Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 9 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

QR Code: vez do transporte coletivo?


Do Diário do Grande ABC

24/11/2020 | 23:59


 
Uma vez que a pandemia do novo coronavírus modificou os hábitos de consumo dos brasileiros, acelerou o crescimento das lojas virtuais e abriu caminho para adesão de novos métodos de pagamento no País, acredito que tanto o governo do Estado de São Paulo quanto a prefeitura devem estar pensando em estratégias para a modernização do sistema de bilhetagem eletrônica do transporte público da Capital, buscando adequá-los às novas expectativas dos passageiros e às mais recentes necessidades operacionais.

Estamos passando por período de transição, onde as carteiras físicas perdem espaço para carteiras digitais que armazenam nossos dados e realizam transações por aproximação de forma rápida, segura e criptografada. Imagine se pudéssemos fazer tudo através dos nossos smartphones, desde a compra e a recarga do Bilhete Único, bem como a leitura do QR Code diretamente nos validadores eletrônicos, debitando o valor da tarifa dos ônibus, Metrô e trens diretamente da nossa carteira digital?

Além de substituir as passagens unitárias, hoje comercializadas em forma de bilhetes magnéticos ou cartões de plástico, os usuários teriam mais comodidade e flexibilidade, já que poderiam adquirir as passagens a qualquer hora e lugar, diretamente do seu smartphone, evitando deslocamento e perda de tempo em longas filas. Permitir que os clientes do sistema de transporte público possam se deslocar utilizando sua carteira digital como meio de pagamento é fundamental em mundo tão dinâmico.

O maior desafio para empresas que desejam reformular atuais modelos de negócios dos transportes coletivos é desenvolver soluções simples e que não necessitem que pessoas tenham smartphones de última geração, pois a maioria dos utilizadores é trabalhadora das classes C, D e E, que não têm acesso a tecnologias caras.

A mobilidade do futuro precisa de meios de pagamentos revolucionários, que fujam de soluções ‘mais do mesmo’. Talvez, se houvesse aplicativo de mobilidade urbana completo, onde, além de oferecer serviços de roteirizador e pagamento da tarifa do transporte por QR Code, cidadãos pudessem criar conta digital e ter cartão virtual gratuito, por exemplo, teríamos algo inovador e inclusivo, focado em abraçar os mais de 45 milhões de adultos desbancarizados.

O dinheiro físico ainda é muito presente na vida das pessoas e o Bilhete Único existe há mais de uma década e meia, mas precisamos admitir que é algo que já ficou bastante obsoleto. O coronavírus trouxe lições importantes para os empreendedores e todos os setores da nossa economia têm gargalos imensos para serem resolvidos.

Rodrigo Petroni é CEO e cofundador da startup UPM2.

PALAVRA DO LEITOR

Fernandes
Reiteradas vezes escrevi para esta minha dileta Palavra do Leitor para externar que sou ‘fernandesiano’ de carteirinha, porque ele é um premiado cartunista genial e maioral! Suas instigantes charges permitem aos ‘diarionetes’ incontáveis vieses, como a publicada no dia 2 (Opinião), que me instigou a divagar sobremaneira. Quem me dera se tivesse a prerrogativa de ser caricaturado por meio da sua brilhante pena! Vida longa e vigorosa para o notável cartunista!
João Paulo de Oliveira
Diadema

Araraquara
De acordo com a lei eleitoral, desde ontem ninguém pode ser preso. E os bandidos que apavoraram e assaltaram agências bancárias em Araraquara na madrugada de segunda para terça, usando forte munição, inclusive foram encontrados dois cartuchos ponto 50, serão presos? Polícia precisa enfrentar o bandido que vem para o confronto com munição ainda maior. Ou a polícia reage ou será dominada.
Luciana Lins
Campinas (SP)

