Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 25 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Justiça nega recurso de ex-treinador de ginástica processado por abuso sexual de atletas

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Fernando de Carvalho, que trabalhou no Mesc e na Seleção Brasileira, participou de audiência nesta quarta


Do Diário do Grande ABC

21/10/2020 | 17:53


Desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo negaram o pedido de habeas corpus da defesa de Fernando de Carvalho Lopes, ex-técnico de ginástica artística do Mesc (Movimento de Expansão Social Católica), da equipe de São Bernardo, e da Seleção Brasileira da modalidade. Ele foi acusado de abuso sexual por diversos atletas e ex-atletas.

Na tarde desta quarta-feira (21), o julgamento do processo, foi realizado de maneira on-line e durou cerca de uma hora e meia. A decisão foi unânime: 3 votos a 0. O andamento da ação será retomada. Os representantes jurídicos de Lopes ainda podem recorrer ao Superior Tribunal de Justiça, mas, mesmo assim, o processo terá continuidade. 

A defesa havia realizado um pedido de habeas corpus no começo de fevereiro alegando que duas das quatro vítimas que basearam a denúncia do Ministério Público fossem retiradas da ação penal. O desembargador Aben-Athar de Paiva Coutinho concedeu liminar para suspender o processo e houve pausa de oito meses.

O ex-treinador é réu em processo que corre na 2ª Vara de São Bernardo do Campo desde maio de 2016. Reportagem especial exibida pelo programa Fantástico, da Globo, em abril de 2018, apontou que mais de 40 ginastas revelaram ter sofrido abusos cometidos pelo acusado entre os anos de 1999 e 2016. 

Ele foi denunciado pelo Ministério Público nos artigos 271-A (estupro de vulnerável) e 226 inciso II (agravante pela relação de poder em relação às vítimas). Caso seja condenado pela Justiça, Lopes pode ser preso por entre 54 e 150 anos, com punição de 37 anos e meio por cada vítima. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Justiça nega recurso de ex-treinador de ginástica processado por abuso sexual de atletas

Fernando de Carvalho, que trabalhou no Mesc e na Seleção Brasileira, participou de audiência nesta quarta

Do Diário do Grande ABC

21/10/2020 | 17:53


Desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo negaram o pedido de habeas corpus da defesa de Fernando de Carvalho Lopes, ex-técnico de ginástica artística do Mesc (Movimento de Expansão Social Católica), da equipe de São Bernardo, e da Seleção Brasileira da modalidade. Ele foi acusado de abuso sexual por diversos atletas e ex-atletas.

Na tarde desta quarta-feira (21), o julgamento do processo, foi realizado de maneira on-line e durou cerca de uma hora e meia. A decisão foi unânime: 3 votos a 0. O andamento da ação será retomada. Os representantes jurídicos de Lopes ainda podem recorrer ao Superior Tribunal de Justiça, mas, mesmo assim, o processo terá continuidade. 

A defesa havia realizado um pedido de habeas corpus no começo de fevereiro alegando que duas das quatro vítimas que basearam a denúncia do Ministério Público fossem retiradas da ação penal. O desembargador Aben-Athar de Paiva Coutinho concedeu liminar para suspender o processo e houve pausa de oito meses.

O ex-treinador é réu em processo que corre na 2ª Vara de São Bernardo do Campo desde maio de 2016. Reportagem especial exibida pelo programa Fantástico, da Globo, em abril de 2018, apontou que mais de 40 ginastas revelaram ter sofrido abusos cometidos pelo acusado entre os anos de 1999 e 2016. 

Ele foi denunciado pelo Ministério Público nos artigos 271-A (estupro de vulnerável) e 226 inciso II (agravante pela relação de poder em relação às vítimas). Caso seja condenado pela Justiça, Lopes pode ser preso por entre 54 e 150 anos, com punição de 37 anos e meio por cada vítima. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;