Fechar
Publicidade

Sábado, 28 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Robert Zoellick: Espero que Biden, no mínimo, evite erros comerciais de Trump



21/10/2020 | 21:43


O ex-presidente do Banco Mundial Robert Zoellick disse nesta quarta, 21, esperar que o democrata Joe Biden, caso saia vitorioso das eleições nos EUA no dia 3 de novembro, não repita os erros de política externa cometidos pela administração do republicano Donald Trump, que tenta a reeleição.

Ao participar de uma live da Fundação FHC, Zoellick considerou como erros de Trump o foco dado na resolução do déficit comercial com a China e a guinada ao protecionismo que levou a tarifas sobre produtos importados não apenas de chineses, mas também de parceiros comerciais europeus e dos vizinhos Canadá e México.

O ex-presidente do Banco Mundial afirmou também que será positivo se o futuro governo buscar uma reaproximação com a Organização Mundial do Comércio (OMC), enfraquecida desde a chegada de Trump à Casa Branca, ainda que sejam necessários alguns ajustes de transparência e no conselho geral da organização para que tal movimento, rejeitado por americanos, seja mais aceitável.

Durante a live, que teve entre os entrevistadores os ex-ministros Pedro Malan e Celso Lafer, além do embaixador Sergio Amaral, Zoellick disse que se coloca em posição contrária à concepção majoritária de que a cooperação dos Estados Unidos com a China falhou.

"Francamente, se você olhar para economia ou segurança nacional, isso é falso. Muito foi realizado em conjunto", observou Zoellick, acrescentando que, por motivações políticas, Trump foi levado a abrir um confronto contra a China. "Isso é politicamente popular, mas acho que ao longo do tempo as pessoas precisam refletir se a estratégia trouxe os resultados esperados", acrescentou.

Segundo ele, os conflitos entre Estados Unidos e China não inviabilizam a diplomacia, mas mostram que ela deve funcionar de forma diferente.

Representante de Comércio dos Estados Unidos no governo de George W. Bush, Zoellick classificou como um erro "incrível" a decisão de Trump de abandonar as negociações conduzidas por seu antecessor, Barack Obama, no TPP, como é conhecido o Acordo Transpacífico de Cooperação Econômica.

Após criticar a insistência de Trump num acordo bilateral com a China - outro erro -, Zoellick citou o TPP como o tipo de tratado comercial que os Estados Unidos devem perseguir.

Ele observou que, embora o partido democrata tenha historicamente uma tendência mais protecionista, é interessante notar que hoje as pesquisas mostram apoio entre eleitores do partido de Biden à agenda comercial.

"Os eleitores democratas são hoje mais pró-comércio do que os eleitores republicanos. Acho que isso é, em parte, porque eles estão se opondo a Trump, mas também porque as gerações mais jovens enxergam o mundo de forma um pouco diferente", tentou explicar.

Zoellick disse que não quer alimentar expectativas em relação a uma vitória de Biden, embora o democrata esteja num campo de maior apoio ao multilateralismo. Comentou que espera que, ao menos, os erros não se repitam, citando, como exemplo, o uso das tarifas da seção 232 contra carros importados do Canadá, do México ou da Europa.

Caso Trump não consiga a reeleição, Zoellick avaliou ser hoje prematuro projetar como o Partido Republicano vai se posicionar como oposição, já que isto vai depender de como será a reformulação da sigla se houver derrota nas urnas.

O ex-presidente do Banco Mundial comentou que Biden, uma "criatura" do Senado americano, vai tentar iniciar um trabalho com a oposição, mas não será uma surpresa se não conseguir cooperação em frentes importantes.

Lembrando dos três últimos presidentes democratas - Jimmy Carter, Bill Clinton e Barack Obama -, Zoellick disse que todos tomaram posse com altas expectativas e com base legislativa, mas, em dois casos, perderam o controle do Congresso após apenas dois anos de mandato.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Robert Zoellick: Espero que Biden, no mínimo, evite erros comerciais de Trump


21/10/2020 | 21:43


O ex-presidente do Banco Mundial Robert Zoellick disse nesta quarta, 21, esperar que o democrata Joe Biden, caso saia vitorioso das eleições nos EUA no dia 3 de novembro, não repita os erros de política externa cometidos pela administração do republicano Donald Trump, que tenta a reeleição.

Ao participar de uma live da Fundação FHC, Zoellick considerou como erros de Trump o foco dado na resolução do déficit comercial com a China e a guinada ao protecionismo que levou a tarifas sobre produtos importados não apenas de chineses, mas também de parceiros comerciais europeus e dos vizinhos Canadá e México.

O ex-presidente do Banco Mundial afirmou também que será positivo se o futuro governo buscar uma reaproximação com a Organização Mundial do Comércio (OMC), enfraquecida desde a chegada de Trump à Casa Branca, ainda que sejam necessários alguns ajustes de transparência e no conselho geral da organização para que tal movimento, rejeitado por americanos, seja mais aceitável.

Durante a live, que teve entre os entrevistadores os ex-ministros Pedro Malan e Celso Lafer, além do embaixador Sergio Amaral, Zoellick disse que se coloca em posição contrária à concepção majoritária de que a cooperação dos Estados Unidos com a China falhou.

"Francamente, se você olhar para economia ou segurança nacional, isso é falso. Muito foi realizado em conjunto", observou Zoellick, acrescentando que, por motivações políticas, Trump foi levado a abrir um confronto contra a China. "Isso é politicamente popular, mas acho que ao longo do tempo as pessoas precisam refletir se a estratégia trouxe os resultados esperados", acrescentou.

Segundo ele, os conflitos entre Estados Unidos e China não inviabilizam a diplomacia, mas mostram que ela deve funcionar de forma diferente.

Representante de Comércio dos Estados Unidos no governo de George W. Bush, Zoellick classificou como um erro "incrível" a decisão de Trump de abandonar as negociações conduzidas por seu antecessor, Barack Obama, no TPP, como é conhecido o Acordo Transpacífico de Cooperação Econômica.

Após criticar a insistência de Trump num acordo bilateral com a China - outro erro -, Zoellick citou o TPP como o tipo de tratado comercial que os Estados Unidos devem perseguir.

Ele observou que, embora o partido democrata tenha historicamente uma tendência mais protecionista, é interessante notar que hoje as pesquisas mostram apoio entre eleitores do partido de Biden à agenda comercial.

"Os eleitores democratas são hoje mais pró-comércio do que os eleitores republicanos. Acho que isso é, em parte, porque eles estão se opondo a Trump, mas também porque as gerações mais jovens enxergam o mundo de forma um pouco diferente", tentou explicar.

Zoellick disse que não quer alimentar expectativas em relação a uma vitória de Biden, embora o democrata esteja num campo de maior apoio ao multilateralismo. Comentou que espera que, ao menos, os erros não se repitam, citando, como exemplo, o uso das tarifas da seção 232 contra carros importados do Canadá, do México ou da Europa.

Caso Trump não consiga a reeleição, Zoellick avaliou ser hoje prematuro projetar como o Partido Republicano vai se posicionar como oposição, já que isto vai depender de como será a reformulação da sigla se houver derrota nas urnas.

O ex-presidente do Banco Mundial comentou que Biden, uma "criatura" do Senado americano, vai tentar iniciar um trabalho com a oposição, mas não será uma surpresa se não conseguir cooperação em frentes importantes.

Lembrando dos três últimos presidentes democratas - Jimmy Carter, Bill Clinton e Barack Obama -, Zoellick disse que todos tomaram posse com altas expectativas e com base legislativa, mas, em dois casos, perderam o controle do Congresso após apenas dois anos de mandato.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;