Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 26 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Região e defesa nacional


Do Diário do Grande ABC

24/10/2020 | 00:28


Presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) confirmou ontem, em solenidade na Capital Federal, investimento de R$ 24,3 bilhões na compra de 36 aviões caça para a FAB (Força Aérea Brasileira). Parte significativa do dinheiro vai chegar ao Grande ABC. Como? Desde julho, São Bernardo é sede da SAM (Saab Aeronáutica Montagens), empresa de capital sueco que fabrica o cone da cauda da aeronave militar. Eis um nicho, o de defesa e segurança, que pode ajudar a região na retomada econômica – ainda mais no momento em que o País é governado por um entusiasta do fortalecimento do setor.

Outra notícia que merece destaque nesta edição do Diário também orbita o segmento. Trata-se do investimento de US$ 7 milhões, ou R$ 39,4 milhões, feito pela CBC (Companhia Brasileira de Cartuchos) para ampliação da sede da empresa, em Ribeirão Pires. O aporte é para triplicar a capacidade de produção de munição calibre 22, ideal para a prática esportiva de tiro, de 80 milhões anuais a 220 milhões.

No momento, segundo o presidente da CBC, Fábio Mazzaro, a empresa exporta boa parte da produção. O fortalecimento das áreas de defesa e segurança pública, duas das principais preocupações do presidente da República, pode levar à companhia a novos investimentos, gerando mais impostos e empregos. “Quando tudo lhes parecer incerto, lembrem-se das Forças Armadas”, disse Bolsonaro, ontem.

Buscar a diversificação de seu parque fabril é a única maneira de o Grande ABC manter a pujança econômica. Desde o fim da década de 1950, quando a primeira montadora se instalou em São Bernardo, a região deve o seu vigor à indústria automobilística. Mas o modelo que tanta riqueza gerou às sete cidades está se tornando rapidamente anacrônico – em apenas duas décadas, a eletricidade deve sepultar os veículos movidos a combustível fóssil, hoje a principal fonte dos automóveis produzidos pelo bloco regional.

Eis o futuro; não dá mais para medir a economia com a régua do passado. Bolsonaro está indicando um caminho para o Grande ABC. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Região e defesa nacional

Do Diário do Grande ABC

24/10/2020 | 00:28


Presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) confirmou ontem, em solenidade na Capital Federal, investimento de R$ 24,3 bilhões na compra de 36 aviões caça para a FAB (Força Aérea Brasileira). Parte significativa do dinheiro vai chegar ao Grande ABC. Como? Desde julho, São Bernardo é sede da SAM (Saab Aeronáutica Montagens), empresa de capital sueco que fabrica o cone da cauda da aeronave militar. Eis um nicho, o de defesa e segurança, que pode ajudar a região na retomada econômica – ainda mais no momento em que o País é governado por um entusiasta do fortalecimento do setor.

Outra notícia que merece destaque nesta edição do Diário também orbita o segmento. Trata-se do investimento de US$ 7 milhões, ou R$ 39,4 milhões, feito pela CBC (Companhia Brasileira de Cartuchos) para ampliação da sede da empresa, em Ribeirão Pires. O aporte é para triplicar a capacidade de produção de munição calibre 22, ideal para a prática esportiva de tiro, de 80 milhões anuais a 220 milhões.

No momento, segundo o presidente da CBC, Fábio Mazzaro, a empresa exporta boa parte da produção. O fortalecimento das áreas de defesa e segurança pública, duas das principais preocupações do presidente da República, pode levar à companhia a novos investimentos, gerando mais impostos e empregos. “Quando tudo lhes parecer incerto, lembrem-se das Forças Armadas”, disse Bolsonaro, ontem.

Buscar a diversificação de seu parque fabril é a única maneira de o Grande ABC manter a pujança econômica. Desde o fim da década de 1950, quando a primeira montadora se instalou em São Bernardo, a região deve o seu vigor à indústria automobilística. Mas o modelo que tanta riqueza gerou às sete cidades está se tornando rapidamente anacrônico – em apenas duas décadas, a eletricidade deve sepultar os veículos movidos a combustível fóssil, hoje a principal fonte dos automóveis produzidos pelo bloco regional.

Eis o futuro; não dá mais para medir a economia com a régua do passado. Bolsonaro está indicando um caminho para o Grande ABC. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;