apresenta dois candidatos de oposição ao governo é a capital pernambucana, com João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT).

Apenas duas capitais ficaram de fora do levantamento do Estadão. Em Macapá, que teve o primeiro turno adiado em razão da crise de energia elétrica, a pesquisa mais recente do Ibope é do dia 10. Em Aracaju, o instituto não perguntou sobre a avaliação de Bolsonaro no início da campanha.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Correção: Aprovação de Bolsonaro cai no período eleitoral, aponta Ibope


27/11/2020 | 13:40


Diferentemente do informado na nota distribuída anteriormente, o porcentual dos que consideram a administração de Bolsonaro ótima/boa variou negativamente em 20 cidades. Em outras 13, o resultado aponta um desgaste na imagem do governo. Segue o texto corrigido.

O presidente Jair Bolsonaro perdeu apoio em 13 capitais brasileiras durante o período de campanha eleitoral nos municípios, segundo pesquisa do Ibope.

O Estadão comparou a avaliação do governo em 24 capitais, em levantamentos feitos desde outubro. O porcentual dos que consideram a administração de Bolsonaro ótima/boa variou negativamente em 20 cidades. Em sete a oscilação aparece dentro da margem de erro. Em outras 13, o resultado aponta um desgaste na imagem do governo.

A maior queda de popularidade do presidente ocorreu em João Pessoa, onde a queda foi de 13 pontos, indo de 43% para 30%. Já o porcentual de pessoas que avaliam o governo como ruim/péssimo cresceu de 33% para 43% no mesmo período. A margem de erro das pesquisas é de quatro pontos.

A disputa na capital paraibana teve dois candidatos disputando a preferência dos bolsonaristas, delegado Wallber Virgolino (Patriota) e Nilvan Ferreira (MDB). Virgolino ficou em quarto lugar e Ferreira avançou para o segundo turno. Quem lidera as pesquisas de intenção de voto, no entanto, é o ex-governador e senador da Paraíba Cícero Lucena (Progressistas).

Em Manaus, a aprovação de Bolsonaro caiu de 54% para 42%, enquanto a rejeição passou de 26% para 32% durante o período eleitoral. Na capital amazonense, o presidente apostou em três candidatos - Coronel Menezes (Patriota), Capitão Alberto Neto (Republicanos) e Romero Reis (Novo) - nenhum deles chegou ao segundo turno da disputa.

O porcentual de eleitores que consideram a gestão de Bolsonaro ótima/boa teve queda também em Belo Horizonte, Boa Vista, Campo Grande, Cuiabá, Curitiba, Goiânia, Porto Velho, Rio Branco, São Luís, São Paulo e Vitória - todas em valores mais altos do que a margem de erro das pesquisas. O número de entrevistados que consideram o governo ruim ou péssimo cresceu em nove dessas cidades, e também em Teresina.

Não houve variação na avaliação positiva do governo em Fortaleza, Porto Alegre, Recife e Rio de Janeiro. Entre essas cidades, a única que apresenta dois candidatos de oposição ao governo é a capital pernambucana, com João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT).

Apenas duas capitais ficaram de fora do levantamento do Estadão. Em Macapá, que teve o primeiro turno adiado em razão da crise de energia elétrica, a pesquisa mais recente do Ibope é do dia 10. Em Aracaju, o instituto não perguntou sobre a avaliação de Bolsonaro no início da campanha.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;