Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 27 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Tucano e Boulos empatam entre os mais escolarizados



31/10/2020 | 12:00


Apesar de o prefeito Bruno Covas (PSDB) ter o dobro das intenções de voto do adversário Guilherme Boulos (PSOL) na mais recente pesquisa Ibope, os dois empatam entre o eleitorado mais escolarizado da capital paulista. Quase metade dos moradores com ensino superior completo pretende votar em um dos dois - 24% no tucano e 23% no candidato do PSOL, o que configura empate técnico.

Boulos, apesar de ter como foco de suas propostas as classes menos abastadas da população, ainda tem melhor desempenho entre os mais ricos e escolarizados. No levantamento total, incluindo todas as faixas de escolaridade, ele pontua 13%, ante 26% do atual prefeito - que, por sua vez, tem desempenho semelhante entre os diferentes níveis de ensino.

Entre os paulistanos que só completaram o ensino fundamental, a diferença entre os dois é gritante. Apesar de Boulos ter passado de 1% para 3% de um levantamento para outro, Covas tem dez vezes mais intenções de voto nesse segmento do que ele: 30%. Com esse porcentual, o prefeito lidera entre os menos escolarizados, em empate técnico com Celso Russomanno (Republicanos), que passou de 31% para 27% no segmento.

Boulos oscilou entre o eleitorado mais pobre, passando de 3% para 5%. Nessa parcela da população, o candidato do PSOL tem metade da taxa de intenção de votos do petista Jilmar Tatto. Na pesquisa total, ocorre o oposto: o candidato do PT registra menos da metade de Boulos.

Mais ricos

Apenas Covas está à frente do líder dos sem-teto quando o recorte é feito pelos mais ricos. Na faixa salarial dos que ganham mais de cinco salários mínimos, o tucano tem 28%, ante 22% de Boulos. Se São Paulo fosse só sua elite econômica, o segundo turno entre os dois seria quase inevitável, já que depois deles vem, com 13%, um distante Russomanno.

Márcio França (PSB), que também cresceu nas últimas duas semanas, é outro que deixa Boulos para trás entre os segmentos menos escolarizados e mais pobres. Há, no entanto, uma diferença em relação a Tatto. Enquanto o petista tem força apenas nessas faixas, França dispõe de um eleitorado que segue lógica parecida com a de Covas, apesar de números menores: as intenções de voto são pulverizadas pelos diferentes segmentos, sempre na casa dos 10%.

Conhecimento

Em entrevistas, incluindo a sabatina feita pelo Estadão, Boulos tem alegado que o motivo para sua dificuldade de conquistar o eleitorado mais pobre é o fato de ainda ser desconhecido. Sua rejeição é alta justamente nos segmentos em que também tem votos: os mais ricos e escolarizados.

Os que ganham mais de cinco salários somam 33% de rejeição ao candidato do PSOL, contra apenas 14% dos que recebem até um salário mínimo por mês. No caso dos escolarizados, tendência parecida: 27% dos mais estudados não votariam nele de jeito nenhum, ante 16% entre os que só concluíram o ensino fundamental. Ou seja, o candidato é mais rejeitado - e mais votado - nas faixas em que é conhecido.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Tucano e Boulos empatam entre os mais escolarizados


31/10/2020 | 12:00


Apesar de o prefeito Bruno Covas (PSDB) ter o dobro das intenções de voto do adversário Guilherme Boulos (PSOL) na mais recente pesquisa Ibope, os dois empatam entre o eleitorado mais escolarizado da capital paulista. Quase metade dos moradores com ensino superior completo pretende votar em um dos dois - 24% no tucano e 23% no candidato do PSOL, o que configura empate técnico.

Boulos, apesar de ter como foco de suas propostas as classes menos abastadas da população, ainda tem melhor desempenho entre os mais ricos e escolarizados. No levantamento total, incluindo todas as faixas de escolaridade, ele pontua 13%, ante 26% do atual prefeito - que, por sua vez, tem desempenho semelhante entre os diferentes níveis de ensino.

Entre os paulistanos que só completaram o ensino fundamental, a diferença entre os dois é gritante. Apesar de Boulos ter passado de 1% para 3% de um levantamento para outro, Covas tem dez vezes mais intenções de voto nesse segmento do que ele: 30%. Com esse porcentual, o prefeito lidera entre os menos escolarizados, em empate técnico com Celso Russomanno (Republicanos), que passou de 31% para 27% no segmento.

Boulos oscilou entre o eleitorado mais pobre, passando de 3% para 5%. Nessa parcela da população, o candidato do PSOL tem metade da taxa de intenção de votos do petista Jilmar Tatto. Na pesquisa total, ocorre o oposto: o candidato do PT registra menos da metade de Boulos.

Mais ricos

Apenas Covas está à frente do líder dos sem-teto quando o recorte é feito pelos mais ricos. Na faixa salarial dos que ganham mais de cinco salários mínimos, o tucano tem 28%, ante 22% de Boulos. Se São Paulo fosse só sua elite econômica, o segundo turno entre os dois seria quase inevitável, já que depois deles vem, com 13%, um distante Russomanno.

Márcio França (PSB), que também cresceu nas últimas duas semanas, é outro que deixa Boulos para trás entre os segmentos menos escolarizados e mais pobres. Há, no entanto, uma diferença em relação a Tatto. Enquanto o petista tem força apenas nessas faixas, França dispõe de um eleitorado que segue lógica parecida com a de Covas, apesar de números menores: as intenções de voto são pulverizadas pelos diferentes segmentos, sempre na casa dos 10%.

Conhecimento

Em entrevistas, incluindo a sabatina feita pelo Estadão, Boulos tem alegado que o motivo para sua dificuldade de conquistar o eleitorado mais pobre é o fato de ainda ser desconhecido. Sua rejeição é alta justamente nos segmentos em que também tem votos: os mais ricos e escolarizados.

Os que ganham mais de cinco salários somam 33% de rejeição ao candidato do PSOL, contra apenas 14% dos que recebem até um salário mínimo por mês. No caso dos escolarizados, tendência parecida: 27% dos mais estudados não votariam nele de jeito nenhum, ante 16% entre os que só concluíram o ensino fundamental. Ou seja, o candidato é mais rejeitado - e mais votado - nas faixas em que é conhecido.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;