Fechar
Publicidade

Domingo, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Argentina e Equador precisam de reformas estruturais, alerta FMI



30/10/2020 | 14:51


Argentina e Equador precisam de reformas estruturais, e podem precisar de mais apoio, afirmou nesta sexta-feira a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva. Em discussão sobre o financiamento da recuperação do impacto da covid-19, a diretora citou os dois países em um grupo de emergentes com altas dívidas e economia pouco diversificada, com grande dependência de algumas commodities. "Não basta empurrar" os problemas que levaram às atuais crises, afirmou.

Ainda assim, Georgieva fez previsões otimistas, e indicou que espera "um futuro melhor para os países emergentes".

Na perspectiva do FMI, o PIB global terá crescimento de 5,2% em 2021. A dirigente espera uma vacina contra a covid-19 para disponível em meados do ano que vem, e a erradicação dos efeitos da pandemia na economia em 2022.

Uma grande questão colocada por Georgieva foi a situação de países de menor renda. "Não queremos uma nuvem de desconfiança para todos", disse ela, afirmando que o ideal é observar cada nação individualmente, já que algumas fizeram "o dever de casa", não podendo todos serem tratados da mesma forma. Sobre o continente africano, projetou crescimento de 3% em 2021, abaixo do global, o que representa um problema para diversos países que vinham apresentando dinamismo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Argentina e Equador precisam de reformas estruturais, alerta FMI


30/10/2020 | 14:51


Argentina e Equador precisam de reformas estruturais, e podem precisar de mais apoio, afirmou nesta sexta-feira a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva. Em discussão sobre o financiamento da recuperação do impacto da covid-19, a diretora citou os dois países em um grupo de emergentes com altas dívidas e economia pouco diversificada, com grande dependência de algumas commodities. "Não basta empurrar" os problemas que levaram às atuais crises, afirmou.

Ainda assim, Georgieva fez previsões otimistas, e indicou que espera "um futuro melhor para os países emergentes".

Na perspectiva do FMI, o PIB global terá crescimento de 5,2% em 2021. A dirigente espera uma vacina contra a covid-19 para disponível em meados do ano que vem, e a erradicação dos efeitos da pandemia na economia em 2022.

Uma grande questão colocada por Georgieva foi a situação de países de menor renda. "Não queremos uma nuvem de desconfiança para todos", disse ela, afirmando que o ideal é observar cada nação individualmente, já que algumas fizeram "o dever de casa", não podendo todos serem tratados da mesma forma. Sobre o continente africano, projetou crescimento de 3% em 2021, abaixo do global, o que representa um problema para diversos países que vinham apresentando dinamismo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;