Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

dmais@dgabc.com.br | 4435-8396

Punição nas redes sociais

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Pesquisa aponta que 72% dos jovens não ‘cancelam’ seguidores apesar das movimentações on-line


Do Diário do Grande ABC

02/11/2020 | 19:46


A cultura do cancelamento já deu as caras muitas vezes nos últimos meses atuando diretamente contra influencers e celebridades brasileiras – que pode ir de represália ao linchamento. A prática, considerada recente, consiste em campanhas on-line que ganham força nas redes sociais conforme usuários chamam atenção para atitudes e comentários que consideram errados e denunciam a pessoa responsável para que seja punida e responsabilizada de alguma forma.  Embora o cancelamento seja uma prática do universo on-line, muitos jovens da geração ‘Z’ não concordam com a movimentação, de acordo com pesquisa feita pelo Yubo.

A plataforma social de lives realizou pesquisa com cerca de 6.000 respondentes brasileiros, de 13 a 25 anos, no mês passado. Cerca de 72% dos usuários afirmaram que nunca cancelaram alguém apesar das muitas movimentações on-line. Parte da motivação está na falta de resultados do cancelamento: 49% não acreditam que as pessoas canceladas realmente revejam suas ações buscando mudanças.

Ao mesmo tempo, apesar de não concordarem com a cultura do cancelamento, 57% considerariam cancelar alguém que repetidamente teve atitudes erradas e preconceituosas. Cerca de 65% dos entrevistados acreditam que uma campanha e movimentação na internet são formas mais eficazes de responsabilizar alguém e exigir mudanças concretas.

ENTRE AMIGOS
A pesquisa também verificou que a cultura do cancelamento não intimida somente pessoas famosas nas redes sociais: 51% dos entrevistados dizem sentir medo de ser cancelado entre os amigos. Esse receio fez com que 25% deles não postassem fotos de alguma atividade em suas redes sociais por conta do risco de cancelamento. Ao mesmo tempo, 26% afirmaram que postaram fotos sabendo do ‘risco’ de que poderiam ser excluídos de seu grupo.

“A cultura do cancelamento tem crescido on-line e é algo que impacta diretamente a experiência dos jovens nas redes sociais. É importante entender os receios e oferecer espaços seguros em que seja possível uma socialização sem medo, mas que, ao mesmo tempo, exija responsabilização por parte daqueles que tenham comportamentos preconceituosos”, diz Sacha Lazimi, cofundador e CEO do aplicativo com sede na França.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Punição nas redes sociais

Pesquisa aponta que 72% dos jovens não ‘cancelam’ seguidores apesar das movimentações on-line

Do Diário do Grande ABC

02/11/2020 | 19:46


A cultura do cancelamento já deu as caras muitas vezes nos últimos meses atuando diretamente contra influencers e celebridades brasileiras – que pode ir de represália ao linchamento. A prática, considerada recente, consiste em campanhas on-line que ganham força nas redes sociais conforme usuários chamam atenção para atitudes e comentários que consideram errados e denunciam a pessoa responsável para que seja punida e responsabilizada de alguma forma.  Embora o cancelamento seja uma prática do universo on-line, muitos jovens da geração ‘Z’ não concordam com a movimentação, de acordo com pesquisa feita pelo Yubo.

A plataforma social de lives realizou pesquisa com cerca de 6.000 respondentes brasileiros, de 13 a 25 anos, no mês passado. Cerca de 72% dos usuários afirmaram que nunca cancelaram alguém apesar das muitas movimentações on-line. Parte da motivação está na falta de resultados do cancelamento: 49% não acreditam que as pessoas canceladas realmente revejam suas ações buscando mudanças.

Ao mesmo tempo, apesar de não concordarem com a cultura do cancelamento, 57% considerariam cancelar alguém que repetidamente teve atitudes erradas e preconceituosas. Cerca de 65% dos entrevistados acreditam que uma campanha e movimentação na internet são formas mais eficazes de responsabilizar alguém e exigir mudanças concretas.

ENTRE AMIGOS
A pesquisa também verificou que a cultura do cancelamento não intimida somente pessoas famosas nas redes sociais: 51% dos entrevistados dizem sentir medo de ser cancelado entre os amigos. Esse receio fez com que 25% deles não postassem fotos de alguma atividade em suas redes sociais por conta do risco de cancelamento. Ao mesmo tempo, 26% afirmaram que postaram fotos sabendo do ‘risco’ de que poderiam ser excluídos de seu grupo.

“A cultura do cancelamento tem crescido on-line e é algo que impacta diretamente a experiência dos jovens nas redes sociais. É importante entender os receios e oferecer espaços seguros em que seja possível uma socialização sem medo, mas que, ao mesmo tempo, exija responsabilização por parte daqueles que tenham comportamentos preconceituosos”, diz Sacha Lazimi, cofundador e CEO do aplicativo com sede na França.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;