Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Longas exibidos na 44ª Mostra espelham a distopia da atualidade



28/10/2020 | 07:04


Com quase 200 filmes que refletem a diversidade do cinema brasileiro e mundial, a 44ª Mostra Internacional de Cinema também consegue espelhar o estado do mundo. Ai Wei-wei, em seu documentário Coronation, traz as imagens de Wuhan, onde se iniciou a pandemia. Quase um ano depois que tudo começou, ele se indaga sobre a origem do horror. Um filho, consumido pela culpa, lamenta que tenha enviado o pai de volta à cidade de arquitetura futurista - para a morte dele. Nessa mostra remota, entre um filme e outro para se ver em casa, o noticiário de TV está longe de ser tranquilizador. A Europa voltou a ser o centro da pandemia e há nesse momento uma segunda onda devastadora.

Esse cenário de hecatombe - de distopia - tem eco nas narrativas de um punhado de filmes que colocam outro tipo de problema, ou de crise. Filmes como Aranha, do chileno Andrés Wood, Feels Good Man, de Arthur Jones, e Soros, de Jesse Dylan, ambos norte-americanos. Em 30 anos, e desde a derrocada da União Soviética, o mundo tem vivido um processo de direitização. Cada um defende a "sua" democracia. Os filmes citados viajam no tempo para tentar compreender esse movimento.

Andrés Wood volta ao Chile de Salvador Allende para mostrar um movimento ultracionalista e paramilitar chileno, Patria y Libertad, que luta para desestabilizar o governo de esquerda. Aranha como título do filme refere-se ao símbolo meio nazista que utilizam.

Começa na atualidade: uma mulher tem a bolsa roubada e um homem persegue o ladrão de carro. Imprensa-o contra uma parede. Ganha apoio em certa mídia - mais um justiceiro, um miliciano para defender as pessoas de bem. A história real é diferente. Esse homem integrou o grupo de direita. Era apaixonado por uma militante socialite. Foi traído por rela. A velha Inés - Mercedes Morán - tem toda a arrogância da direita triunfante. Pergunta ao filho: "Você já pensou o que seria de seus filhos, meus netos, se os marxistas tivessem triunfado em 1973?"

Soros, de Jesse Dylan, é sobre o bilionário de origem húngara, George Soros, um dos homens mais ricos do mundo - o mais? Odiado pela direita, ele é acusado de financiar movimentos por direitos humanos (de esquerda) em todo o mundo, e de ser financiador do Partido Democrata, dos EUA, tudo isso enquanto sua fortuna aumenta cada vez mais. Quem é esse homem, como se tornou bilionário no mercado de valores? Uma rápida pesquisa na internet mostra que Soros talvez seja o inimigo mundial número um dos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro. De Donald Trump, nem se fala. Soros foi muito ativo na condenação do apartheid na África do Sul - Nelson Mandela é personagem importante no filme -, mas boa parte da crítica diz que o diretor toma atalhos demais e termina por afastar-se do tema central, que é Soros.

Talvez não seja bem isso. Dylan é, obviamente, fascinado por seu personagem. Não quer nem de longe desacreditá-lo. Tenta decifrar o enigma - por que tanta gente chama Soros de maligno, como se fosse o próprio Diabo, e diz que ele, com todo seu filantropismo, é uma força antidemocrática? Nos debates do Festival de Telluride, Jesse Dylan não deixou por menos e definiu Soros como super-herói. Seria ele o criador, no mundo real, de uma Liga da Justiça? Também documentário, Feels Good Man está centrado no artista gráfico Matt Furie. Logo na abertura, ele desenha sua mais famosa criação. Um olho, uma boca imensa. Ops! Um sapo, Pepe.

