Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 21 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Resultados de eficácia da Coronavac saem no início de dezembro, diz governo de SP



23/11/2020 | 14:00


O governo de São Paulo anunciou nesta segunda-feira, 23, que os testes clínicos da Coronavac, vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantã, entraram em sua fase final e atingiram o número mínimo de infecções entre os voluntários necessários para a análise de eficácia do produto. A avaliação já começou e deve ter seus resultados divulgados no início de dezembro.

"Esse número mínimo de 61 (infecções no grupo de voluntários) aconteceu na semana passada, nós autorizamos a abertura (do cegamento) desse estudo clinico (para saber quantas infecções ocorreram no grupo vacinado e no grupo placebo). Já estamos com 74 casos. A análise dos casos já se iniciou e, portanto, rapidamente, na primeira semana de dezembro, teremos o resultado dessas análises, que serão remetidas ao comitê internacional controlador do estudo, que deverá validar esses resultados e aí produzir o relatorio que será encaminhado à nossa Anvisa e ao órgão equivalente à Anvisa da China", explicou Dimas Covas, diretor do Butantã.

"A expectativa é que, no mês de janeiro próximo, a Anvisa tenha aprovado a Coronavac, e o Instituto Butantã terá a possibilidade de vacinar brasileiros. A celeridade no processo vai permitir que a vacina Coronavac seja a primeira vacina disponível para a nossa população", disse o secretário da Saúde, Jean Gorinchteyn.

A Coronavac já havia demonstrado, em outubro, segurança em estudos feitos com voluntários na China e em 6 mil participantes brasileiros.

Também nesta segunda, o laboratório britânico AstraZeneca e a Universidade de Oxford anunciaram que a vacina contra a covid-19 que estão desenvolvendo alcançou eficácia de 90% em um dos esquemas vacinais testados na pesquisa.

Na semana passada, a farmacêutica americana Pfizer e a empresa de biotecnologia alemã BioNTech anunciaram que a análise final de seu imunizante demonstrou eficácia de 95%. As empresas submeteram na sexta-feira à FDA, agência que regula medicamentos nos EUA, o pedido de autorização para uso emergencial do produto. O órgão marcou para 10 de dezembro a reunião que decidirá sobre o aval.

Também na última semana, a biofarmacêutica Moderna anunciou que a análise interina dos dados dos testes da sua vacina apontou eficácia de 94% na proteção contra a infecção pelo coronavírus.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Resultados de eficácia da Coronavac saem no início de dezembro, diz governo de SP


23/11/2020 | 14:00


O governo de São Paulo anunciou nesta segunda-feira, 23, que os testes clínicos da Coronavac, vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantã, entraram em sua fase final e atingiram o número mínimo de infecções entre os voluntários necessários para a análise de eficácia do produto. A avaliação já começou e deve ter seus resultados divulgados no início de dezembro.

"Esse número mínimo de 61 (infecções no grupo de voluntários) aconteceu na semana passada, nós autorizamos a abertura (do cegamento) desse estudo clinico (para saber quantas infecções ocorreram no grupo vacinado e no grupo placebo). Já estamos com 74 casos. A análise dos casos já se iniciou e, portanto, rapidamente, na primeira semana de dezembro, teremos o resultado dessas análises, que serão remetidas ao comitê internacional controlador do estudo, que deverá validar esses resultados e aí produzir o relatorio que será encaminhado à nossa Anvisa e ao órgão equivalente à Anvisa da China", explicou Dimas Covas, diretor do Butantã.

"A expectativa é que, no mês de janeiro próximo, a Anvisa tenha aprovado a Coronavac, e o Instituto Butantã terá a possibilidade de vacinar brasileiros. A celeridade no processo vai permitir que a vacina Coronavac seja a primeira vacina disponível para a nossa população", disse o secretário da Saúde, Jean Gorinchteyn.

A Coronavac já havia demonstrado, em outubro, segurança em estudos feitos com voluntários na China e em 6 mil participantes brasileiros.

Também nesta segunda, o laboratório britânico AstraZeneca e a Universidade de Oxford anunciaram que a vacina contra a covid-19 que estão desenvolvendo alcançou eficácia de 90% em um dos esquemas vacinais testados na pesquisa.

Na semana passada, a farmacêutica americana Pfizer e a empresa de biotecnologia alemã BioNTech anunciaram que a análise final de seu imunizante demonstrou eficácia de 95%. As empresas submeteram na sexta-feira à FDA, agência que regula medicamentos nos EUA, o pedido de autorização para uso emergencial do produto. O órgão marcou para 10 de dezembro a reunião que decidirá sobre o aval.

Também na última semana, a biofarmacêutica Moderna anunciou que a análise interina dos dados dos testes da sua vacina apontou eficácia de 94% na proteção contra a infecção pelo coronavírus.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;