Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 25 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Na Pensilvânia, Trump minimiza pandemia e diz que Biden só 'fala de covid'



31/10/2020 | 19:18


A três dias da eleição americana, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, realiza quatro comícios na Pensilvânia neste sábado, 31, Estado-pêndulo que venceu por margem de 1% em 2016 e pretende conquistar de novo. Nos discursos, Trump minimizou a pandemia de covid-19 e zombou da forma como o candidato Joe Biden trata a crise sanitária que já deixou 229 mil mortos no país.

"Eu assisti Joe Biden falar ontem. Ele só fala de covid, covid, não tem mais nada a dizer", afirmou o presidente em um pequeno comício em Newton, na Pensilvânia. "Fizemos um trabalho incrível. Em algum momento, eles (os democratas) vão reconhecer isso", continuou. "Fizemos um trabalho (nota) A+. Eu nos atribuo um D, ou talvez um F, em termos de relações públicas."

Trump disse também que a eleição pode não ser decidida na terça-feira, dia 3. "Você vai ter que ficar esperando por semanas", afirmou Trump, afirmando que "coisas muito ruins" podem acontecer enquanto Estados contam as urnas. "Acho que é muito provável que não haja uma decisão porque a Pensilvânia é muito grande. Vamos ter que ficar esperando. E teremos confusão no nosso país".

A campanha do republicano procurou evitar que a Pensilvânia e outros Estados estendam o tempo que têm permissão para contar as cédulas de correio, que têm sido usadas devido a preocupações com o voto pessoal durante a pandemia. Ao menos 90 milhões de americanos já votaram de maneira antecipada, o que representa 65% do total de eleitores de 2016.

Na sexta-feira, a Suprema Corte decidiu que os funcionários da Pensilvânia podem aceitar cédulas de ausentes por três dias após a terça-feira. "É uma coisa horrível que a Suprema Corte dos Estados Unidos fez ao nosso país", disse Trump.

Trump voltou a minimizar as preocupações com o vírus, mesmo com o país tendo mais de 90 mil novos casos na sexta-feira e afirmou, sem evidências, que uma vacina para "acabar com a pandemia de uma vez por todas" estará pronta em semanas.

O presidente americano também manifestou confiança em uma vitória ao dizer que uma grande onda vermelha está se formando. "Tão certo como estamos aqui juntos, é aquela onda vermelha se formando. Eles veem isso por todos os lados e não há nada que possam fazer a respeito", afirmou, destacando que essa eleição é uma "encruzilhada para a nação".

Há quatro anos, Trump venceu na Pensilvânia, que tem 20 delegados no Colégio Eleitoral, por menos de 45 mil votos. Ele pretende fortalecer sua imagem com eleitores brancos, da classe trabalhadora e da zona rural que o apoiaram contra Hillary Clinton em 2016. Além de Newton, ele fará eventos em Reading, Butler e Montoursville.

O presidente americano está atrás de Joe Biden nas principais pesquisas, principalmente por conta de críticas à maneira como o governo lidou com a pandemia que matou quase 229 mil pessoas nos Estados Unidos. Segundo pesquisas da Reuters/Ipsos, Biden tem vantagem de 5 pontos sobre Trump na Pensilvânia.

Em evento paralelo, primeira-dama ataca Joe Biden Em um evento paralelo em Wisconsin, a primeira-dama Melania Trump defendeu o tratamento da pandemia de coronavírus realizado pelo presidente e criticou a forma como Biden trata a crise de saúde.

A primeira-dama disse que as palavras de Biden sobre a crise, de que os EUA vão para "um inverno escuro" devido à pandemia, não são afirmações de um líder e falou que o democrata quer que as pessoas se escondam de medo em seus porões ao invés de "trabalhar bravamente" para encontrar soluções. (Com agências internacionais)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Na Pensilvânia, Trump minimiza pandemia e diz que Biden só 'fala de covid'


31/10/2020 | 19:18


A três dias da eleição americana, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, realiza quatro comícios na Pensilvânia neste sábado, 31, Estado-pêndulo que venceu por margem de 1% em 2016 e pretende conquistar de novo. Nos discursos, Trump minimizou a pandemia de covid-19 e zombou da forma como o candidato Joe Biden trata a crise sanitária que já deixou 229 mil mortos no país.

"Eu assisti Joe Biden falar ontem. Ele só fala de covid, covid, não tem mais nada a dizer", afirmou o presidente em um pequeno comício em Newton, na Pensilvânia. "Fizemos um trabalho incrível. Em algum momento, eles (os democratas) vão reconhecer isso", continuou. "Fizemos um trabalho (nota) A+. Eu nos atribuo um D, ou talvez um F, em termos de relações públicas."

Trump disse também que a eleição pode não ser decidida na terça-feira, dia 3. "Você vai ter que ficar esperando por semanas", afirmou Trump, afirmando que "coisas muito ruins" podem acontecer enquanto Estados contam as urnas. "Acho que é muito provável que não haja uma decisão porque a Pensilvânia é muito grande. Vamos ter que ficar esperando. E teremos confusão no nosso país".

A campanha do republicano procurou evitar que a Pensilvânia e outros Estados estendam o tempo que têm permissão para contar as cédulas de correio, que têm sido usadas devido a preocupações com o voto pessoal durante a pandemia. Ao menos 90 milhões de americanos já votaram de maneira antecipada, o que representa 65% do total de eleitores de 2016.

Na sexta-feira, a Suprema Corte decidiu que os funcionários da Pensilvânia podem aceitar cédulas de ausentes por três dias após a terça-feira. "É uma coisa horrível que a Suprema Corte dos Estados Unidos fez ao nosso país", disse Trump.

Trump voltou a minimizar as preocupações com o vírus, mesmo com o país tendo mais de 90 mil novos casos na sexta-feira e afirmou, sem evidências, que uma vacina para "acabar com a pandemia de uma vez por todas" estará pronta em semanas.

O presidente americano também manifestou confiança em uma vitória ao dizer que uma grande onda vermelha está se formando. "Tão certo como estamos aqui juntos, é aquela onda vermelha se formando. Eles veem isso por todos os lados e não há nada que possam fazer a respeito", afirmou, destacando que essa eleição é uma "encruzilhada para a nação".

Há quatro anos, Trump venceu na Pensilvânia, que tem 20 delegados no Colégio Eleitoral, por menos de 45 mil votos. Ele pretende fortalecer sua imagem com eleitores brancos, da classe trabalhadora e da zona rural que o apoiaram contra Hillary Clinton em 2016. Além de Newton, ele fará eventos em Reading, Butler e Montoursville.

O presidente americano está atrás de Joe Biden nas principais pesquisas, principalmente por conta de críticas à maneira como o governo lidou com a pandemia que matou quase 229 mil pessoas nos Estados Unidos. Segundo pesquisas da Reuters/Ipsos, Biden tem vantagem de 5 pontos sobre Trump na Pensilvânia.

Em evento paralelo, primeira-dama ataca Joe Biden Em um evento paralelo em Wisconsin, a primeira-dama Melania Trump defendeu o tratamento da pandemia de coronavírus realizado pelo presidente e criticou a forma como Biden trata a crise de saúde.

A primeira-dama disse que as palavras de Biden sobre a crise, de que os EUA vão para "um inverno escuro" devido à pandemia, não são afirmações de um líder e falou que o democrata quer que as pessoas se escondam de medo em seus porões ao invés de "trabalhar bravamente" para encontrar soluções. (Com agências internacionais)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;