Oposição ao PSDB
Uso deste espaço democrático que este Diário proporciona a seu imenso colegiado de leitores para discordar do ponto de vista dos candidatos derrotados à Prefeitura de Santo André, conforme reportagem intitulada ‘Adversários sinalizam manter oposição contra PSDB’ (Política, dia 23). Se bem que essa choradeira é comum depois de disputa onde todos estavam esperançosos de ganhar. Mas na política só ganha quem conseguir mais votos. E o prefeito Paulo Serra foi feliz, ao obter 76,88% dos votos válidos, verdadeira ‘goleada’, na linguagem futebolística, em seus oponentes, principalmente nesses três citados na reportagem de Fábio Martins. É incrível que esses três ‘chorões’ tentem colocar em xeque a clareza da apuração, já que as emissoras de televisão informaram, na noite do início das apurações, ter ocorrido um problema técnico no sistema do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na parte de divulgação dos dados. Quanto a fazer oposição ao prefeito reeleito Paulo Serra, políticos de esquerda não se conformam com derrotas.
Arlindo Ligeirinho Ribeiro
Diadema

Preocupado
Li neste Diário que dia 19 chegou o primeiro lote da vacina Coronavac no aeroporto de Guarulhos, com 120 mil frascos (Setecidades, ontem). O material será guardado em local sigiloso até que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) libere a aplicação do imunizante. Essa informação me deixou realmente preocupado, porque, se nossas autoridades conseguiram esquecer milhares de testes de Covid, que não estavam armazenados em locais sigilosos, imagina agora com a vacina, que ficará estocada em local sigiloso! Imagine o risco que corremos.
Roberto Canavezzi
São Caetano

Isolado
Jair Bolsonaro acha que tudo pode! Mas, por exclusiva culpa sua, está completamente desacreditado e isolado, principalmente das questões nacionais! Ou seja, não governa! E o resultado que colhe é que há 12 meses tenta viabilizar seu partido Aliança pelo Brasil, em que o objetivo seria dar respaldo à sua reeleição em 2022, mas, até aqui, conseguiu míseros 10% das assinaturas necessárias. Tal qual seu governo, não faltaram intrigas e brigas para criar o partido. O apoio popular que o presidente acha que tem, não existe! Vive nas nuvens! E, com essa personalidade de quem não acredita nem na sua sombra, acha que o povo brasileiro vai se curvar à sua total incompetência.
Paulo Panossian
São Carlos (SP)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

QR Code: vez do transporte coletivo?

Do Diário do Grande ABC

24/11/2020 | 23:59


 
Uma vez que a pandemia do novo coronavírus modificou os hábitos de consumo dos brasileiros, acelerou o crescimento das lojas virtuais e abriu caminho para adesão de novos métodos de pagamento no País, acredito que tanto o governo do Estado de São Paulo quanto a prefeitura devem estar pensando em estratégias para a modernização do sistema de bilhetagem eletrônica do transporte público da Capital, buscando adequá-los às novas expectativas dos passageiros e às mais recentes necessidades operacionais.

Estamos passando por período de transição, onde as carteiras físicas perdem espaço para carteiras digitais que armazenam nossos dados e realizam transações por aproximação de forma rápida, segura e criptografada. Imagine se pudéssemos fazer tudo através dos nossos smartphones, desde a compra e a recarga do Bilhete Único, bem como a leitura do QR Code diretamente nos validadores eletrônicos, debitando o valor da tarifa dos ônibus, Metrô e trens diretamente da nossa carteira digital?

Além de substituir as passagens unitárias, hoje comercializadas em forma de bilhetes magnéticos ou cartões de plástico, os usuários teriam mais comodidade e flexibilidade, já que poderiam adquirir as passagens a qualquer hora e lugar, diretamente do seu smartphone, evitando deslocamento e perda de tempo em longas filas. Permitir que os clientes do sistema de transporte público possam se deslocar utilizando sua carteira digital como meio de pagamento é fundamental em mundo tão dinâmico.

O maior desafio para empresas que desejam reformular atuais modelos de negócios dos transportes coletivos é desenvolver soluções simples e que não necessitem que pessoas tenham smartphones de última geração, pois a maioria dos utilizadores é trabalhadora das classes C, D e E, que não têm acesso a tecnologias caras.

