Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 21 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Cineasta Jean Rouch morre em acidente


Da AFP

19/02/2004 | 21:18


O etnólogo e cineasta francês Jean Rouch morreu em um acidente de trânsito na noite desta quarta-feira, no norte de Níger. A morte foi divulgada nesta quinta-feira por um porta-voz da embaixada francesa nesse país. As circunstâncias exatas do acidente que tirou a vida de Jean Rouch, 86 anos, ainda são desconhecidas.

Jean Rouch, célebre por seus documentários sobre a África e de conceitos como “a câmera participante”, se encontrava em Níger para um evento cultural sobre o cinema regional.

Nascido em Paris, em 31 de maio de 1917, Rouch rodou cerca de 120 filmes, alguns dos quais são clássicos da antropologia visual, como Les Maitres Fous e Moi, un Noir.

Em 1960, realizou, com o sociólogo Edgar Morin, o filme Crônica de um Verão (Chronique d’ un Été), apoiado em novos recursos técnicos como câmera leve na mão e gravador de som direto, o que inaugurou um método de trabalho de documentário que ficou conhecido como cinema verdade. A obra de Jean Rouch tem fortes vínculos com o documentário brasileiro ligado ao Cinema Novo.

Formado em engenharia civil e doutor em literatura, foi diretor de pesquisas do Centro Nacional de Pesquisas Científicas da França e diretor da Cinemateca Francesa de 1987 a 1991.

Segundo os críticos, Rouch mudou a forma de filmar a África. “Para mim a única maneira de filmar é andar com a câmera, conduzi-la até onde ela é mais eficiente. A câmera se torna assim tão viva quanto as pessoas que ela filma”, costumava dizer.

Rouch abria mão de grandes equipes de filmagem. Seus filmes eram feitos com o pessoal imprescindível: um operador de câmera, que é ao mesmo tempo diretor e etnógrafo (ele mesmo); um engenheiro de som, que deve pertencer à etnia filmada, pois precisa compreender a linguagem local; e alguns assistentes.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cineasta Jean Rouch morre em acidente

Da AFP

19/02/2004 | 21:18


O etnólogo e cineasta francês Jean Rouch morreu em um acidente de trânsito na noite desta quarta-feira, no norte de Níger. A morte foi divulgada nesta quinta-feira por um porta-voz da embaixada francesa nesse país. As circunstâncias exatas do acidente que tirou a vida de Jean Rouch, 86 anos, ainda são desconhecidas.

Jean Rouch, célebre por seus documentários sobre a África e de conceitos como “a câmera participante”, se encontrava em Níger para um evento cultural sobre o cinema regional.

Nascido em Paris, em 31 de maio de 1917, Rouch rodou cerca de 120 filmes, alguns dos quais são clássicos da antropologia visual, como Les Maitres Fous e Moi, un Noir.

Em 1960, realizou, com o sociólogo Edgar Morin, o filme Crônica de um Verão (Chronique d’ un Été), apoiado em novos recursos técnicos como câmera leve na mão e gravador de som direto, o que inaugurou um método de trabalho de documentário que ficou conhecido como cinema verdade. A obra de Jean Rouch tem fortes vínculos com o documentário brasileiro ligado ao Cinema Novo.

Formado em engenharia civil e doutor em literatura, foi diretor de pesquisas do Centro Nacional de Pesquisas Científicas da França e diretor da Cinemateca Francesa de 1987 a 1991.

Segundo os críticos, Rouch mudou a forma de filmar a África. “Para mim a única maneira de filmar é andar com a câmera, conduzi-la até onde ela é mais eficiente. A câmera se torna assim tão viva quanto as pessoas que ela filma”, costumava dizer.

Rouch abria mão de grandes equipes de filmagem. Seus filmes eram feitos com o pessoal imprescindível: um operador de câmera, que é ao mesmo tempo diretor e etnógrafo (ele mesmo); um engenheiro de som, que deve pertencer à etnia filmada, pois precisa compreender a linguagem local; e alguns assistentes.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;