Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 20 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

França desperta com os transportes paralisados


Da AFP

14/11/2007 | 11:57


Pela segunda vez em menos de um mês, a França despertou nesta quarta-feira com uma importante paralisação nos transportes públicos, no primeiro dia de greve dos trabalhadores ferroviários e metroviários que protestam contra a reforma dos regimes especiais de aposentadoria.

Os sindicatos franceses esperam renovar e, inclusive, superar, o êxito do primeiro dia de greve em 18 de outubro, que conseguiu uma adesão recorde contra esta medida do programa do presidente Nicolas Sarkozy. O movimento começou na noite de terça-feira, às 20h locais, e deve prosseguir até a próxima semana.

Caos- O tráfego era quase nenhum no metrô parisiense e se registrava fortes perturbações ferroviárias. A greve provocou na manhã de hoje cerca de 350 km de engarrafamentos acumulados, sobretudo nos arredores da capital.

Segundo as previsões de tráfego da estatal ferroviária francesa SNCF, apenas 90 dos 700 Trens de Alta Velocidade (TGV, siglas em francês) devem funcionar quarta-feira na rede nacional, e pouquíssimos trens nas regiões, subúrbios e região parisiense.

O tráfego ainda será "muito perturbado" quinta-feira e "muito provavelmente também no fim de semana", alertou a SNCF, que previu um "serviço normal" quarta-feira para os trens europeus Eurostar e Thalys.

Motivos- Esta greve foi decidida para protestar contra a reforma do sistema de aposentadorias especiais, que prevê o aumento de 37,5 para 40 anos da duração da contribuição para receber aposentadoria integral. Cerca de 500 mil pessoas se beneficiam deste sistema de aposentadorias especiais.

Os sindicatos querem obrigar o governo a abrir novas negociações. Uma reunião estava prevista para a noite desta terça-feira, pouco antes do início da greve, entre os representantes da Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT) - sindicato majoritário nos transportes - e o ministro francês do Trabalho, Xavier Bertrand.

Negociações- O secretário-geral da presidência, Claude Guéant, anunciou que o poder aceitou "negociações por empresas nas quais o estado será representado", como havia sugerido terça-feira a CGT.

Segundo Guéant, o líder da CGT, Bernard Thibault, que pedia até agora uma negociação com o Estado e não com as empresas, "permitiu que a crise possa ser resolvida já no primeiro dia do conflito".

Paralelamente, o ministro do Trabalho, Xavier Bertrand, recebia os representantes sindicais nesta quarta-feira.

Popularidade- Apesar de ser criticado de forma virulenta pela oposição socialista, Sarkozy conta com o apoio da maioria da população. De acordo com uma pesquisa publicada nesta terça-feira pelo jornal de esquerda Libération, 59% dos franceses apóiam a reforma proposta por ele.

Entretanto, segundo o mesmo estudo, a ação do presidente da França no âmbito da recuperação do poder aquisitivo - o tema que mais preocupa os franceses - foi reprovada por 79% da população.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

França desperta com os transportes paralisados

Da AFP

14/11/2007 | 11:57


Pela segunda vez em menos de um mês, a França despertou nesta quarta-feira com uma importante paralisação nos transportes públicos, no primeiro dia de greve dos trabalhadores ferroviários e metroviários que protestam contra a reforma dos regimes especiais de aposentadoria.

Os sindicatos franceses esperam renovar e, inclusive, superar, o êxito do primeiro dia de greve em 18 de outubro, que conseguiu uma adesão recorde contra esta medida do programa do presidente Nicolas Sarkozy. O movimento começou na noite de terça-feira, às 20h locais, e deve prosseguir até a próxima semana.

Caos- O tráfego era quase nenhum no metrô parisiense e se registrava fortes perturbações ferroviárias. A greve provocou na manhã de hoje cerca de 350 km de engarrafamentos acumulados, sobretudo nos arredores da capital.

Segundo as previsões de tráfego da estatal ferroviária francesa SNCF, apenas 90 dos 700 Trens de Alta Velocidade (TGV, siglas em francês) devem funcionar quarta-feira na rede nacional, e pouquíssimos trens nas regiões, subúrbios e região parisiense.

O tráfego ainda será "muito perturbado" quinta-feira e "muito provavelmente também no fim de semana", alertou a SNCF, que previu um "serviço normal" quarta-feira para os trens europeus Eurostar e Thalys.

Motivos- Esta greve foi decidida para protestar contra a reforma do sistema de aposentadorias especiais, que prevê o aumento de 37,5 para 40 anos da duração da contribuição para receber aposentadoria integral. Cerca de 500 mil pessoas se beneficiam deste sistema de aposentadorias especiais.

Os sindicatos querem obrigar o governo a abrir novas negociações. Uma reunião estava prevista para a noite desta terça-feira, pouco antes do início da greve, entre os representantes da Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT) - sindicato majoritário nos transportes - e o ministro francês do Trabalho, Xavier Bertrand.

Negociações- O secretário-geral da presidência, Claude Guéant, anunciou que o poder aceitou "negociações por empresas nas quais o estado será representado", como havia sugerido terça-feira a CGT.

Segundo Guéant, o líder da CGT, Bernard Thibault, que pedia até agora uma negociação com o Estado e não com as empresas, "permitiu que a crise possa ser resolvida já no primeiro dia do conflito".

Paralelamente, o ministro do Trabalho, Xavier Bertrand, recebia os representantes sindicais nesta quarta-feira.

Popularidade- Apesar de ser criticado de forma virulenta pela oposição socialista, Sarkozy conta com o apoio da maioria da população. De acordo com uma pesquisa publicada nesta terça-feira pelo jornal de esquerda Libération, 59% dos franceses apóiam a reforma proposta por ele.

Entretanto, segundo o mesmo estudo, a ação do presidente da França no âmbito da recuperação do poder aquisitivo - o tema que mais preocupa os franceses - foi reprovada por 79% da população.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;