Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 27 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Gestores buscam US$ 300 bilhões para fundos de crédito privado, diz 'FT'



22/10/2020 | 08:51


Gestores de recursos estão à caça de algo em torno de US$ 300 bilhões para fundos de crédito privado de firmas como os americanos Goldman Sachs e Oaktree, especializado em investimentos alternativos, conforme reportagem publicada na versão digital do britânico Financial Times desta quinta-feira. O movimento visa a atrair recursos para além dos "frágeis" mercados de dívida pública e de ações, que aumentaram de preço após a injeção de trilhões de dólares feita por bancos centrais e governos para combater o choque pandêmico.

Como ímã para atrair os investidores, de acordo com o jornal britânico, os gestores argumentam que o crédito privado é uma área ainda que não se saturou. Além disso, foi beneficiada com o aprimoramento regulatório no pós-crise, que fez com que os bancos adotassem uma postura mais cautelosa quanto a empréstimos para clientes de maior risco.

A oferta por parte dos gestores de ativos equivalia a um total de 520 fundos de crédito privado em outubro contra 436 no início do ano e pouco menos de 400 em janeiro de 2019, conforme levantamento feito pela empresa de análise de dados Preqin e o Financial Times.

Não só o número cresceu bem como o tamanho médio dos fundos de investimento. De acordo com a reportagem do jornal britânico, a meta combinada de arrecadação soma US$ 292 bilhões, acima dos US$ 192 bilhões vislumbrados em janeiro deste ano.

Dentre os fundos abertos, o Goldman Sachs busca US$ 14 bilhões para seu veículo, o West Street Strategic Solutions Fund I, acima da meta inicial, que era de US$ 5 bilhões a US$ 10 bilhões. Oaktree, fundado pelo renomado gestor americano Howard Marks, está levantando um fundo de US$ 15 bilhões para investir em crédito corporativo com dificuldades, especialidade da casa.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Gestores buscam US$ 300 bilhões para fundos de crédito privado, diz 'FT'


22/10/2020 | 08:51


Gestores de recursos estão à caça de algo em torno de US$ 300 bilhões para fundos de crédito privado de firmas como os americanos Goldman Sachs e Oaktree, especializado em investimentos alternativos, conforme reportagem publicada na versão digital do britânico Financial Times desta quinta-feira. O movimento visa a atrair recursos para além dos "frágeis" mercados de dívida pública e de ações, que aumentaram de preço após a injeção de trilhões de dólares feita por bancos centrais e governos para combater o choque pandêmico.

Como ímã para atrair os investidores, de acordo com o jornal britânico, os gestores argumentam que o crédito privado é uma área ainda que não se saturou. Além disso, foi beneficiada com o aprimoramento regulatório no pós-crise, que fez com que os bancos adotassem uma postura mais cautelosa quanto a empréstimos para clientes de maior risco.

A oferta por parte dos gestores de ativos equivalia a um total de 520 fundos de crédito privado em outubro contra 436 no início do ano e pouco menos de 400 em janeiro de 2019, conforme levantamento feito pela empresa de análise de dados Preqin e o Financial Times.

Não só o número cresceu bem como o tamanho médio dos fundos de investimento. De acordo com a reportagem do jornal britânico, a meta combinada de arrecadação soma US$ 292 bilhões, acima dos US$ 192 bilhões vislumbrados em janeiro deste ano.

Dentre os fundos abertos, o Goldman Sachs busca US$ 14 bilhões para seu veículo, o West Street Strategic Solutions Fund I, acima da meta inicial, que era de US$ 5 bilhões a US$ 10 bilhões. Oaktree, fundado pelo renomado gestor americano Howard Marks, está levantando um fundo de US$ 15 bilhões para investir em crédito corporativo com dificuldades, especialidade da casa.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;