Fechar
Publicidade

Sábado, 23 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Maradona morre no mesmo dia de seu amigo Fidel Castro, ex-líder de Cuba



25/11/2020 | 16:15


O dia 25 de novembro ficará marcado na história pelo dia da morte de Diego Armando Maradona, um craque do futebol, e também do cubano Fidel Castro. Coincidentemente, os dois amigos faleceram no mesmo dia, com quatro anos de diferença - o ex-líder da ilha caribenha morreu em 25 de novembro de 2016.

A relação dos dois sempre foi muito próxima, a ponto de Maradona tatuar a imagem do cubano em sua panturrilha esquerda - no bíceps direito tinha tatuado o rosto de Ernesto "Che" Guevara. E um fato marcante na vida do ex-jogador motivou essa adoração por Fidel: foi o ex-líder daquele país caribenho que estendeu a mão para Maradona se tratar da dependência das drogas.

Em 2000, o craque foi para Cuba para encarar de frente sua dependência química e lá fez amigos e se apaixonou pelo povo local e pela ilha. "Não sou comunista, mas sou 'Fidelista' até a morte", chegou a dizer Maradona.

O contato era tão próximo que certa vez, em Havana, Maradona ensinou Fidel a brincar com uma bola de futebol em um dos muitos encontros que tiveram. Isso ocorreu a portas fechadas no Palácio da Revolução de Havana, em uma ilha que tem uma paixão pelo beisebol - Fidel inclusive gostava mais deste esporte do que de futebol.

Em sua autobiografia "Yo soy el Diego", Maradona incluiu o amigo em sua dedicatória. "A Fidel Castro e, por meio dele, a todo o povo cubano", escreveu. Os dois estiveram juntos ainda em um programa televisivo de entrevistas que Maradona teve na Argentina e o ex-jogador sempre se mostrou a favor dos políticos notadamente de esquerda.

Maradona bradou contra o imperialismo e se aproximou ainda de Hugo Chávez, ex-presidente da Venezuela, e já teve encontro com o brasileiro Luis Inácio Lula da Silva, que lamentou a morte. "No campo, foi um dos maiores adversários, talvez o maior, que a seleção brasileira já enfrentou. Fora da rivalidade esportiva, foi um grande amigo do Brasil. Só posso agradecer toda sua solidariedade com as causas populares e com o povo brasileiro. Maradona jamais será esquecido", disse Lula.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Maradona morre no mesmo dia de seu amigo Fidel Castro, ex-líder de Cuba


25/11/2020 | 16:15


O dia 25 de novembro ficará marcado na história pelo dia da morte de Diego Armando Maradona, um craque do futebol, e também do cubano Fidel Castro. Coincidentemente, os dois amigos faleceram no mesmo dia, com quatro anos de diferença - o ex-líder da ilha caribenha morreu em 25 de novembro de 2016.

A relação dos dois sempre foi muito próxima, a ponto de Maradona tatuar a imagem do cubano em sua panturrilha esquerda - no bíceps direito tinha tatuado o rosto de Ernesto "Che" Guevara. E um fato marcante na vida do ex-jogador motivou essa adoração por Fidel: foi o ex-líder daquele país caribenho que estendeu a mão para Maradona se tratar da dependência das drogas.

Em 2000, o craque foi para Cuba para encarar de frente sua dependência química e lá fez amigos e se apaixonou pelo povo local e pela ilha. "Não sou comunista, mas sou 'Fidelista' até a morte", chegou a dizer Maradona.

O contato era tão próximo que certa vez, em Havana, Maradona ensinou Fidel a brincar com uma bola de futebol em um dos muitos encontros que tiveram. Isso ocorreu a portas fechadas no Palácio da Revolução de Havana, em uma ilha que tem uma paixão pelo beisebol - Fidel inclusive gostava mais deste esporte do que de futebol.

Em sua autobiografia "Yo soy el Diego", Maradona incluiu o amigo em sua dedicatória. "A Fidel Castro e, por meio dele, a todo o povo cubano", escreveu. Os dois estiveram juntos ainda em um programa televisivo de entrevistas que Maradona teve na Argentina e o ex-jogador sempre se mostrou a favor dos políticos notadamente de esquerda.

Maradona bradou contra o imperialismo e se aproximou ainda de Hugo Chávez, ex-presidente da Venezuela, e já teve encontro com o brasileiro Luis Inácio Lula da Silva, que lamentou a morte. "No campo, foi um dos maiores adversários, talvez o maior, que a seleção brasileira já enfrentou. Fora da rivalidade esportiva, foi um grande amigo do Brasil. Só posso agradecer toda sua solidariedade com as causas populares e com o povo brasileiro. Maradona jamais será esquecido", disse Lula.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;