Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Aos 45 anos, Anderson Silva encara jamaicano em despedida do UFC

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


31/10/2020 | 05:30


Anderson Silva promete fazer neste sábado a sua despedida do octógono - pelo menos do Ultimate Fighting Championship (UFC). O duelo desta noite, contra o jamaicano Uriah Hall, marca o seu retorno e também a sua última luta pela organização comandada pelo empresário americano Dana White. Aos 45 anos, o brasileiro é considerado ícone do esporte ao somar vitórias inesquecíveis e quebrar recordes na maior organização de MMA do mundo.

Anderson Silva é uma lenda. Entre os seus maiores feitos está o reinado mais longo de todos os campeões do UFC - ostentou o título da categoria peso-médio por quase sete anos, entre outubro de 2006 e julho 2013. Uriah Hall será, possivelmente, o último adversário do brasileiro, um dos maiores lutadores de todos os tempos - a dúvida foi criada pelo próprio Spider, que durante a semana caminhou em sentido contrário ao da aposentadoria ao dizer que ainda tem "muita lenha" para queimar. O UFC considera a luta como a sua despedida.

O lutador nasceu em São Paulo e foi levado para Curitiba aos 4 anos, quando passou a ser criado pela tia Edith. Naquela época, o futuro campeão era apaixonado por super-heróis. O preferido não é difícil de descobrir: Homem-Aranha, personagem que lhe renderia o apelido que carrega até hoje.

Edith foi responsável por ingressar Anderson no mundo do esporte. Aos 10 anos, ele começou no taekwondo. Aos 18, se tornou faixa preta da modalidade. O seu interesse por lutas marciais cresceu ao longo dos anos, quando ele também se dedicou a treinar jiu-jítsu e muay thai, estilos que o ajudariam no UFC.

Anderson iniciou a vida profissional dentro do MMA aos 22 anos. A estreia do brasileiro pelo UFC aconteceu em junho de 2006, quando enfrentou o americano Chris Leben, até então invicto na organização. Anderson não tomou conhecimento do seu adversário e garantiu a vitória por nocaute com apenas 49 segundos de combate.

Durante os anos em que manteve o cinturão, fez lutas memoráveis, como as contra o falastrão Chael Sonnen. Em 2010, eles se enfrentaram pela primeira vez no UFC 117. Naquele confronto, Spider fez o combate mais dramático da sua carreira ao encarar o "falastrão" que ganhou as manchetes antes mesmo de entrar no octógono. Anderson superou uma costela quebrada (revelação que ele fez após a luta) e sofreu durante os cinco rounds, até surpreendentemente finalizar Sonnen faltando poucos minutos para o fim da luta.

Anderson ainda sofreu duas punições por doping, teve uma vida fora do octógono, com direito até a participações como ator em filmes. Antes de sua última luta, falou que se sente bem fisicamente. "Eu sinto que posso lutar por mais tempo. Da forma que a gente vem trabalhando, reagindo aos treinos e preparação física, acredito que ainda tenha bastante lenha para queimar", despista

Ao falar sobre sua carreira, Anderson Silva ressaltou suas qualidades também fora do mundo das lutas. "Legado não é o que você deixa para as pessoas, é o que você deixa nas pessoas. Eu deixei amor, carinho e persistência, então isso é o que fica para quem acompanha a minha carreira."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Aos 45 anos, Anderson Silva encara jamaicano em despedida do UFC


31/10/2020 | 05:30


Anderson Silva promete fazer neste sábado a sua despedida do octógono - pelo menos do Ultimate Fighting Championship (UFC). O duelo desta noite, contra o jamaicano Uriah Hall, marca o seu retorno e também a sua última luta pela organização comandada pelo empresário americano Dana White. Aos 45 anos, o brasileiro é considerado ícone do esporte ao somar vitórias inesquecíveis e quebrar recordes na maior organização de MMA do mundo.

Anderson Silva é uma lenda. Entre os seus maiores feitos está o reinado mais longo de todos os campeões do UFC - ostentou o título da categoria peso-médio por quase sete anos, entre outubro de 2006 e julho 2013. Uriah Hall será, possivelmente, o último adversário do brasileiro, um dos maiores lutadores de todos os tempos - a dúvida foi criada pelo próprio Spider, que durante a semana caminhou em sentido contrário ao da aposentadoria ao dizer que ainda tem "muita lenha" para queimar. O UFC considera a luta como a sua despedida.

O lutador nasceu em São Paulo e foi levado para Curitiba aos 4 anos, quando passou a ser criado pela tia Edith. Naquela época, o futuro campeão era apaixonado por super-heróis. O preferido não é difícil de descobrir: Homem-Aranha, personagem que lhe renderia o apelido que carrega até hoje.

Edith foi responsável por ingressar Anderson no mundo do esporte. Aos 10 anos, ele começou no taekwondo. Aos 18, se tornou faixa preta da modalidade. O seu interesse por lutas marciais cresceu ao longo dos anos, quando ele também se dedicou a treinar jiu-jítsu e muay thai, estilos que o ajudariam no UFC.

Anderson iniciou a vida profissional dentro do MMA aos 22 anos. A estreia do brasileiro pelo UFC aconteceu em junho de 2006, quando enfrentou o americano Chris Leben, até então invicto na organização. Anderson não tomou conhecimento do seu adversário e garantiu a vitória por nocaute com apenas 49 segundos de combate.

Durante os anos em que manteve o cinturão, fez lutas memoráveis, como as contra o falastrão Chael Sonnen. Em 2010, eles se enfrentaram pela primeira vez no UFC 117. Naquele confronto, Spider fez o combate mais dramático da sua carreira ao encarar o "falastrão" que ganhou as manchetes antes mesmo de entrar no octógono. Anderson superou uma costela quebrada (revelação que ele fez após a luta) e sofreu durante os cinco rounds, até surpreendentemente finalizar Sonnen faltando poucos minutos para o fim da luta.

Anderson ainda sofreu duas punições por doping, teve uma vida fora do octógono, com direito até a participações como ator em filmes. Antes de sua última luta, falou que se sente bem fisicamente. "Eu sinto que posso lutar por mais tempo. Da forma que a gente vem trabalhando, reagindo aos treinos e preparação física, acredito que ainda tenha bastante lenha para queimar", despista

Ao falar sobre sua carreira, Anderson Silva ressaltou suas qualidades também fora do mundo das lutas. "Legado não é o que você deixa para as pessoas, é o que você deixa nas pessoas. Eu deixei amor, carinho e persistência, então isso é o que fica para quem acompanha a minha carreira."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;