Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 25 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas de NY fecham sem direção única com balanços, dados econômicos e covid-19



27/10/2020 | 17:16


As bolsas de Nova York fecharam sem direção única nesta terça-feira, 27, enquanto investidores digeriram indicadores econômicos e balanços corporativos. O persistente avanço do coronavírus impediu os negócios de se firmarem no azul, mas o bom desempenho do setor de tecnologia ajudou o Nasdaq a terminar com ganhos.

O índice Dow Jones encerrou em baixa de 0,80%, a 27.463,19 pontos. O S&P 500 cedeu 0,30%, a 3.390,68 pontos. O Nasdaq subiu 0,64%, a 11.431,35 pontos.

A ação da Microsoft se elevou 1,51%, à espera do balanço da gigante do Vale do Silício, que sairia depois do fechamento dos mercados. Os papeis de Caterpillar (-3,27%), 3M (-3,13%) e Pfizer (-1,24%) apareceram como destaques negativos, em reação a resultados trimestrais decepcionantes.

Pela manhã, o Departamento do Comércio dos EUA informou que as encomendas de bens duráveis no país aumentaram 1,9% de agosto para setembro, a US$ 237,1 bilhões, bem acima da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, de alta de 0,4%.

Por outro lado, o índice de confiança do consumidor americano caiu de 101,3 em setembro a 100,9 em outubro, segundo o Conference Board. O resultado contrariou o consenso do mercado, de alta a 102,0.

A desaceleração da recuperação acontece em um momento em que o número de casos de covid-19 volta a subir. O país chegou a marca de 8,7 milhões de diagnósticos, quase 1/5 de todas das 43,7 milhões de infecções em todo o planeta.

Esse quadro prejudicou o humor nos mercados, influenciados ainda pela falta de um acordo por estímulos fiscais nos EUA. Após confirmar a nomeação da juíza Amy Coney Barrett à Suprema Corte, sob oposição firme de democratas, o Senado americano entrou em recesso até depois da eleição de 3 de novembro.

A paralisação praticamente inviabiliza as perspectivas para a aprovação de uma nova legislação de alívio econômico antes do pleito. Para o BBH, as negociações acabaram de vez. "Os dois lados estão muito distantes em vários assuntos para resolver rapidamente", avalia.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsas de NY fecham sem direção única com balanços, dados econômicos e covid-19


27/10/2020 | 17:16


As bolsas de Nova York fecharam sem direção única nesta terça-feira, 27, enquanto investidores digeriram indicadores econômicos e balanços corporativos. O persistente avanço do coronavírus impediu os negócios de se firmarem no azul, mas o bom desempenho do setor de tecnologia ajudou o Nasdaq a terminar com ganhos.

O índice Dow Jones encerrou em baixa de 0,80%, a 27.463,19 pontos. O S&P 500 cedeu 0,30%, a 3.390,68 pontos. O Nasdaq subiu 0,64%, a 11.431,35 pontos.

A ação da Microsoft se elevou 1,51%, à espera do balanço da gigante do Vale do Silício, que sairia depois do fechamento dos mercados. Os papeis de Caterpillar (-3,27%), 3M (-3,13%) e Pfizer (-1,24%) apareceram como destaques negativos, em reação a resultados trimestrais decepcionantes.

Pela manhã, o Departamento do Comércio dos EUA informou que as encomendas de bens duráveis no país aumentaram 1,9% de agosto para setembro, a US$ 237,1 bilhões, bem acima da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, de alta de 0,4%.

Por outro lado, o índice de confiança do consumidor americano caiu de 101,3 em setembro a 100,9 em outubro, segundo o Conference Board. O resultado contrariou o consenso do mercado, de alta a 102,0.

A desaceleração da recuperação acontece em um momento em que o número de casos de covid-19 volta a subir. O país chegou a marca de 8,7 milhões de diagnósticos, quase 1/5 de todas das 43,7 milhões de infecções em todo o planeta.

Esse quadro prejudicou o humor nos mercados, influenciados ainda pela falta de um acordo por estímulos fiscais nos EUA. Após confirmar a nomeação da juíza Amy Coney Barrett à Suprema Corte, sob oposição firme de democratas, o Senado americano entrou em recesso até depois da eleição de 3 de novembro.

A paralisação praticamente inviabiliza as perspectivas para a aprovação de uma nova legislação de alívio econômico antes do pleito. Para o BBH, as negociações acabaram de vez. "Os dois lados estão muito distantes em vários assuntos para resolver rapidamente", avalia.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;