Fechar
Publicidade

Sábado, 23 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

IPP sobe 3,40% em outubro ante 2,34% em setembro, revela IBGE



26/11/2020 | 09:35


O Índice de Preços ao Produtor (IPP), que inclui preços da indústria extrativa e de transformação, registrou alta de 3,40% em outubro, informou nesta quinta-feira, 26, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa de setembro foi revista de uma alta de 2,37% para elevação de 2,34%. O resultado de outubro foi o mais elevado de toda a série histórica, iniciada em janeiro de 2014.

O IPP mede a evolução dos preços de produtos na "porta da fábrica", sem impostos e fretes, da indústria extrativa e de 23 setores da indústria de transformação.

Com o resultado de outubro, o IPP de indústrias de transformação e extrativa acumulou aumento de 17,29% no ano. A taxa acumulada em 12 meses foi de 19,08%.

Considerando apenas a indústria extrativa, houve elevação de 9,71% em outubro, após a alta de 1,55% registrada em setembro.

Já a indústria de transformação registrou aumento de 3,04% em outubro, ante alta de 2,39% no IPP de setembro.

Bens

Os bens de capital ficaram 2,69% mais caros na porta de fábrica em outubro, segundo os dados do IPP. O resultado ocorre após os preços terem aumentado 1,63% em setembro. Os bens intermediários registraram avanço de 5,01% nos preços em outubro, ante um aumento de 2,17% em setembro.

Já os preços dos bens de consumo subiram 1,22% em outubro, depois de uma alta de 2,74% em setembro. Dentro dos bens de consumo, os bens duráveis tiveram elevação de 0,97% em outubro, ante alta de 1,57% no mês anterior. Os bens de consumo semiduráveis e não duráveis subiram 1,27% em outubro, após a elevação de 2,98% registrada em setembro.

A alta recorde de 3,40% do IPP em outubro teve contribuição de 0,20 ponto porcentual de bens de capital; 2,74 ponto porcentual de bens intermediários; e 0,46 ponto porcentual de bens de consumo, sendo 0,40 ponto porcentual de bens de consumo semi e não duráveis e 0,06 ponto porcentual de bens de consumo duráveis.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

IPP sobe 3,40% em outubro ante 2,34% em setembro, revela IBGE


26/11/2020 | 09:35


O Índice de Preços ao Produtor (IPP), que inclui preços da indústria extrativa e de transformação, registrou alta de 3,40% em outubro, informou nesta quinta-feira, 26, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa de setembro foi revista de uma alta de 2,37% para elevação de 2,34%. O resultado de outubro foi o mais elevado de toda a série histórica, iniciada em janeiro de 2014.

O IPP mede a evolução dos preços de produtos na "porta da fábrica", sem impostos e fretes, da indústria extrativa e de 23 setores da indústria de transformação.

Com o resultado de outubro, o IPP de indústrias de transformação e extrativa acumulou aumento de 17,29% no ano. A taxa acumulada em 12 meses foi de 19,08%.

Considerando apenas a indústria extrativa, houve elevação de 9,71% em outubro, após a alta de 1,55% registrada em setembro.

Já a indústria de transformação registrou aumento de 3,04% em outubro, ante alta de 2,39% no IPP de setembro.

Bens

Os bens de capital ficaram 2,69% mais caros na porta de fábrica em outubro, segundo os dados do IPP. O resultado ocorre após os preços terem aumentado 1,63% em setembro. Os bens intermediários registraram avanço de 5,01% nos preços em outubro, ante um aumento de 2,17% em setembro.

Já os preços dos bens de consumo subiram 1,22% em outubro, depois de uma alta de 2,74% em setembro. Dentro dos bens de consumo, os bens duráveis tiveram elevação de 0,97% em outubro, ante alta de 1,57% no mês anterior. Os bens de consumo semiduráveis e não duráveis subiram 1,27% em outubro, após a elevação de 2,98% registrada em setembro.

A alta recorde de 3,40% do IPP em outubro teve contribuição de 0,20 ponto porcentual de bens de capital; 2,74 ponto porcentual de bens intermediários; e 0,46 ponto porcentual de bens de consumo, sendo 0,40 ponto porcentual de bens de consumo semi e não duráveis e 0,06 ponto porcentual de bens de consumo duráveis.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;