Fechar
Publicidade

Sábado, 28 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Em Manaus, pacientes com sequelas da covid-19 lotam UTI de hospital

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


29/10/2020 | 12:00


Referência no tratamento contra a covid-19 em Manaus, o Hospital Delphina Aziz tinha 96% de ocupação dos leitos de UTI na segunda-feira (26). Das 90 vagas, aproximadamente 60% estão ocupadas por pacientes que não têm mais a doença, mas continuam em recuperação das sequelas deixadas pela doença, como dificuldades de respirar e problemas renais. No Amazonas, houve restrição à circulação de acompanhantes e visitantes em hospitais e unidades de saúde para evitar o avanço da transmissão.

"É um paciente que teve seu quadro de diabete agravado, é um paciente que teve a questão renal comprometida... Tem paciente que está há mais de quatro meses lá no Hospital Delphina Aziz, e precisa de um leito de UTI", disse o governador Wilson Lima (PSC) esta semana. O Amazonas foi um dos Estados mais atingidos pela pandemia, com quase 4.480 mortes.

Conforme a Secretaria da Saúde, a reabilitação é feita com acompanhamento de equipe multidisciplinar, de Enfermagem, Fonoaudiologia, Nutrição e Psicologia. O fluxo de acesso ao ambulatório ocorre com entradas de pacientes que estavam internados no próprio hospital e vindos de outras unidades. Nos hospitais de referência para a covid do Estado, visitas foram suspensas. O mesmo vale para unidades em que não há separação do fluxo para outros doentes e acompanhantes.

O coordenador de fisioterapia do Delphina Aziz, Érick Paiva, explica que o perfil que precisa desse atendimento é um paciente que ficou enfraquecido, em decorrência da doença e do longo período de internação. A faixa etária mais comum é entre 45 e 60 anos. "São pacientes que, por causa da covid-19, tiveram internação prolongada, e em decorrência disso tiveram um declínio funcional muito grande, perderam capacidade de independência. Então, nossa proposta é reabilitá-los em cima dessas funcionalidades."

Ele explica, ainda, que a maioria dos pacientes até consegue se manter respirando normalmente, em repouso. Quando é exigida demanda metabólica um pouco maior, como caminhar, escovar o dente em pé e tomar banho, os pacientes começam a apresentar desconforto, cansaço, tendo de interromper a atividade para recuperar o fôlego - e é em cima desses pontos que o profissional atua.

Aos 69 anos, a funcionária pública afastada Terezinha Roberta Matias lida diariamente com o tratamento de uma fibrose pulmonar. O filho Celio Matias, de 36, preferiu evitar a internação hospitalar da mãe e optou pelo tratamento em casa. "Pagamos um aparelho chamado concentrador de oxigênio para ela. Tem dias que dá crise de falta de ar. Às vezes, o paladar ainda tem falhas, mas também tem dias que ela está bem", disse ele.

Para o infectologista Bernardino Albuquerque, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), o aumento de casos de sequelas da covid - cardíacas, pulmonares e renais, entre outras - é motivo de alerta. É importante, defende o médico, uma estratégia de "criar locais onde se possa acompanhar esses pacientes, não somente de forma hospitalar, mas ambulatorial, para que se tenha um êxito maior".

Internações

Conforme o governo, na terça-feira, 77% dos leitos de UTI e 70% dos leitos clínicos estavam ocupados. O Estado evita considerar uma segunda onda de infecções no Amazonas, como na Europa, mas prorrogou o fechamento de bares e balneários por mais 30 dias.

Henrique Pereira, especialista da Ufam, diz que houve uma "explosão" de internações em Manaus nas duas últimas semanas. "O número de internações diárias em Manaus, em outubro, apresenta valores duas a três vezes maiores do que em julho, agosto e setembro." Segundo ele, média móvel de sete dias ficava próxima a 15, até o mês passado, mas agora está em torno de 30. Ele diz que não houve aumento na mesma proporção de óbitos, mas isso é esperado em duas semanas.

