Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 3 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Famílias com renda de 1 a 3 salários foram mais impactadas por inflação, diz Banco Central

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Já as classes mais ricas, que têm despesas maiores com serviços, foram menos afetadas pela alta de preços nos últimos meses; boletim completo será publicado amanhã



12/11/2020 | 10:32


As famílias mais pobres que gastam a maior parte de seus orçamentos domésticos com alimentação foram as mais afetadas pela inflação em 2020, de acordo com o Banco Central. Já as classes mais ricas, que têm despesas maiores com serviços, foram menos afetadas pela alta de preços nos últimos meses. O BC antecipou para esta quinta-feira, 12, a publicação de três boxes do Boletim Regional. O documento completo será divulgado na sexta-feira, 13, pela autoridade monetária.

"A pandemia da Covid-19 tem influenciado a inflação e os preços relativos no Brasil desde março. Por um lado, distanciamento social, aumento do desemprego e retração da atividade deprimiram os preços de diversos serviços. Por outro, a depreciação cambial, os programas de transferência de renda e o aumento dos gastos com alimentação no domicílio pressionaram os preços dos alimentos", destacou o BC, em um boxe sobre a inflação por faixa de renda familiar em 2020.

De acordo com a autoridade monetária, a inflação deste ano tem tido relação inversa com o nível de renda, afetando sobretudo as famílias que recebem de 1 a 3 salários mínimos por mês. Ainda assim, o BC destaca que a inflação para esse segmento da população ainda é baixa, de 2,29% no acumulado do ano.

"Adicionalmente, a análise evidencia inflação de alimentos mais elevada no Norte e no Nordeste, inclusive para a faixa de renda mais baixa, o que sugere algum efeito do auxílio emergencial a pessoas em situação de vulnerabilidade, mais significativo nessas regiões, sobre a demanda desses produtos", completou documento.

Por outro lado, a inflação de serviços das classes mais ricas, sobretudo no Sul e Sudeste, tem sido menor devido ao maior peso de passagens aéreas, transportes por aplicativos e hospedagem no consumo dessas famílias. Como são segmentos ainda bastante afetados pelo distanciamento social, não têm tido aumentos nos preços praticados pelas empresas.

Para as famílias mais pobres, os itens que mais impactaram a inflação foram cereais, leguminosas e oleaginosas, leites e derivados e carnes. Já para as famílias mais ricas, a inflação ocorreu principalmente em automóvel novo, plano de saúde e alimentação fora do domicílio.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Famílias com renda de 1 a 3 salários foram mais impactadas por inflação, diz Banco Central

Já as classes mais ricas, que têm despesas maiores com serviços, foram menos afetadas pela alta de preços nos últimos meses; boletim completo será publicado amanhã


12/11/2020 | 10:32


As famílias mais pobres que gastam a maior parte de seus orçamentos domésticos com alimentação foram as mais afetadas pela inflação em 2020, de acordo com o Banco Central. Já as classes mais ricas, que têm despesas maiores com serviços, foram menos afetadas pela alta de preços nos últimos meses. O BC antecipou para esta quinta-feira, 12, a publicação de três boxes do Boletim Regional. O documento completo será divulgado na sexta-feira, 13, pela autoridade monetária.

"A pandemia da Covid-19 tem influenciado a inflação e os preços relativos no Brasil desde março. Por um lado, distanciamento social, aumento do desemprego e retração da atividade deprimiram os preços de diversos serviços. Por outro, a depreciação cambial, os programas de transferência de renda e o aumento dos gastos com alimentação no domicílio pressionaram os preços dos alimentos", destacou o BC, em um boxe sobre a inflação por faixa de renda familiar em 2020.

De acordo com a autoridade monetária, a inflação deste ano tem tido relação inversa com o nível de renda, afetando sobretudo as famílias que recebem de 1 a 3 salários mínimos por mês. Ainda assim, o BC destaca que a inflação para esse segmento da população ainda é baixa, de 2,29% no acumulado do ano.

"Adicionalmente, a análise evidencia inflação de alimentos mais elevada no Norte e no Nordeste, inclusive para a faixa de renda mais baixa, o que sugere algum efeito do auxílio emergencial a pessoas em situação de vulnerabilidade, mais significativo nessas regiões, sobre a demanda desses produtos", completou documento.

Por outro lado, a inflação de serviços das classes mais ricas, sobretudo no Sul e Sudeste, tem sido menor devido ao maior peso de passagens aéreas, transportes por aplicativos e hospedagem no consumo dessas famílias. Como são segmentos ainda bastante afetados pelo distanciamento social, não têm tido aumentos nos preços praticados pelas empresas.

Para as famílias mais pobres, os itens que mais impactaram a inflação foram cereais, leguminosas e oleaginosas, leites e derivados e carnes. Já para as famílias mais ricas, a inflação ocorreu principalmente em automóvel novo, plano de saúde e alimentação fora do domicílio.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;