Como Pepe the Frog virou meme de ódio na internet? Os supremacistas brancos o adoram. Arthur Jones filma Furie tentando resgatar Pepe dessa área sombria. Animação, live action. Feels Good Man foi premiado em Sundance, no começo do ano. Os três filmes citados têm em comum um importante fenômeno contemporâneo. O discurso de ódio, e por que tem tanta ressonância nas pessoas? A mostra sedia essa reflexão importante.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Longas exibidos na 44ª Mostra espelham a distopia da atualidade


28/10/2020 | 07:04


Com quase 200 filmes que refletem a diversidade do cinema brasileiro e mundial, a 44ª Mostra Internacional de Cinema também consegue espelhar o estado do mundo. Ai Wei-wei, em seu documentário Coronation, traz as imagens de Wuhan, onde se iniciou a pandemia. Quase um ano depois que tudo começou, ele se indaga sobre a origem do horror. Um filho, consumido pela culpa, lamenta que tenha enviado o pai de volta à cidade de arquitetura futurista - para a morte dele. Nessa mostra remota, entre um filme e outro para se ver em casa, o noticiário de TV está longe de ser tranquilizador. A Europa voltou a ser o centro da pandemia e há nesse momento uma segunda onda devastadora.

Esse cenário de hecatombe - de distopia - tem eco nas narrativas de um punhado de filmes que colocam outro tipo de problema, ou de crise. Filmes como Aranha, do chileno Andrés Wood, Feels Good Man, de Arthur Jones, e Soros, de Jesse Dylan, ambos norte-americanos. Em 30 anos, e desde a derrocada da União Soviética, o mundo tem vivido um processo de direitização. Cada um defende a "sua" democracia. Os filmes citados viajam no tempo para tentar compreender esse movimento.

Andrés Wood volta ao Chile de Salvador Allende para mostrar um movimento ultracionalista e paramilitar chileno, Patria y Libertad, que luta para desestabilizar o governo de esquerda. Aranha como título do filme refere-se ao símbolo meio nazista que utilizam.

Começa na atualidade: uma mulher tem a bolsa roubada e um homem persegue o ladrão de carro. Imprensa-o contra uma parede. Ganha apoio em certa mídia - mais um justiceiro, um miliciano para defender as pessoas de bem. A história real é diferente. Esse homem integrou o grupo de direita. Era apaixonado por uma militante socialite. Foi traído por rela. A velha Inés - Mercedes Morán - tem toda a arrogância da direita triunfante. Pergunta ao filho: "Você já pensou o que seria de seus filhos, meus netos, se os marxistas tivessem triunfado em 1973?"

Soros, de Jesse Dylan, é sobre o bilionário de origem húngara, George Soros, um dos homens mais ricos do mundo - o mais? Odiado pela direita, ele é acusado de financiar movimentos por direitos humanos (de esquerda) em todo o mundo, e de ser financiador do Partido Democrata, dos EUA, tudo isso enquanto sua fortuna aumenta cada vez mais. Quem é esse homem, como se tornou bilionário no mercado de valores? Uma rápida pesquisa na internet mostra que Soros talvez seja o inimigo mundial número um dos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro. De Donald Trump, nem se fala. Soros foi muito ativo na condenação do apartheid na África do Sul - Nelson Mandela é personagem importante no filme -, mas boa parte da crítica diz que o diretor toma atalhos demais e termina por afastar-se do tema central, que é Soros.

Talvez não seja bem isso. Dylan é, obviamente, fascinado por seu personagem. Não quer nem de longe desacreditá-lo. Tenta decifrar o enigma - por que tanta gente chama Soros de maligno, como se fosse o próprio Diabo, e diz que ele, com todo seu filantropismo, é uma força antidemocrática? Nos debates do Festival de Telluride, Jesse Dylan não deixou por menos e definiu Soros como super-herói. Seria ele o criador, no mundo real, de uma Liga da Justiça? Também documentário, Feels Good Man está centrado no artista gráfico Matt Furie. Logo na abertura, ele desenha sua mais famosa criação. Um olho, uma boca imensa. Ops! Um sapo, Pepe.

Como Pepe the Frog virou meme de ódio na internet? Os supremacistas brancos o adoram. Arthur Jones filma Furie tentando resgatar Pepe dessa área sombria. Animação, live action. Feels Good Man foi premiado em Sundance, no começo do ano. Os três filmes citados têm em comum um importante fenômeno contemporâneo. O discurso de ódio, e por que tem tanta ressonância nas pessoas? A mostra sedia essa reflexão importante.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;