Fechar
Publicidade

Sábado, 23 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

PF investiga diretores de corretora de seguros por gestão fraudulenta e desvios



26/11/2020 | 09:15


A Polícia Federal em São Paulo deflagrou na manhã desta quinta, 26, a 13ª fase da Operação Descarte, denominada Canal Seguro para investigar uma organização criminosa dedicada à gestão fraudulenta e ao desvio de valores de instituição financeira, além de crimes contra a ordem tributária e lavagem de ativos. A vítima do grupo foi uma corretora de seguros que detém exclusividade na venda de seguros anunciados por empresa pública federal, diz a PF

Segundo os investigadores, entre 2014 e 2016, três dos diretores da companhia teriam praticado atos de gestão fraudulenta e desviado valores que podem chegar a R$ 28.300.069,21, mediante diversas transferências a título de pagamento por prestação de serviços, superfaturados ou que na verdade não foram realizados.

A ofensiva cumpre13 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. A Justiça determinou ainda o bloqueio de mais de R$ 27 milhões dos investigados, além do sequestro de um apartamento no Rio de Janeiro, avaliado em R$ 5,5 milhões.

Além disso, os três diretores diretamente envolvidos nas fraudes investigadas tiveram a suspensão do exercício da atividade de natureza econômica ou financeira decretada.

A investigação contou com a participação da Receita Federal e do Ministério Público Federal e teve início a partir de provas produzidas no âmbito da Operação Descarte e seus desdobramentos - Chiaroscuro, Checkout, E o Vento Levou e Chorume.

As mais recentes etapas da Descarte, a 'Silício' e a 'Macchiato', foram abertas há menos de um mês. A primeira investigou supostos crimes de sonegação fiscal, corrupção, lavagem de capitais, fraude em licitação e evasão de divisas envolvendo a Ceitec, estatal de tecnologia vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações. Já a Macchiato mirou crimes contra o Sistema Financeiro Nacional relacionados ao banco BMG.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PF investiga diretores de corretora de seguros por gestão fraudulenta e desvios


26/11/2020 | 09:15


A Polícia Federal em São Paulo deflagrou na manhã desta quinta, 26, a 13ª fase da Operação Descarte, denominada Canal Seguro para investigar uma organização criminosa dedicada à gestão fraudulenta e ao desvio de valores de instituição financeira, além de crimes contra a ordem tributária e lavagem de ativos. A vítima do grupo foi uma corretora de seguros que detém exclusividade na venda de seguros anunciados por empresa pública federal, diz a PF

Segundo os investigadores, entre 2014 e 2016, três dos diretores da companhia teriam praticado atos de gestão fraudulenta e desviado valores que podem chegar a R$ 28.300.069,21, mediante diversas transferências a título de pagamento por prestação de serviços, superfaturados ou que na verdade não foram realizados.

A ofensiva cumpre13 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. A Justiça determinou ainda o bloqueio de mais de R$ 27 milhões dos investigados, além do sequestro de um apartamento no Rio de Janeiro, avaliado em R$ 5,5 milhões.

Além disso, os três diretores diretamente envolvidos nas fraudes investigadas tiveram a suspensão do exercício da atividade de natureza econômica ou financeira decretada.

A investigação contou com a participação da Receita Federal e do Ministério Público Federal e teve início a partir de provas produzidas no âmbito da Operação Descarte e seus desdobramentos - Chiaroscuro, Checkout, E o Vento Levou e Chorume.

As mais recentes etapas da Descarte, a 'Silício' e a 'Macchiato', foram abertas há menos de um mês. A primeira investigou supostos crimes de sonegação fiscal, corrupção, lavagem de capitais, fraude em licitação e evasão de divisas envolvendo a Ceitec, estatal de tecnologia vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações. Já a Macchiato mirou crimes contra o Sistema Financeiro Nacional relacionados ao banco BMG.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;