Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 23 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

MP-RJ vai à Justiça contra retirada de fundação de menores infratores da Educação



21/10/2020 | 15:24


O Ministério Público do Rio de Janeiro entrou com uma representação judicial para derrubar a emenda constitucional aprovada na Assembleia Legislativa do Estado (Alerj) para transferir o Departamento Geral de Ações Socioeducativas, o Degase, da Secretaria da Educação para a de Segurança Pública.

A PEC foi aprovada pelos deputados em setembro após uma articulação entre parlamentares e servidores do próprio Degase, que querem status de agentes penitenciários. Desde 2008, a fundação de menores infratores está sob o guarda-chuva da Secretaria de Educação.

Na representação enviada do Tribunal de Justiça fluminense na última terça, 13, o Ministério Público afirma que a mudança viola o princípio constitucional da proporcionalidade, uma vez que a finalidade pedagógico-educativa das medidas socioeducativas 'mostra-se incompatível com a lógica combativa do sistema de segurança pública'. Segundo a Procuradoria, o conteúdo educativo deve prevalecer sobre o 'sancionatório' no atendimento socioeducativo.

"Ao acolher o Degase como órgão de segurança, a Emenda Constitucional n.o 76/2020 passa a admitir que adolescentes submetidos a medidas socioeducativas recebam do Estado o mesmo tipo de tratamento dispensado a presos, fato que, além de refletir absoluto descompasso com a doutrina da proteção integral à criança e ao adolescente, é mostra de claro e inaceitável retrocesso jurídico", diz um trecho da representação assinada pela subprocuradora-geral de Justiça de Assuntos Cíveis e Institucionais, Ediléa Gonçalves dos Santos Cesario.

O documento aponta ainda que retirar o Degase da Secretaria da Educação implicará em perdas orçamentárias. Isso porque a legislação prevê vinculações de recursos oriundos de impostos e transferências obrigatórias ao setor.

"A gestão do Degase por pasta alheia à lógica educacional, à realidade e às dificuldades enfrentadas nas instalações físicas de atendimento, resultará no comprometimento de programas de governo e ações governamentais voltados à proteção, à educação e ao desenvolvimento de adolescentes submetidos a medidas socioeducativas", completa a subprocuradora.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

MP-RJ vai à Justiça contra retirada de fundação de menores infratores da Educação


21/10/2020 | 15:24


O Ministério Público do Rio de Janeiro entrou com uma representação judicial para derrubar a emenda constitucional aprovada na Assembleia Legislativa do Estado (Alerj) para transferir o Departamento Geral de Ações Socioeducativas, o Degase, da Secretaria da Educação para a de Segurança Pública.

A PEC foi aprovada pelos deputados em setembro após uma articulação entre parlamentares e servidores do próprio Degase, que querem status de agentes penitenciários. Desde 2008, a fundação de menores infratores está sob o guarda-chuva da Secretaria de Educação.

Na representação enviada do Tribunal de Justiça fluminense na última terça, 13, o Ministério Público afirma que a mudança viola o princípio constitucional da proporcionalidade, uma vez que a finalidade pedagógico-educativa das medidas socioeducativas 'mostra-se incompatível com a lógica combativa do sistema de segurança pública'. Segundo a Procuradoria, o conteúdo educativo deve prevalecer sobre o 'sancionatório' no atendimento socioeducativo.

"Ao acolher o Degase como órgão de segurança, a Emenda Constitucional n.o 76/2020 passa a admitir que adolescentes submetidos a medidas socioeducativas recebam do Estado o mesmo tipo de tratamento dispensado a presos, fato que, além de refletir absoluto descompasso com a doutrina da proteção integral à criança e ao adolescente, é mostra de claro e inaceitável retrocesso jurídico", diz um trecho da representação assinada pela subprocuradora-geral de Justiça de Assuntos Cíveis e Institucionais, Ediléa Gonçalves dos Santos Cesario.

O documento aponta ainda que retirar o Degase da Secretaria da Educação implicará em perdas orçamentárias. Isso porque a legislação prevê vinculações de recursos oriundos de impostos e transferências obrigatórias ao setor.

"A gestão do Degase por pasta alheia à lógica educacional, à realidade e às dificuldades enfrentadas nas instalações físicas de atendimento, resultará no comprometimento de programas de governo e ações governamentais voltados à proteção, à educação e ao desenvolvimento de adolescentes submetidos a medidas socioeducativas", completa a subprocuradora.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;