Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 25 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas da Europa fecham em baixa, com coronavírus, impasse nos EUA e balanços



27/10/2020 | 14:27


As bolsas da Europa fecharam em queda nesta terça-feira, em meio ao noticiário negativo sobre o avanço da covid-19 na região. Países vêm registrando alguns de seus maiores números diários de casos, e os governos estão ampliando restrições à circulação de pessoas. Nos Estados Unidos, o recesso do Senado iniciado na segunda-feira inviabiliza a aprovação de um pacote de estímulos antes da eleição. Além disso, houve a publicação de uma série de balanços. O índice pan-europeu Stoxx 600 teve queda de 0,95%, a 352,58 pontos.

Para o Morgan Stanley, as coisas vão piorar antes de melhorar com o inverno na Europa. Depois de revisar sua projeção para a economia da zona do euro no quarto trimestre, de alta para leve queda, o banco vê agora a possibilidade de o Banco Central Europeu (BCE) tomar medidas adicionais em meio ao impacto da segunda onda da covid-19. A instituição divulga decisão de política monetária na quinta-feira.

A União Europeia informou nesta terça que não espera que toda a região seja vacinada antes de 2022. Na segunda-feira, a Organização Mundial da Saúde (OMS) definiu a Europa como epicentro da doença.

Nos EUA, o Senado entrou em recesso após a noite de segunda-feira, o que dificultou as tratativas por um novo acordo fiscal antes das eleições de 3 de novembro que pudesse dar estímulos positivos ao mercado.

No noticiário corporativo, os três principais balanços divulgados nesta terça ajudaram a aquecer os negócios, mas, ao longo da sessão, os ganhos se reverteram. As ações do HSBC, que chegaram a subir 6%, tiveram alta de 3,37%, enquanto as do Santander caíram perto de 1,46%, após subirem mais de 3%. A BP teve queda de 2,13%.

Outros bancos espanhóis seguiram o Santander, e registram quedas. Caixabank (-3,89%), Bankia (-4,68%) e BBVA (-1,23%) caíram. No país, a tendência no orçamento de 2021 de aumento de impostos sobre o diesel ajudou as ações da Repsol a terem queda de 3,23%.

Em Madrid, o IBEX 35 teve a maior queda dentre as principais bolsas, recuando 2,14%, a 6.651,30 pontos.

Na Alemanha, a chanceler Angela Merkel resumiu a situação como "ameaçadora" e falou ainda em "meses muito difíceis", e o ministro das Finanças cogitou ainda mais restrições. Demonstrando grande volatilidade de acordo com o noticiário da pandemia, a Lufthansa caiu 5,32%, em um cenário de diversos líderes visando restringir viagens. Em Frankfurt, o DAX teve queda de 0,93%, 12.063,57 pontos.

A Air France-KLM registrou baixa de 3,67%, enquanto no país se fala no aumento das medidas de restrição. Em Paris, o CAC 40 fechou em baixa de 1,77%, a 4.730,66 pontos. A IAG teve queda de 4,31% em Londres, seguida pela EasyJet (-3,00%). Os resultados ajudaram recuo do FTSE 100 na capital britânica, que teve baixa de 1,09%, a 5.728,99 pontos.

Em Milão, onde intensos protestos contra medidas de contenção à covid-19 foram registrados, o FTSE MIB caiu 1,53%, a 18.654,95 pontos, em dia negativo para bancos, com as quedas de Bper Banca (-6,95%) e Unicredit (-3,94%).

A Galp divulgou na segunda-feira balanço visto como negativo pelo mercado, e ampliou na terça suas baixas, com queda nas ações de 4,03%. O resultado ajudou a impulsionar o PSI 20, em Lisboa, que fechou em baixa de 1,83%, 3.977,43 pontos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsas da Europa fecham em baixa, com coronavírus, impasse nos EUA e balanços


27/10/2020 | 14:27


As bolsas da Europa fecharam em queda nesta terça-feira, em meio ao noticiário negativo sobre o avanço da covid-19 na região. Países vêm registrando alguns de seus maiores números diários de casos, e os governos estão ampliando restrições à circulação de pessoas. Nos Estados Unidos, o recesso do Senado iniciado na segunda-feira inviabiliza a aprovação de um pacote de estímulos antes da eleição. Além disso, houve a publicação de uma série de balanços. O índice pan-europeu Stoxx 600 teve queda de 0,95%, a 352,58 pontos.

Para o Morgan Stanley, as coisas vão piorar antes de melhorar com o inverno na Europa. Depois de revisar sua projeção para a economia da zona do euro no quarto trimestre, de alta para leve queda, o banco vê agora a possibilidade de o Banco Central Europeu (BCE) tomar medidas adicionais em meio ao impacto da segunda onda da covid-19. A instituição divulga decisão de política monetária na quinta-feira.

A União Europeia informou nesta terça que não espera que toda a região seja vacinada antes de 2022. Na segunda-feira, a Organização Mundial da Saúde (OMS) definiu a Europa como epicentro da doença.

Nos EUA, o Senado entrou em recesso após a noite de segunda-feira, o que dificultou as tratativas por um novo acordo fiscal antes das eleições de 3 de novembro que pudesse dar estímulos positivos ao mercado.

No noticiário corporativo, os três principais balanços divulgados nesta terça ajudaram a aquecer os negócios, mas, ao longo da sessão, os ganhos se reverteram. As ações do HSBC, que chegaram a subir 6%, tiveram alta de 3,37%, enquanto as do Santander caíram perto de 1,46%, após subirem mais de 3%. A BP teve queda de 2,13%.

Outros bancos espanhóis seguiram o Santander, e registram quedas. Caixabank (-3,89%), Bankia (-4,68%) e BBVA (-1,23%) caíram. No país, a tendência no orçamento de 2021 de aumento de impostos sobre o diesel ajudou as ações da Repsol a terem queda de 3,23%.

Em Madrid, o IBEX 35 teve a maior queda dentre as principais bolsas, recuando 2,14%, a 6.651,30 pontos.

Na Alemanha, a chanceler Angela Merkel resumiu a situação como "ameaçadora" e falou ainda em "meses muito difíceis", e o ministro das Finanças cogitou ainda mais restrições. Demonstrando grande volatilidade de acordo com o noticiário da pandemia, a Lufthansa caiu 5,32%, em um cenário de diversos líderes visando restringir viagens. Em Frankfurt, o DAX teve queda de 0,93%, 12.063,57 pontos.

A Air France-KLM registrou baixa de 3,67%, enquanto no país se fala no aumento das medidas de restrição. Em Paris, o CAC 40 fechou em baixa de 1,77%, a 4.730,66 pontos. A IAG teve queda de 4,31% em Londres, seguida pela EasyJet (-3,00%). Os resultados ajudaram recuo do FTSE 100 na capital britânica, que teve baixa de 1,09%, a 5.728,99 pontos.

Em Milão, onde intensos protestos contra medidas de contenção à covid-19 foram registrados, o FTSE MIB caiu 1,53%, a 18.654,95 pontos, em dia negativo para bancos, com as quedas de Bper Banca (-6,95%) e Unicredit (-3,94%).

A Galp divulgou na segunda-feira balanço visto como negativo pelo mercado, e ampliou na terça suas baixas, com queda nas ações de 4,03%. O resultado ajudou a impulsionar o PSI 20, em Lisboa, que fechou em baixa de 1,83%, 3.977,43 pontos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;