Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 26 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Atividade de campanha de Kiko causa aglomeração

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

24/10/2020 | 00:01


Evento de apoio ao prefeito de Ribeirão Pires e candidato à reeleição, Adler Kiko Teixeira (PSDB), chamou a atenção por descumprir os protocolos de segurança que visam impedir disseminação do novo coronavírus. A atividade política ocorreu na noite de quinta-feira, no salão do Ribeirão Pires Futebol Clube, bem próximo ao hospital de campanha montado pelo Executivo exatamente para tratar dos doentes de Covid-19.

Em vídeos obtidos pelo Diário, cerca de 900 pessoas, algumas sem máscaras ou utilizando o item de segurança de maneira incorreta, se aglomeraram em um lugar fechado, contrariando frontalmente o que determina a OMS (Organização Mundial da Saúde), que sustenta que deve haver distanciamento físico entre as pessoas para que a Covid-19 não se alastre. Além do prefeito, estavam presentes o vice-prefeito Gabriel Roncon (PTB) e a primeira-dama Flávia Dotto (PSDB).

Além do trio, o evento reuniu integrantes, candidatos e presidentes dos 15 partidos que fazem parte da coligação que apoiam a candidatura de Kiko e foi denominado “arrancada de campanha”. Do lado de fora, houve rojões e barulho para marcar o início, para valer, da tentativa de reeleição.
A coordenação de campanha de Kiko alegou que houve rigor no controle de entrada e que a ocupação do espaço ficou em 60% da capacidade, como dita os protocolos de segurança.

“Pessoas que eventualmente tiraram ou abaixaram a máscara foram orientadas a recolocá-las ou teriam que se retirar do evento”, assegurou a cúpula do projeto político do tucano.

Líder de governo na Câmara e que busca a reeleição, Edson Savietto, o Banha (PTB), assegurou que as normas foram seguidas desde o início do evento – a despeito de as imagens e vídeos mostrarem o contrário. O parlamentar afirmou que teve a temperatura medida antes de entrar ao salão, assim como sustentou que todos os presentes usavam máscara. “Realmente tinha muita gente, mas havia álcool em gel e a todo instante o locutor do evento pedia para que todos ficassem com as máscaras e que respeitassem o distanciamento social”

DISCURSO

No palanque, Kiko fez defesa de sua gestão e pediu aos presentes que provocassem, junto ao eleitorado, comparação de seu governo com o de Clóvis Volpi (PL), seu adversário no pleito.

Ele citou polêmicas do mandato de Volpi, quando moradores de rua foram retirados da cidade a fórceps e também sobre o tomógrafo em desuso encontrado abandonado no Complexo Hospitalar Santa Luzia. “Quem gosta de gente não coloca morador de rua numa Kombi e leva para o Interior”, sustentou o tucano. 

STF rejeita pedido do tucano e complica situação eleitoral do prefeito

O ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal), rejeitou pedido do prefeito e candidato à reeleição em Ribeirão Pires, Adler Kiko Teixeira (PSDB), que requereu efeito suspensivo em condenação de improbidade administrativa. Com essa decisão, Kiko vê aumentar suas chances de enfrentar problemas na Justiça Eleitoral.

 A defesa de Kiko alega que, por isso, ainda cabe recurso para suas condenações. Como tenta a reeleição, a demora em analisá-los poderia trazer prejuízos imediatos ao tucano.

 “Neste momento eleitoral, o requerente (Kiko) já foi escolhido candidato ao cargo de prefeito de Ribeirão Pires e teve seu registro impugnado unicamente em razão da existência da condenação por improbidade administrativa discutida nos autos”, citaram os advogados do prefeito, que listaram o exemplo do candidato ao Senado Marcelo Fortes Barbieri, que apresentou efeito suspensivo, em 2018, e conseguiu manter sua candidatura enquanto o processo corria na Justiça.

 Kiko foi condenado por órgão colegiado em 2018 por improbidade administrativa em caso que remonta a 2008, quando ele era chefe do Executivo de Rio Grande da Serra. 

