Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 25 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dívida Pública Federal sobe 2,59% e fecha setembro em R$ 4,526 trilhões

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Dados foram divulgados nesta terça-feira, pelo Tesouro Nacional; em agosto, estoque estava em R$ 4,412 trilhões



27/10/2020 | 15:00


O estoque da Dívida Pública Federal (DPF) cresceu 2,59% em setembro e fechou o mês em R$ 4,526 trilhões. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 27, pelo Tesouro Nacional. Em agosto, o estoque estava em R$ 4,412 trilhões.

A correção de juros no estoque da DPF foi de R$ 33,69 bilhões no mês passado, enquanto houve emissão líquida de R$ 80,70 bilhões.

A DPF inclui a dívida interna e externa. A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 2,56% em setembro fechou o mês em R$ 4,280 trilhões. Já a Dívida Pública Federal externa (DPFe) ficou 3,21% maior no mês, somando R$ 245,89 bilhões ao fim de setembro.

Estrangeiros

Após crescimento em agosto, a participação dos investidores estrangeiros no total da Dívida Pública voltou a subir, ligeiramente, em setembro. De acordo com dados divulgados pelo Tesouro Nacional, a parcela dos investidores não residentes no Brasil no estoque da DPMFi passou de 9,40% em agosto para 9,44% no mês passado. No fim de 2019, a fatia estava em 10,43%.

Em valores nominais, o estoque de papéis nas mãos dos estrangeiros somou R$ 404,16 bilhões em setembro, ante R$ 392,51 bilhões em agosto.

A maior participação no estoque da DPMFi continuou voltou a ser das instituições financeiras, cuja fatia passou de 26,69% em agosto para 27,43% em setembro. Com isso, o grupo superou os fundos de investimento, que ficaram com 26,39% em setembro, ante 26,91% de agosto.

Na sequência, o grupo Previdência passou de uma participação de 23,94% para 23,71% de um mês para o outro. Já as seguradoras mantiveram a fatia de 3,95%.

Parcela prefixada

A parcela de títulos prefixados na DPF subiu em setembro, para 32,56%. Em agosto, estava em 30,14%. Já os papéis atrelados à Selic reduziram a fatia, de 39,17% para 36,77%.

Os títulos remunerados pela inflação caíram para 24,90% do estoque da DPF em setembro, ante 24,97% em agosto. Os papéis cambiais tiveram aumento na participação na DPF de 5,72% em agosto para 5,76% em setembro.

Todos os papéis estão dentro das metas do Plano Anual de Financiamento para o fim deste ano. O intervalo do objetivo perseguido pelo Tesouro para os títulos atrelados à taxa básica de juros em 2020 vai de 36% a 40%. Para os pré-fixados, o intervalo é de 30% a 34%. No caso dos que têm índices de preço como referência, a meta é de 23% a 27% e, no de câmbio, de 3% a 7%.

O Tesouro informou ainda que parcela da DPF a vencer em 12 meses subiu de 21,65% em agosto para 26,03% em setembro. O prazo médio da dívida passou de 3,90 anos em agosto para 3,83 anos no mês passado. O custo médio acumulado em 12 meses da DPF aumentou de 8,54% ao ano em agosto para 8,72% ao ano em setembro.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dívida Pública Federal sobe 2,59% e fecha setembro em R$ 4,526 trilhões

Dados foram divulgados nesta terça-feira, pelo Tesouro Nacional; em agosto, estoque estava em R$ 4,412 trilhões


27/10/2020 | 15:00


O estoque da Dívida Pública Federal (DPF) cresceu 2,59% em setembro e fechou o mês em R$ 4,526 trilhões. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 27, pelo Tesouro Nacional. Em agosto, o estoque estava em R$ 4,412 trilhões.

A correção de juros no estoque da DPF foi de R$ 33,69 bilhões no mês passado, enquanto houve emissão líquida de R$ 80,70 bilhões.

A DPF inclui a dívida interna e externa. A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 2,56% em setembro fechou o mês em R$ 4,280 trilhões. Já a Dívida Pública Federal externa (DPFe) ficou 3,21% maior no mês, somando R$ 245,89 bilhões ao fim de setembro.

Estrangeiros

Após crescimento em agosto, a participação dos investidores estrangeiros no total da Dívida Pública voltou a subir, ligeiramente, em setembro. De acordo com dados divulgados pelo Tesouro Nacional, a parcela dos investidores não residentes no Brasil no estoque da DPMFi passou de 9,40% em agosto para 9,44% no mês passado. No fim de 2019, a fatia estava em 10,43%.

Em valores nominais, o estoque de papéis nas mãos dos estrangeiros somou R$ 404,16 bilhões em setembro, ante R$ 392,51 bilhões em agosto.

A maior participação no estoque da DPMFi continuou voltou a ser das instituições financeiras, cuja fatia passou de 26,69% em agosto para 27,43% em setembro. Com isso, o grupo superou os fundos de investimento, que ficaram com 26,39% em setembro, ante 26,91% de agosto.

Na sequência, o grupo Previdência passou de uma participação de 23,94% para 23,71% de um mês para o outro. Já as seguradoras mantiveram a fatia de 3,95%.

Parcela prefixada

A parcela de títulos prefixados na DPF subiu em setembro, para 32,56%. Em agosto, estava em 30,14%. Já os papéis atrelados à Selic reduziram a fatia, de 39,17% para 36,77%.

Os títulos remunerados pela inflação caíram para 24,90% do estoque da DPF em setembro, ante 24,97% em agosto. Os papéis cambiais tiveram aumento na participação na DPF de 5,72% em agosto para 5,76% em setembro.

Todos os papéis estão dentro das metas do Plano Anual de Financiamento para o fim deste ano. O intervalo do objetivo perseguido pelo Tesouro para os títulos atrelados à taxa básica de juros em 2020 vai de 36% a 40%. Para os pré-fixados, o intervalo é de 30% a 34%. No caso dos que têm índices de preço como referência, a meta é de 23% a 27% e, no de câmbio, de 3% a 7%.

O Tesouro informou ainda que parcela da DPF a vencer em 12 meses subiu de 21,65% em agosto para 26,03% em setembro. O prazo médio da dívida passou de 3,90 anos em agosto para 3,83 anos no mês passado. O custo médio acumulado em 12 meses da DPF aumentou de 8,54% ao ano em agosto para 8,72% ao ano em setembro.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;