Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Doria recua de corte de recursos para a Fapesp



25/11/2020 | 19:15


O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), informou nesta quarta-feira, 25, que não haverá aplicação da Desvinculação da Receita Orçamentária de Estados e Municípios (DREM) nos repasses feitos pelo tesouro estadual à Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapesp). A previsão, que representaria uma perda de R$ 450 milhões para a instituição, constava no projeto do orçamento de 2021 enviado à Assembleia Legislativa pelo governo paulista.

Em vídeo divulgado pela Fapesp, o governador Doria, na companhia do presidente da fundação, Marco Antonio Zago, disse ter estabelecido uma soma de esforços para investimentos. "Não vamos aplicar a DREM que poderia gerar algum prejuízo à Fapesp. Ao contrário, estabelecemos ontem (terça-feira) no Palácio dos Bandeirantes (sede do governo) uma produtiva reunião para somar forças em investimentos na pesquisa, na ciência e na tecnologia", disse Doria.

Zago agradeceu a decisão. "É uma decisão sábia direcionar recursos para o desenvolvimento do Estado de São Paulo com base na ciência e na tecnologia. Agradeço enormemente a sua visão política e prática desta questão", disse o presidente da Fapesp ao governador.

O projeto de lei orçamentário anual (PL 627/2020) já havia recebido emendas dos deputados para reverter eventual corte de recursos para a Fapesp. O texto agora tramita na Comissão de Finanças, Orçamento e Planejamento da Casa e deverá ser submetido à votação dos parlamentares.

A decisão de Doria é a segunda em pouco meses a representar uma reavaliação de propostas que resultariam em cortes no orçamento da Fapesp. Em outubro, o governo recuou e retirou da proposta de ajuste fiscal encaminhada à Alesp a previsão de que a fundação e as universidades estaduais teriam de repassar seus superávits financeiros ao tesouro estadual. O projeto enfrentou forte oposição na Casa e também motivou críticas dos gestores das universidades e de acadêmicos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Doria recua de corte de recursos para a Fapesp


25/11/2020 | 19:15


O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), informou nesta quarta-feira, 25, que não haverá aplicação da Desvinculação da Receita Orçamentária de Estados e Municípios (DREM) nos repasses feitos pelo tesouro estadual à Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapesp). A previsão, que representaria uma perda de R$ 450 milhões para a instituição, constava no projeto do orçamento de 2021 enviado à Assembleia Legislativa pelo governo paulista.

Em vídeo divulgado pela Fapesp, o governador Doria, na companhia do presidente da fundação, Marco Antonio Zago, disse ter estabelecido uma soma de esforços para investimentos. "Não vamos aplicar a DREM que poderia gerar algum prejuízo à Fapesp. Ao contrário, estabelecemos ontem (terça-feira) no Palácio dos Bandeirantes (sede do governo) uma produtiva reunião para somar forças em investimentos na pesquisa, na ciência e na tecnologia", disse Doria.

Zago agradeceu a decisão. "É uma decisão sábia direcionar recursos para o desenvolvimento do Estado de São Paulo com base na ciência e na tecnologia. Agradeço enormemente a sua visão política e prática desta questão", disse o presidente da Fapesp ao governador.

O projeto de lei orçamentário anual (PL 627/2020) já havia recebido emendas dos deputados para reverter eventual corte de recursos para a Fapesp. O texto agora tramita na Comissão de Finanças, Orçamento e Planejamento da Casa e deverá ser submetido à votação dos parlamentares.

A decisão de Doria é a segunda em pouco meses a representar uma reavaliação de propostas que resultariam em cortes no orçamento da Fapesp. Em outubro, o governo recuou e retirou da proposta de ajuste fiscal encaminhada à Alesp a previsão de que a fundação e as universidades estaduais teriam de repassar seus superávits financeiros ao tesouro estadual. O projeto enfrentou forte oposição na Casa e também motivou críticas dos gestores das universidades e de acadêmicos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;