Fechar
Publicidade

Domingo, 7 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar recua com exterior, mas IPCA-15 forte e cautela fiscal limitam

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


24/11/2020 | 09:52


O dólar recua no mercado doméstico, acompanhando a tendência no exterior em meio ao persistente apetite por ativos de risco e também com investidores à espera do leilão de linha de US$ 1,260 bilhão para rolagem do vencimento de 2 de dezembro (10h15).

O IPCA-15 subiu 0,81% em novembro ante outubro e +4,22 em 12 meses, ficando acima da mediana do mercado para o período anual (4,12%) e do centro da meta de inflação deste ano (4%), o que apoia alta dos juros futuros de curto prazo - movimento monitorado por agentes de câmbio dada a preocupação recente no mercado com o repique da inflação no País. O indicador em novembro é ainda o maior para o mês desde 2015 (0,85%).

Mais cedo, a Fundação Getulio Vargas (FGV) informou que o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) também ganhou tração em todas as capitais pesquisadas na terceira quadrissemana de novembro. A inflação do índice cheio acelerou de 0,62% para 0,77% no período. Agora, os consumidores esperam inflação de 4,8% em 12 meses a partir de novembro (4,7% em outubro).

Esses dados de inflação recolocam as atenções sobre o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que tem reafirmado que o aumento da inflação é temporário. Campos Neto reúne-se hoje com dirigentes de bancos e, apesar do encontro virtual ser fechado à imprensa, é possível que informações de bastidores sejam divulgadas.

No exterior, após ter subido ontem, o dólar recua ante pares principais e também cai majoritariamente frente divisas emergentes e ligadas a commodities nesta manhã.

Os catalisadores do persistente apetite por ativos de risco ainda são as notícias de possíveis vacinas comerciais contra a covid-19 ainda este ano, os sinais de transição pacífica de governo nos EUA e a possibilidade de Janet Yellen vir a ser confirmada pelo presidente eleito Joe Biden para assumir o Tesouro americano.

A ex-presidente do Federal Reserve defende mais estímulos à economia em todas as frentes, o que deve elevar o déficit fiscal americano, de acordo com analistas financeiros.

Às 9h48, o dólar à vista caía 0,35%, a R$ 5,4141, enquanto o dólar futuro para dezembro recuava 0,50%, a R$ 5,4140.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar recua com exterior, mas IPCA-15 forte e cautela fiscal limitam


24/11/2020 | 09:52


O dólar recua no mercado doméstico, acompanhando a tendência no exterior em meio ao persistente apetite por ativos de risco e também com investidores à espera do leilão de linha de US$ 1,260 bilhão para rolagem do vencimento de 2 de dezembro (10h15).

O IPCA-15 subiu 0,81% em novembro ante outubro e +4,22 em 12 meses, ficando acima da mediana do mercado para o período anual (4,12%) e do centro da meta de inflação deste ano (4%), o que apoia alta dos juros futuros de curto prazo - movimento monitorado por agentes de câmbio dada a preocupação recente no mercado com o repique da inflação no País. O indicador em novembro é ainda o maior para o mês desde 2015 (0,85%).

Mais cedo, a Fundação Getulio Vargas (FGV) informou que o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) também ganhou tração em todas as capitais pesquisadas na terceira quadrissemana de novembro. A inflação do índice cheio acelerou de 0,62% para 0,77% no período. Agora, os consumidores esperam inflação de 4,8% em 12 meses a partir de novembro (4,7% em outubro).

Esses dados de inflação recolocam as atenções sobre o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que tem reafirmado que o aumento da inflação é temporário. Campos Neto reúne-se hoje com dirigentes de bancos e, apesar do encontro virtual ser fechado à imprensa, é possível que informações de bastidores sejam divulgadas.

No exterior, após ter subido ontem, o dólar recua ante pares principais e também cai majoritariamente frente divisas emergentes e ligadas a commodities nesta manhã.

Os catalisadores do persistente apetite por ativos de risco ainda são as notícias de possíveis vacinas comerciais contra a covid-19 ainda este ano, os sinais de transição pacífica de governo nos EUA e a possibilidade de Janet Yellen vir a ser confirmada pelo presidente eleito Joe Biden para assumir o Tesouro americano.

A ex-presidente do Federal Reserve defende mais estímulos à economia em todas as frentes, o que deve elevar o déficit fiscal americano, de acordo com analistas financeiros.

Às 9h48, o dólar à vista caía 0,35%, a R$ 5,4141, enquanto o dólar futuro para dezembro recuava 0,50%, a R$ 5,4140.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;