Fechar
Publicidade

Domingo, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

IIF: crise da covid-19 é mais grave que a de 2008 por falta de estímulos na China



22/10/2020 | 15:03


A recessão provocada pelo coronavírus é muito mais profunda que a crise financeira de 2008 porque, desta vez, a China não está implementando o mesmo volume de medidas de estímulos à infraestrutura. A análise consta em relatório divulgado nesta quinta-feira pelo Instituto Internacional de Finanças (IIF).

Segundo a instituição, os investimentos massivos do país asiático há uma década impulsionaram os preços das commodities, o que favoreceu emergentes exportadores. "A falta de estímulos comparáveis agora significa que a recuperação dos fluxos de emergentes é muito mais lenta do que depois da crise financeira global, mesmo com a política monetária do G-3 muito acomodatícia", explica.

O Instituto acrescenta que o fluxo de investidores estrangeiros para Pequim segue forte, o que "direciona o foco do mercado para a China e longe dos demais emergentes".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

IIF: crise da covid-19 é mais grave que a de 2008 por falta de estímulos na China


22/10/2020 | 15:03


A recessão provocada pelo coronavírus é muito mais profunda que a crise financeira de 2008 porque, desta vez, a China não está implementando o mesmo volume de medidas de estímulos à infraestrutura. A análise consta em relatório divulgado nesta quinta-feira pelo Instituto Internacional de Finanças (IIF).

Segundo a instituição, os investimentos massivos do país asiático há uma década impulsionaram os preços das commodities, o que favoreceu emergentes exportadores. "A falta de estímulos comparáveis agora significa que a recuperação dos fluxos de emergentes é muito mais lenta do que depois da crise financeira global, mesmo com a política monetária do G-3 muito acomodatícia", explica.

O Instituto acrescenta que o fluxo de investidores estrangeiros para Pequim segue forte, o que "direciona o foco do mercado para a China e longe dos demais emergentes".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;