 Por nota, a assessoria de Kiko informou que “os advogados da campanha estudam os próximos passos” e que ainda cabe outro pedido de liminar. “O registro da candidatura de Kiko segue em julgamento na Justiça eleitoral, assim como o das demais candidaturas de Ribeirão Pires. A programação da campanha de Kiko segue inalterada.” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Atividade de campanha de Kiko causa aglomeração

Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

24/10/2020 | 00:01


Evento de apoio ao prefeito de Ribeirão Pires e candidato à reeleição, Adler Kiko Teixeira (PSDB), chamou a atenção por descumprir os protocolos de segurança que visam impedir disseminação do novo coronavírus. A atividade política ocorreu na noite de quinta-feira, no salão do Ribeirão Pires Futebol Clube, bem próximo ao hospital de campanha montado pelo Executivo exatamente para tratar dos doentes de Covid-19.

Em vídeos obtidos pelo Diário, cerca de 900 pessoas, algumas sem máscaras ou utilizando o item de segurança de maneira incorreta, se aglomeraram em um lugar fechado, contrariando frontalmente o que determina a OMS (Organização Mundial da Saúde), que sustenta que deve haver distanciamento físico entre as pessoas para que a Covid-19 não se alastre. Além do prefeito, estavam presentes o vice-prefeito Gabriel Roncon (PTB) e a primeira-dama Flávia Dotto (PSDB).

Além do trio, o evento reuniu integrantes, candidatos e presidentes dos 15 partidos que fazem parte da coligação que apoiam a candidatura de Kiko e foi denominado “arrancada de campanha”. Do lado de fora, houve rojões e barulho para marcar o início, para valer, da tentativa de reeleição.
A coordenação de campanha de Kiko alegou que houve rigor no controle de entrada e que a ocupação do espaço ficou em 60% da capacidade, como dita os protocolos de segurança.

“Pessoas que eventualmente tiraram ou abaixaram a máscara foram orientadas a recolocá-las ou teriam que se retirar do evento”, assegurou a cúpula do projeto político do tucano.

Líder de governo na Câmara e que busca a reeleição, Edson Savietto, o Banha (PTB), assegurou que as normas foram seguidas desde o início do evento – a despeito de as imagens e vídeos mostrarem o contrário. O parlamentar afirmou que teve a temperatura medida antes de entrar ao salão, assim como sustentou que todos os presentes usavam máscara. “Realmente tinha muita gente, mas havia álcool em gel e a todo instante o locutor do evento pedia para que todos ficassem com as máscaras e que respeitassem o distanciamento social”

DISCURSO

No palanque, Kiko fez defesa de sua gestão e pediu aos presentes que provocassem, junto ao eleitorado, comparação de seu governo com o de Clóvis Volpi (PL), seu adversário no pleito.

Ele citou polêmicas do mandato de Volpi, quando moradores de rua foram retirados da cidade a fórceps e também sobre o tomógrafo em desuso encontrado abandonado no Complexo Hospitalar Santa Luzia. “Quem gosta de gente não coloca morador de rua numa Kombi e leva para o Interior”, sustentou o tucano. 

STF rejeita pedido do tucano e complica situação eleitoral do prefeito

O ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal), rejeitou pedido do prefeito e candidato à reeleição em Ribeirão Pires, Adler Kiko Teixeira (PSDB), que requereu efeito suspensivo em condenação de improbidade administrativa. Com essa decisão, Kiko vê aumentar suas chances de enfrentar problemas na Justiça Eleitoral.

 A defesa de Kiko alega que, por isso, ainda cabe recurso para suas condenações. Como tenta a reeleição, a demora em analisá-los poderia trazer prejuízos imediatos ao tucano.

 “Neste momento eleitoral, o requerente (Kiko) já foi escolhido candidato ao cargo de prefeito de Ribeirão Pires e teve seu registro impugnado unicamente em razão da existência da condenação por improbidade administrativa discutida nos autos”, citaram os advogados do prefeito, que listaram o exemplo do candidato ao Senado Marcelo Fortes Barbieri, que apresentou efeito suspensivo, em 2018, e conseguiu manter sua candidatura enquanto o processo corria na Justiça.

 Kiko foi condenado por órgão colegiado em 2018 por improbidade administrativa em caso que remonta a 2008, quando ele era chefe do Executivo de Rio Grande da Serra. 

 Por nota, a assessoria de Kiko informou que “os advogados da campanha estudam os próximos passos” e que ainda cabe outro pedido de liminar. “O registro da candidatura de Kiko segue em julgamento na Justiça eleitoral, assim como o das demais candidaturas de Ribeirão Pires. A programação da campanha de Kiko segue inalterada.” 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;