Para Albuquerque, apesar da alta, não é segunda onda. Mas, diante da flexibilização do isolamento, ele sugere cautela. "Temos de nos preparar para que o segundo momento não aconteça como o primeiro." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Em Manaus, pacientes com sequelas da covid-19 lotam UTI de hospital


29/10/2020 | 12:00


Referência no tratamento contra a covid-19 em Manaus, o Hospital Delphina Aziz tinha 96% de ocupação dos leitos de UTI na segunda-feira (26). Das 90 vagas, aproximadamente 60% estão ocupadas por pacientes que não têm mais a doença, mas continuam em recuperação das sequelas deixadas pela doença, como dificuldades de respirar e problemas renais. No Amazonas, houve restrição à circulação de acompanhantes e visitantes em hospitais e unidades de saúde para evitar o avanço da transmissão.

"É um paciente que teve seu quadro de diabete agravado, é um paciente que teve a questão renal comprometida... Tem paciente que está há mais de quatro meses lá no Hospital Delphina Aziz, e precisa de um leito de UTI", disse o governador Wilson Lima (PSC) esta semana. O Amazonas foi um dos Estados mais atingidos pela pandemia, com quase 4.480 mortes.

Conforme a Secretaria da Saúde, a reabilitação é feita com acompanhamento de equipe multidisciplinar, de Enfermagem, Fonoaudiologia, Nutrição e Psicologia. O fluxo de acesso ao ambulatório ocorre com entradas de pacientes que estavam internados no próprio hospital e vindos de outras unidades. Nos hospitais de referência para a covid do Estado, visitas foram suspensas. O mesmo vale para unidades em que não há separação do fluxo para outros doentes e acompanhantes.

O coordenador de fisioterapia do Delphina Aziz, Érick Paiva, explica que o perfil que precisa desse atendimento é um paciente que ficou enfraquecido, em decorrência da doença e do longo período de internação. A faixa etária mais comum é entre 45 e 60 anos. "São pacientes que, por causa da covid-19, tiveram internação prolongada, e em decorrência disso tiveram um declínio funcional muito grande, perderam capacidade de independência. Então, nossa proposta é reabilitá-los em cima dessas funcionalidades."

Ele explica, ainda, que a maioria dos pacientes até consegue se manter respirando normalmente, em repouso. Quando é exigida demanda metabólica um pouco maior, como caminhar, escovar o dente em pé e tomar banho, os pacientes começam a apresentar desconforto, cansaço, tendo de interromper a atividade para recuperar o fôlego - e é em cima desses pontos que o profissional atua.

Aos 69 anos, a funcionária pública afastada Terezinha Roberta Matias lida diariamente com o tratamento de uma fibrose pulmonar. O filho Celio Matias, de 36, preferiu evitar a internação hospitalar da mãe e optou pelo tratamento em casa. "Pagamos um aparelho chamado concentrador de oxigênio para ela. Tem dias que dá crise de falta de ar. Às vezes, o paladar ainda tem falhas, mas também tem dias que ela está bem", disse ele.

Para o infectologista Bernardino Albuquerque, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), o aumento de casos de sequelas da covid - cardíacas, pulmonares e renais, entre outras - é motivo de alerta. É importante, defende o médico, uma estratégia de "criar locais onde se possa acompanhar esses pacientes, não somente de forma hospitalar, mas ambulatorial, para que se tenha um êxito maior".

Internações

Conforme o governo, na terça-feira, 77% dos leitos de UTI e 70% dos leitos clínicos estavam ocupados. O Estado evita considerar uma segunda onda de infecções no Amazonas, como na Europa, mas prorrogou o fechamento de bares e balneários por mais 30 dias.

Henrique Pereira, especialista da Ufam, diz que houve uma "explosão" de internações em Manaus nas duas últimas semanas. "O número de internações diárias em Manaus, em outubro, apresenta valores duas a três vezes maiores do que em julho, agosto e setembro." Segundo ele, média móvel de sete dias ficava próxima a 15, até o mês passado, mas agora está em torno de 30. Ele diz que não houve aumento na mesma proporção de óbitos, mas isso é esperado em duas semanas.

Para Albuquerque, apesar da alta, não é segunda onda. Mas, diante da flexibilização do isolamento, ele sugere cautela. "Temos de nos preparar para que o segundo momento não aconteça como o primeiro." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;