A mobilidade do futuro precisa de meios de pagamentos revolucionários, que fujam de soluções ‘mais do mesmo’. Talvez, se houvesse aplicativo de mobilidade urbana completo, onde, além de oferecer serviços de roteirizador e pagamento da tarifa do transporte por QR Code, cidadãos pudessem criar conta digital e ter cartão virtual gratuito, por exemplo, teríamos algo inovador e inclusivo, focado em abraçar os mais de 45 milhões de adultos desbancarizados.

O dinheiro físico ainda é muito presente na vida das pessoas e o Bilhete Único existe há mais de uma década e meia, mas precisamos admitir que é algo que já ficou bastante obsoleto. O coronavírus trouxe lições importantes para os empreendedores e todos os setores da nossa economia têm gargalos imensos para serem resolvidos.

Rodrigo Petroni é CEO e cofundador da startup UPM2.

PALAVRA DO LEITOR

Fernandes
Reiteradas vezes escrevi para esta minha dileta Palavra do Leitor para externar que sou ‘fernandesiano’ de carteirinha, porque ele é um premiado cartunista genial e maioral! Suas instigantes charges permitem aos ‘diarionetes’ incontáveis vieses, como a publicada no dia 2 (Opinião), que me instigou a divagar sobremaneira. Quem me dera se tivesse a prerrogativa de ser caricaturado por meio da sua brilhante pena! Vida longa e vigorosa para o notável cartunista!
João Paulo de Oliveira
Diadema

Araraquara
De acordo com a lei eleitoral, desde ontem ninguém pode ser preso. E os bandidos que apavoraram e assaltaram agências bancárias em Araraquara na madrugada de segunda para terça, usando forte munição, inclusive foram encontrados dois cartuchos ponto 50, serão presos? Polícia precisa enfrentar o bandido que vem para o confronto com munição ainda maior. Ou a polícia reage ou será dominada.
Luciana Lins
Campinas (SP)

Oposição ao PSDB
Uso deste espaço democrático que este Diário proporciona a seu imenso colegiado de leitores para discordar do ponto de vista dos candidatos derrotados à Prefeitura de Santo André, conforme reportagem intitulada ‘Adversários sinalizam manter oposição contra PSDB’ (Política, dia 23). Se bem que essa choradeira é comum depois de disputa onde todos estavam esperançosos de ganhar. Mas na política só ganha quem conseguir mais votos. E o prefeito Paulo Serra foi feliz, ao obter 76,88% dos votos válidos, verdadeira ‘goleada’, na linguagem futebolística, em seus oponentes, principalmente nesses três citados na reportagem de Fábio Martins. É incrível que esses três ‘chorões’ tentem colocar em xeque a clareza da apuração, já que as emissoras de televisão informaram, na noite do início das apurações, ter ocorrido um problema técnico no sistema do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na parte de divulgação dos dados. Quanto a fazer oposição ao prefeito reeleito Paulo Serra, políticos de esquerda não se conformam com derrotas.
Arlindo Ligeirinho Ribeiro
Diadema

Preocupado
Li neste Diário que dia 19 chegou o primeiro lote da vacina Coronavac no aeroporto de Guarulhos, com 120 mil frascos (Setecidades, ontem). O material será guardado em local sigiloso até que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) libere a aplicação do imunizante. Essa informação me deixou realmente preocupado, porque, se nossas autoridades conseguiram esquecer milhares de testes de Covid, que não estavam armazenados em locais sigilosos, imagina agora com a vacina, que ficará estocada em local sigiloso! Imagine o risco que corremos.
Roberto Canavezzi
São Caetano

Isolado
Jair Bolsonaro acha que tudo pode! Mas, por exclusiva culpa sua, está completamente desacreditado e isolado, principalmente das questões nacionais! Ou seja, não governa! E o resultado que colhe é que há 12 meses tenta viabilizar seu partido Aliança pelo Brasil, em que o objetivo seria dar respaldo à sua reeleição em 2022, mas, até aqui, conseguiu míseros 10% das assinaturas necessárias. Tal qual seu governo, não faltaram intrigas e brigas para criar o partido. O apoio popular que o presidente acha que tem, não existe! Vive nas nuvens! E, com essa personalidade de quem não acredita nem na sua sombra, acha que o povo brasileiro vai se curvar à sua total incompetência.
Paulo Panossian
São Carlos (SP)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;