Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 25 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Objetivo do decreto não era privatizar o sistema ou atacar o SUS, diz Guedes



29/10/2020 | 13:21


Após a polêmica gerada em torno do decreto sobre parcerias privadas na saúde pública, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira, 29, que seria um "contrassenso" falar em privatização do Sistema Único de Saúde (SUS). "O objetivo do decreto não era privatizar o sistema ou atacar o SUS", afirmou Guedes em audiência na comissão mista do Congresso que fiscaliza a atuação do Poder Executivo no combate ao coronavírus. "Quem é maluco de acabar com o acesso universal no SUS? A luta é para aumentar o acesso", continuou.

Publicado na terça-feira, 27, o decreto autorizava o governo a apoiar prefeituras, por exemplo, que buscassem parcerias privadas para operar Unidades Básicas de Saúde (UBS), por meio do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) do Ministério da Economia. O modelo de PPPs em saúde básica já existe em algumas cidades do Brasil, como Belo Horizonte.

Um dia após ter editado o decreto, o presidente da República, Jair Bolsonaro, recuou depois da forte repercussão causada pelo texto.

Nesta quinta, Guedes comentou que existem mais de 4 mil unidades básicas de saúde que iniciaram construção e não conseguiram terminar por falta de recursos no meio de uma pandemia. Um dos objetivos das parcerias com a iniciativa privada na saúde era atacar esse problema, segundo o governo. "

Se fosse privatização do SUS teria que ir para Congresso e STF opinaria. Privado terminaria obras e equipamentos, e governo daria voucher saúde. Foi um susto pra mim ontem, com decreto cedo e a suspensão pelo presidente. Jamais esteve sob análise privatizar o SUS, seria uma insanidade", afirmou o ministro.

Segundo ele, o debate era para encontrar uma forma de o capital privado auxiliar na política de saúde brasileira. "Foi uma medida do PPI, criada por funcionária pública de carreira", disse Guedes, fazendo referência a secretária especial do PPI, Martha Seillier. "Martha do PPI é funcionária pública de carreira. Não tem guerra ideológica", disse.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Objetivo do decreto não era privatizar o sistema ou atacar o SUS, diz Guedes


29/10/2020 | 13:21


Após a polêmica gerada em torno do decreto sobre parcerias privadas na saúde pública, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira, 29, que seria um "contrassenso" falar em privatização do Sistema Único de Saúde (SUS). "O objetivo do decreto não era privatizar o sistema ou atacar o SUS", afirmou Guedes em audiência na comissão mista do Congresso que fiscaliza a atuação do Poder Executivo no combate ao coronavírus. "Quem é maluco de acabar com o acesso universal no SUS? A luta é para aumentar o acesso", continuou.

Publicado na terça-feira, 27, o decreto autorizava o governo a apoiar prefeituras, por exemplo, que buscassem parcerias privadas para operar Unidades Básicas de Saúde (UBS), por meio do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) do Ministério da Economia. O modelo de PPPs em saúde básica já existe em algumas cidades do Brasil, como Belo Horizonte.

Um dia após ter editado o decreto, o presidente da República, Jair Bolsonaro, recuou depois da forte repercussão causada pelo texto.

Nesta quinta, Guedes comentou que existem mais de 4 mil unidades básicas de saúde que iniciaram construção e não conseguiram terminar por falta de recursos no meio de uma pandemia. Um dos objetivos das parcerias com a iniciativa privada na saúde era atacar esse problema, segundo o governo. "

Se fosse privatização do SUS teria que ir para Congresso e STF opinaria. Privado terminaria obras e equipamentos, e governo daria voucher saúde. Foi um susto pra mim ontem, com decreto cedo e a suspensão pelo presidente. Jamais esteve sob análise privatizar o SUS, seria uma insanidade", afirmou o ministro.

Segundo ele, o debate era para encontrar uma forma de o capital privado auxiliar na política de saúde brasileira. "Foi uma medida do PPI, criada por funcionária pública de carreira", disse Guedes, fazendo referência a secretária especial do PPI, Martha Seillier. "Martha do PPI é funcionária pública de carreira. Não tem guerra ideológica", disse.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;