Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Confiança da construção cai em novembro após 6 meses de alta, diz FGV



25/11/2020 | 08:45


O Índice de Confiança da Construção (ICST) caiu 1,4 ponto em novembro, para 93,8, informou nesta quarta-feira, 25, a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado interrompeu a sequência de seis meses de aumento do indicador, iniciada na passagem de abril (65,0) para maio (68,0).

O Índice de Expectativas (IE) cedeu 2,9 pontos, para 96,2, também interrompendo uma série de seis meses de expansão. O resultado deixou o indicador novamente abaixo do nível de fevereiro (99,0), último mês com menor influência da pandemia de covid-19 sobre a atividade. O componente de demanda prevista cedeu 2,3 pontos, para 96,8, e o indicador de tendência dos negócios recuou 3,5 pontos, para 95,5.

O Índice de Situação Atual (ISA) ficou estável em 91,5 pontos, o primeiro resultado em cinco meses sem crescimento. O movimento foi puxado pela queda de 0,7 ponto do componente de carteira de contratos, para 89,5, por um lado; e pelo crescimento de 0,7 ponto do indicador de situação atual dos negócios, para 93,6, por outro.

"Após seis meses de alta contínua, a confiança dos empresários da construção recuou, refletindo uma piora das expectativas em relação à demanda e ao ambiente de negócios nos próximos meses", afirma a coordenadora de Projetos de Construção da FGV Ibre, Ana Maria Castelo, em nota. "O movimento se deu nos três segmentos setoriais - Edificações, Infraestrutura e Serviços Especializados - indicando a insegurança com as incertezas elevadas do cenário geral."

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) da construção caiu 1,8 ponto porcentual, para 72,7%, também a primeira contração em seis meses. Nas aberturas, a utilização da capacidade de Máquinas e Equipamentos caiu 0,2 ponto porcentual, para 65,9%, e o índice de Mão de Obra cedeu 2,0 pontos porcentuais, para 73,9%.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Confiança da construção cai em novembro após 6 meses de alta, diz FGV


25/11/2020 | 08:45


O Índice de Confiança da Construção (ICST) caiu 1,4 ponto em novembro, para 93,8, informou nesta quarta-feira, 25, a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado interrompeu a sequência de seis meses de aumento do indicador, iniciada na passagem de abril (65,0) para maio (68,0).

O Índice de Expectativas (IE) cedeu 2,9 pontos, para 96,2, também interrompendo uma série de seis meses de expansão. O resultado deixou o indicador novamente abaixo do nível de fevereiro (99,0), último mês com menor influência da pandemia de covid-19 sobre a atividade. O componente de demanda prevista cedeu 2,3 pontos, para 96,8, e o indicador de tendência dos negócios recuou 3,5 pontos, para 95,5.

O Índice de Situação Atual (ISA) ficou estável em 91,5 pontos, o primeiro resultado em cinco meses sem crescimento. O movimento foi puxado pela queda de 0,7 ponto do componente de carteira de contratos, para 89,5, por um lado; e pelo crescimento de 0,7 ponto do indicador de situação atual dos negócios, para 93,6, por outro.

"Após seis meses de alta contínua, a confiança dos empresários da construção recuou, refletindo uma piora das expectativas em relação à demanda e ao ambiente de negócios nos próximos meses", afirma a coordenadora de Projetos de Construção da FGV Ibre, Ana Maria Castelo, em nota. "O movimento se deu nos três segmentos setoriais - Edificações, Infraestrutura e Serviços Especializados - indicando a insegurança com as incertezas elevadas do cenário geral."

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) da construção caiu 1,8 ponto porcentual, para 72,7%, também a primeira contração em seis meses. Nas aberturas, a utilização da capacidade de Máquinas e Equipamentos caiu 0,2 ponto porcentual, para 65,9%, e o índice de Mão de Obra cedeu 2,0 pontos porcentuais, para 73,9%.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;